×
  • Buscar
Publicidad

Como cortar o leite materno rapidamente e sem complicações

Como cortar o leite materno rapidamente e sem complicações

A melhor maneira de cortar o leite materno é remover gradualmente as ingestões. É a maneira mais respeitosa para o bebé e a mãe e evita complicações como a mastite. Mas se por algum motivo precisas ir mais rápido, pode recorrer a outros remédios naturais ou pílulas.

Publicidade

No te puedes perder ...

Y tambien:

A amamentação é um processo natural do organismo e, portanto, deixar de dar leite também deve ser feito de forma natural e progressiva. Ou seja, quetandose pouco a pouco as tomadas, ja que cuanto menos esté a chupar o bebé e menos tomada sejan feitas, menos leite haverá.

Os médicos recomendam tirar uma tomada, aquela que melhor lhe convier de acordo com as razões pelas quais deixas de amamentar, e esperar cerca de 3 ou 4 dias até tirar outra. Asim, gradualmente, até que nao tire-se nenhuma tomada e, em poucos dias, no peito deixará de produzir leite.

Para que esse método funcione e não cause problemas como mastite, ingurgitamento ou bloqueios, é importante que sigas uma série de conselhos:

1- Não saques-te leite, pois na bombinha de leite aumenta a produção. Se notas os seios muito cheios e irritantes, remova apenas o necessário para aliviar o desconforto, mas sem produzir mais leite.

2- Evite estimular os mamilos, pois isso também causa a produção de leite. Use um sutiã que não esteja muito apertado.

 

Outros remédios naturais:

Há uma série de remédios da avó que foram usados ao longo da vida, mas não têm base científica. Em qualquer caso, não perdes nada para tentar:

- Coloque compressas frias ou folhas de couve em teus seios. Folhas de repolho têm um componente que interrompe a produção de leite materno. Coloca-os diretamente em teus seios. Eles também são úteis quando ocorre o ingurgitamento mamário.

- Beber chá de sálvia. A sálvia é um estrogênio natural, que interrompe a produção de leite materno.

 

Uso de pílulas.

No entanto, a forma mais rápida, embora talvez um tanto agressiva, é a ingestão de certos medicamentos ou pílulas que servem para reduzir a produção de leite. Isso só é recomendado em casos urgentes ou quando há problemas de saúde, mas não para o desmame normal.

 

Além disso, nunca deves tomar essas pílulas por conta própria, deves sempre verificar com teu ginecologista antes de prescrever o mais adequado. Os principais medicamentos usados para reduzir a produção de leite são:

- Comprimidos de vitamina B6. A vitamina B6 ajuda a interromper a produção de prolactina plasmática, o hormônio que produz o leite materno, por isso supostamente ajuda a interromper a produção.

- Dostinex Este medicamento é usado em pessoas que têm um aumento anormal na produção de prolactina devido a alterações hormonais ou tumores na glândula pituitária e é o mais usado para cortar a produção de leite logo após o parto.

- A cabergolina. É o fármaco mais utilizado para a redução da prolactina no sangue, impedindo o aumento da produção de leite.

- Injeções de estrogênio. É uma alternativa pouco usada e perigosa, uma vez que essas injeções podem conter outros componentes carcinogênicos.

 

Por que cortar a produção de leite?

Nos casos em que se procura evitar o aumento do leite após o parto, geralmente é devido a problemas de saúde no bebê ou na mãe que impedem a amamentação, mesmo pela morte do bebé ao nascer. Embora haja também mulheres que não querem amamentar por motivos pessoais e optar por tomar uma das pílulas acima mencionadas.

Se a mãe estiver amamentando e quiser parar ou reduzir a amamentação, geralmente é por motivos de trabalho (retorno ao trabalho após a alta) ou problemas de saúde.

Seja qual for a causa, sempre que for possível, é melhor recorrer ao desmame natural e progressivo, decolando pouco a pouco para que a mama deixe de produzir leite. E, se por qualquer razão, não pode ser assim, consulte o teu médico, nunca te auto-mediques.


Fecha de actualización: 31-01-2019

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.