› 
Complicações na gravidez

Complicações na gravidez

Complicações na gravidez
comentarios0 comentarios
comparte

Problemas de tiróide?

As alterações hormonais e certas doenças podem dar lugar a desordens da glândula tiroideia na gravidez, que provocam graves complicações tanto para a mãe como para o feto se não se tem um controlo adequado.

O que é a tiróide?

A tiróide é uma pequena glândula em forma de mariposa que se encontra na parte dianteira do pescoço. Tem um papel muito importante na saúde, visto que as hormonas que produz ajudam a regular o crescimento e o desenvolvimento, a termogenese (regulação de calor), a taxa metabólica do corpo (velocidade com a qual a comida se transforma em energia) e a criação da síntese de proteínas.

Por vezes a glândula produz demasiada ou muito pouca tiroxina (a sua hormona que mantém o funcionamento normal do corpo), dando lugar a duas doenças: hipertiroidismo e hipotiroidismo.

Hipotiroidismo

A tiróide produz menos tiroxina do que deveria. Os sintomas desta doença são:

- Aumento de peso sem explicação.

- Fadiga.

- Sensação de frio

- Períodos menstruais mais fortes

- Perda de memória

- Prisão de ventre

- Batimentos cardíacos lentos

- Aumento da glândula tiroideia

- Dores musculares e das articulações

- Perda de cabelo

- Pele seca  

Hipertiroidismo

Existe uma série de sinais que avisam sobre o aparecimento desta dolência (a maioria das quais são contrárias às do hipotiroidismo):

- Perda de peso

- Nervosismo e irritabilidade

- Aumento dos batimentos cardíacos

- Deposições mais frequentes

- Sensação de calor

- Diminuição do fluxo menstrual

- Aumento da tiróide

- Irritação dos olhos e problemas da visão

Complicações na gravidez

Aproximadamente uma em cada 500 mulheres sofre desta doença durante a gravidez (o hipotiroidismo ocorre entre 3 a 5%; e o hipertiroidismo cerca de 2%). Algumas porque já padeciam deste problema, outras porque o desenvolveram durante a gestação. De uma forma ou de outra, o seu diagnóstico é muito difícil porque os sintomas podem ser atribuídos à gravidez em vez de serem atribuídos a uma desordem da tiróide.

Esta doença tem influência na fertilidade, dificultando a gravidez, já que pode afectar a menstruação fazendo que esta seja irregular ou que chegue mesmo a desaparecer. Para além disso, pode provocar abortos espontâneos ou más-formações no feto.

A gravidez afecta todo o organismo e produz múltiplas alterações nele. Uma destas modificações pode ser a alteração da produção de tiroxina por parte da tiróide. Existe uma série de factores que supõem um estímulo importante desta glândula na mulher grávida, como a hormona gonadotrofina coriônica (muito parecida com a tiroxina, pelo que pode estimular a tiróide) ou os estrogénios que se libertam durante os nove meses. Ambas as hormonas aumentam a produção de tiroxina, mas em condições normais, o moderado sobre-esforço que se pede à tiróide não supõe nenhum problema. Mas se há uma deficiência no iodo a situação é diferente. Nesse caso, a glândula tiroideia da mãe é insuficiente para fabricar a quantidade de hormona necessária. A tiroxina aumenta e a tiróide cresce. Com a criança passa-se o mesmo e também pode nascer com um pequeno bócio, aparte dos problemas de desenvolvimento que possa ter tido.

Outra das causas mais frequentes do hipertiroidismo na gravidez é a doença de Graves. É uma doença auto-imune na qual o sistema imunitário da pessoa produz anticorpos que obrigam esta glândula a produzir mais hormonas do que as necessárias.

Se a desordem é de leve a moderada, a maioria das grávidas e dos seus bebés não devem ter complicações. Com um tratamento adequado o prognóstico é normal. No entanto, se se trata de um problema grave ou sem controlo, existe um maior risco de padecer de infecções, anemia, pressão sanguínea alta ou demasiada proteína na urina (aparte dos abortos e das más-formações). Felizmente existem medicamentos anti-tiróide que podem controlar a produção da glândula tiroideia.

