• Buscar
Publicidad

Com que idade pode comer arroz um bebé?

Com que idade pode comer arroz um bebé?

O arroz é um cereal sem glúten, pelo que pode ser incluído na dieta do bebé mais cedo do que outros cereais com glúten, tais como o trigo. No entanto, é normal não introduzir alimentos sólidos até aos 6 meses de idade, pois o leite materno é o melhor alimento, embora o arroz possa por vezes dar-se a partir dos 4 meses de idade.

Publicidade

Índice

 

Por que esperar até aos 6 meses?

Durante os primeiros meses de vida, o estômago do bebé só aceita leite materno ou leite de fórmula, pelo que nenhum outro alimento lhe pode ser oferecido, uma vez que o seu sistema digestivo não está preparado para assimilar qualquer outro alimento. Contudo, a partir dos 4 meses de idade já podem aceitar outros alimentos, como fruta ou cereais sem glúten, então porque é que a Organização Mundial de Saúde aconselha esperar até aos 6 meses?

Os últimos estudos e pesquisas realizados por especialistas sobre a alimentação dos bebés demonstraram que, embora seja verdade que alguns alimentos para além do leite materno podem ser introduzidos antes do sexto mês de vida, esta introdução precoce não é benéfica para a criança, pois é muito melhor que continue a amamentar até aos 6 meses de idade. A partir desta idade, contudo, o leite materno já não é suficiente para cobrir as suas necessidades nutricionais, pelo que é momento de introduzir gradualmente todos os grupos alimentares, incluindo na sua dieta o arroz e outros cereais com e sem glúten.

Portanto, o arroz não é normalmente introduzido na dieta de um bebé até aos 6 meses de idade, embora, por ser um cereal sem glúten, possa ser introduzido a partir dos 4 meses de idade sob a forma de cereais dextrinados se o pediatra o considera necessário porque o bebé está a ganhar pouco peso. Além disso, em bebés alimentados apenas com leite em pó, que não bebem leite materno, este é normalmente introduzido a partir dos 4 ou 5 meses, uma vez que por causa de não tomar leite materno, introduze-se a alimentação complementar um bocadinho mais cedo. No entanto, siga sempre as recomendações e dicas do seu pediatra.

 

Como introduzir o arroz na dieta do bebé?

O arroz, como já dizemos, é um cereal sem glúten, o que significa que não contém esta proteína que outros cereais apresentam e que pode provocar intolerâncias em algumas pessoas aos quais algumas pessoas com doença celíaca. Os cereais sem glúten podem e devem ser oferecidos antes dos cereais com glúten, entre os 4 e 6 meses de idade.

Podem ser introduzidos sob a forma de cereais dextrinados que são misturados com leite materno ou em pó numa mamadeira ou em papas. Se escolhe esta opção, lembre-se que pode misturá-los tanto com leite materno como com fórmula e não deve deixar de dar o peito para dar só cereais ao bebé. Se os mistura num biberão, pode adicionar uma ou duas colheres em cada mamada, até um máximo de tantas colheres como meses tenha o bebé, ou seja, se o seu bebé tiver 6 meses de idade, por exemplo, pode adicionar 6 colheres no máximo por dia. Se prefere dar-lhe papas, escolha uma refeição (pequeno-almoço ou jantar) para misturar o leite com tantas colheres de cereais, dependendo da quantidade de leite, que sejam necessárias para que o leite engrosse e se transforme em papas.

Se prefere introduzir o arroz directamente na sua dieta, pode cozinhá-lo e dar-lho em sopas ou colocar alguns grãos de arroz bem cozido no seu prato para que possa apanhá-los com as mãos e comê-los por si próprio. Também pode misturar o arroz com outros alimentos tais como vegetais cozinhados, carne, peixe, etc.

Se opta por papas de cereais de arroz, procure as que não têm adição de açúcares e que provêm da agricultura biológica para evitar pesticidas e outros químicos na sua produção.

 

Propriedades benéficas do arroz

1- O arroz é rico em hidratos de carbono, pelo que fornece energia ao bebé.

2- É pobre em gordura.

3- Não contém glúten, pelo que também pode ser comido por pessoas que são intolerantes ao glúten.

4- É de fácil digestão, por isso é frequentemente utilizado após episódios de perturbações gastrointestinais.

5- Contém amido que proporciona uma sensação de saciedade, evitando o sobreaquecimento.

6- O amido também permite que a glicose seja absorvida lentamente e que a insulina seja libertada no organismo de forma adequada, pelo que evita os picos de glucemia.

7- É uma fonte de fibra, especialmente na sua versão integral, evitando a obstipação.

8- O arroz castanho também tem mais vitaminas e minerais do que o arroz branco. Especificamente, encontramos fósforo, potássio, magnésio, cálcio, cloro, sódio, ferro, zinco e manganês. O arroz castanho também é rico em vitaminas B.

9- Não contém colesterol.

10- A quantidade de proteínas que tem é baixa, mas contém ácido linoleico, um composto gordo muito importante que o corpo não é capaz de sintetizar.

 

Variedades do arroz

O arroz tem muitas variedades, embora as principais sejam de grão longo, médio e curto. Um ou outro é geralmente escolhido em função do prato a ser cozinhado, já que os longos são melhores para saladas ou pratos orientais, por exemplo, e os curtos para risottos.

Além disso, como vimos, as variedades de arroz castanho ou vaporizado são melhores, uma vez que retêm mais vitaminas e minerais do que o arroz branco, uma vez que não perderam a camada protectora em que muitos destes nutrientes são encontrados.


Blog EnFamilia da AEP: https://enfamilia.aeped.es/vida-sana/alimentacion-complementaria-en-primer-ano-bebe

Organização Mundial da Saúde. “Guiding principles for feeding non-breastfed children 6-24 months of age”. http://www.who.int/nutrition/publications/guidingprin_nonbreastfed_child.pdf

Fecha de actualización: 25-05-2021

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×