Herpes durante a gravidez

Comentarios1 comentarios
Comparte
Herpes durante a gravidez

A herpes é uma doença contagiosa bastante comum nas mulheres e muito perigosa para os recém-nascidos. Embora a maioria das grávidas portadoras deste vírus não o transmitam aos seus filhos durante o parto, é melhor evitar o contágio fazendo uma cesariana em vez do parto genital.

O que é a herpes genital?

É uma doença contagiosa que se transmite sexualmente e que, no caso de uma mulher grávida, pode afectar gravemente o bebé no nascimento. É causada por um vírus de herpes simples, similar aos que produzem a varicela e as herpes na boca.

Existem dois tipos principais de vírus de herpes simples: o tipo 1, geralmente relacionado com chagas ou inflamações na boca e nos lábios, e o tipo 2, que geralmente produz chagas nos genitais. No entanto, qualquer um dos tipos pode afectar indistintamente ambas as zonas.

Os sintomas principais desta dolência são pequenas lesões vesiculares ulcerativas na zona, febre, dores musculares, ardor ao urinar, aumento do fluxo vaginal, inflamação nos lábios e dor e inflamação nos gânglios inguinais.

No entanto, a maioria das infecções de herpes não produzem sintoma algum. Geralmente, estas infecções silenciosas não são diagnosticadas e, por essa razão, cerca de 90% das pessoas contagiadas com herpes genitais não sabem que estão infectadas. Embora assim seja, podem transmitir o vírus a outras pessoas, incluindo aos seus bebés.

A herpes transmite-se por contacto directo com a pessoas infectadas. Normalmente o contágio produz-se nas relações sexuais, no entanto, uma pessoas portadora do vírus pode passá-lo de uma parte para outra do corpo se não lavar bem as mãos depois de tocar na zona infectada.

E se ficou infectada com herpes durante a gravidez?

A herpes é uma doença muito perigosa para os recém-nascidos devido ao seu desenvolvimento incompleto do sistema imunitário. Desta forma, esta doença pode comprometer o sistema nervoso central do bebé ou pode mesmo chegar a ser fatal nos casos mais graves.

Apesar de a maioria das mulheres com herpes ter os bebés saudáveis, um pequeno número delas transmitem o vírus aos seus filhos durante o trabalho de parto. Por esta razão é muito importante que as mulheres grávidas reconheçam os sintomas desta doença e que procurem um tratamento médico imediato. Também devem informar os seus médicos se tiveram herpes no passado para que possam tomar as medidas necessárias e proteger o bebé de qualquer infecção.

As mulheres que contraem herpes genitais pela primeira vez próximo do momento do parto têm cerca de 30 a 50% de probabilidades de transmitirem a infecção aos seus bebés durante o parto vaginal, isto tenham ou não sintomas da doença.

As mães que tiveram herpes antes da gestação têm apenas cerca de 3% de probabilidades de contagiarem os seus recém-nascidos. Em alguns casos as análises de sangue podem diferenciar entre uma infecção nova e a ocorrência de uma infecção anterior.

Se está no primeiro trimestre de gestação o médico pode receitar uma série de medicamentos antivirais para tratar a doença. No entanto, se falta pouco tempo para o parto, é mais fácil que se produza o contágio. Por isso, o mais provável é que os médicos recomendem uma cesariana para evitar o contacto directo da criança com a zona infectada.

Riscos para o recém-nascido

Os bebés podem apresentar chagas na pele ou na boca, ou infecções nos olhos. Quando a infecção se limita a estes órgãos, a maioria das crianças continua a desenvolver-se normalmente, se bem que podem produzir-se danos graves e permanentes nos nervos ou nos olhos.

No entanto, por vezes as infecções de herpes nos recém-nascidos alcançam o cérebro e muitos órgãos internos. Os bebés infectados podem parecer irritados, comer pouco e sofrer de convulsões. Muitas das crianças que sobrevivem às infecções generalizadas e aos problemas cerebrais terminam com incapacidades permanentes, como atraso mental, paralisias cerebrais, cegueira ou surdismo.

Tratamento e prevenção

Nos adultos o tratamento consiste numa série de fármacos que podem reduzir as crises e ajudar a aliviar os sintomas da herpes. Alguns desses medicamentos são indicados para as mulheres grávidas e podem ser administrados por via intravenosa.

O tratamento para os recém-nascidos contagiados é basicamente igual. É importante tratar os bebés infectados o mais rápido possível antes que a doença se propague, porque os fármacos são menos eficazes quando a doença se propaga para o cérebro e para outros órgãos internos

Se a mulher grávida tem antecedentes de herpes deverá ter cuidado durante a gestação e deve tomar as devidas precauções, sobretudo durante o último trimestre. Se é o seu marido que tem antecedentes, você deverá fazer uma análise ao sangue para saber se está ou não infectada. Em qualquer um dos casos o melhor é que ambos utilizem preservativos durante as relações sexuais.

1 Comentarios

Anônimo
Entrar na sua conta ou registre-se para comentar este artigo.

Discusión

ola, eu tenho uma duvida, se eu o pai do bebe tenho herpes e a minha parceira nao tiver, na hora em que fomos manter relação com o intuito de termos um filho,esse filho vai ser gerado infectado? pelo caso de eu portar o virus? ou so vai ser infectado se a mae estiver com o virus? alguem pode me esclarecer? desde ja agradeço

Ingresa con tu cuenta de TodoPapás

Recordar Contra-senha

Inscrever-se em TodoPapás

¿Te has registrado anteriormente?
Ingresa con tu cuenta

Pesquisas mais populares