• Buscar
Publicidad

Bebés e especiarias: quando introduzi-las na sua dieta?

Bebés e especiarias: quando introduzi-las na sua dieta?

Muitos pais perguntam-se quando poderão começar a introduzir especiarias e ervas aromáticas nas refeições do bebé. A resposta é que depende da especiaria, já que as que são mais fortes ou picantes devem introduzir-se mais tarde.

Publicidade

Índice

 

Quando começar a utilizar especiarias na dieta do bebé?

A partir dos 12 meses, os bebés precisam de começar com uma dieta variada semelhante à dos pais e não apenas legumes em puré e carne ou peixe. De facto, o mais aconselhável é começar nesta idade a dar-lhe a mesma comida que aos adultos. Então, já não é necessário cozinhar diferente para ele, apenas será necessário fazer um uso moderado do sal e das especiarias.

Quanto às ervas mais leves (orégão, manjericão, louro, etc.), podemos utilizá-las sem problemas desde que seja em quantidades moderadas. Não trazem quaisquer problemas ou riscos para o bebé, nem provocam alergias de nenhum tipo.

Articulo relacionado: Alimentação para conceber!

De facto, algumas destas ervas ou plantas, para além de ter uma função aromatizante, têm efeitos muito benéficos para a saúde: a menta, por exemplo, estimula a digestão, enquanto a salsa é um bom desinfectante intestinal.

 

Que especiarias ainda não pode comer?

Mas as especiarias mais fortes ou picantes (alho, pimenta, caril, etc.), devem começar a ser utilizadas quando já introduzimos todos os alimentos na dieta da criança e esta introdução será gradual, utilizando pequenas quantidades para evitar a indigestão ou rejeição devido ao forte sabor. Os peritos recomendam não fazê-lo antes dos 3 ou 4 anos de idade.

No entanto, a introdução destas especiarias é mais simples em países onde são utilizadas com muita frequência e a comida é muito picante, uma vez que os sabores fortes presentes na dieta da mãe passam para o leite, pelo que estes bebés estão habituados, de certa forma, a estes sabores.

 

Benefícios das especiarias

Todas as especiarias dão um toque especial e muito saboroso aos pratos, o que favorece a introdução de certos alimentos mais "complicados" para as crianças, como o peixe, as leguminosas ou os legumes, ajudando a conseguir que as crianças comam de tudo sem rejeitar nenhum alimento.

Além disso, a utilização de especiarias permite-nos utilizar menos sal ao cozinhar.

No entanto, devemos ter sempre cuidado de não exagerar com elas para que o sabor não seja demasiado forte.

 

Moderação no uso de especiarias

Também é necessário ter cuidados especiais com as crianças que sofrem de alguma alergia ou intolerância alimentar, uma vez que, embora as especiarias normalmente não causem alergias, sim podem irritar o sistema digestivo e causar refluxo ou azia.

Introduza as especiarias sempre uma de cada vez para poder reconhecer o que causa o possível desconforto e assim eliminar esse tempero, da sua dieta.

Tenha sempre em mente a regra da moderação, pois o uso excessivo de algumas especiarias pode ser prejudicial para o estômagos sensível das crianças. Por exemplo:

- A noz-moscada contém miristicina, uma substância que, em doses grandes, pode dar dores de cabeça, náuseas e cãibras às crianças.

- O cravinho pode ser irritante para os rins.

- A canela em excesso pode causar um aumento do ritmo cardíaco.

- A pimenta preta contém piperina, uma substância que tem um efeito irritante sobre as membranas mucosas do estômago.


Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×