Se a mulher já padece desta desordem antes de ficar grávida, pode continuar com a sua medicação, mas deve dizê-lo ao seu ginecologista para que este leve a cabo um controlo rigoroso da gravidez. O único tratamento que não é compatível é o iodo radioactivo que se usa às vezes para tratar o hipertiroidismo, já que pode causar danos ao feto.

Complicações para a criança

Nos casos graves de hipertiroidismo é muito provável que o bebé também padeça desta desordem ao nascer, que se produza um parto prematuro ou que a criança nasça pequena.

A hormona tiroideia é crítica para o desenvolvimento cerebral do bebé. Às três semanas da concepção começa a formar-se o esboço do que há-de ser a tiróide da criança; desde o terceiro mês da concepção a tiróide do feto já é capaz de acumular iodo, de funcionar e de produzir as suas próprias hormonas; três semanas depois do nascimento o recém-nascido utilizou as hormonas que podiam provir da sua mãe, esgotou os seus depósitos e começa a funcionar conectado com a hipófise.

Durante a gravidez, o feto tem duas possibilidades de utilizar as hormonas tiroideias: as que ele mesmo fabrica e as da sua mãe que passam através da placenta. Se a sua mãe tem um hipotiroidismo severo a criança utiliza as hormonas que ela mesma fabrica; se a criança tem uma agenesia tiroideia, ou seja, uma falta congénita de tiróide, tão pouco tem problemas, utiliza as hormonas produzidas pela sua mãe. Em ambos os casos a criança nasce absolutamente normal no seu desenvolvimento.

O problema ocorre quando há uma falta de iodo para a fabricação das hormonas tiroideias. Nestas circunstâncias não funciona bem nem a tiróide da mãe nem a do feto e então aí sim surgem problemas.

As crianças nascidas com hipotiroidismo congénito (carecem de função tiroideia ao nascer) podem ter anormalidades severas cognitivas, neurológicas e do desenvolvimento se a condição não é reconhecida e tratada prontamente. Estas anormalidade do desenvolvimento podem prevenir-se se a doença se reconhece e se se trata imediatamente depois do nascimento.

O efeito do hipotiroidismo materno no desenvolvimento do cérebro do bebé não é tão claro. O hipotiroidismo severo não tratado na mãe pode conduzir a um desenvolvimento alterado do cérebro na criança. Isto vê-se principalmente quando o hipotiroidismo materno é devido à deficiência de iodo, o qual também afecta o bebé. No entanto, estudos recentes sugerem que certas anormalidades leves do desenvolvimento cerebral podem ver-se em crianças nascidas de mães que tenham hipotiroidismo leve não tratado durante a gravidez.

Depois de ler este texto, outras pessoas leram:

  • Image

    Musicoterapia pré-natal na água

    Há cerca de dezoito anos que se estuda e comprova que a massagem musical subaquática traz numerosas vantagens para a saúde. Agora as futuras mães também podem desfrutar... (hipotiroidismo na gravidez)

  • Vacaciones sin estrés

    Férias sem stress

    Está prestes a ir de férias? Antes de iniciar a viagem para o tão esperado descanso tem de preparar tudo o que é preciso: as compras, as malas, adiantar o trabalho, os assuntos... (hipotiroidismo e gravidez)

  • secciones salud embarazo Aunque la hemofilia es una patología muy rara que presentan generalmente solo los varones (las mujeres son portadoras), existe un tipo de esta enfermedad que sí puede aparecer en mujeres y por lo tanto puede ser peligrosa en el momento del alumbramiento

    Hemofilia na gravidez e no parto

    Apesar de a hemofilia ser uma patologia muito rara, existe um tipo desta doença que pode aparecer nas mulheres e que pode tornar-se durante o parto. (quais as chances um bebe nascer com problemas se a mae tiver hipotiroidismo)

0 Comentarios

Anônimo
Entrar na sua conta ou registre-se para comentar este artigo.