Problemas intestinais nas crianças, saiba o que podem e devem comer!

Problemas intestinais nas crianças, saiba o que podem e devem comer!
Partillhar

Alimentação para problemas digestivos

Os problemas que afectam o aparelho digestivo são comuns em crianças de curta idade. Na maioria dos casos a dieta fará parte do tratamento, sempre assegurando que recebe uma alimentação capaz de assegurar um bom estado de saúde.

Gastroenterites

O que é?

A gastroenterite é uma inflamação do aparelho digestivo, causada geralmente por uma infecção bacteriana ou vírica, pelo consumo de alimentos em mau estado ou pela ingestão de água contaminada.

Sintomas

- Diarreia

- Vómitos

- Dor abdominal

- Desidratação

- Perda de apetite

- Dores musculares

- Febre

- Suores excessivos

- Arrepios

Recomendações

O mais importante nestes casos é evitar ou tratar a desidratação aguda que pode produzir-se como consequência dos vómitos e da diarreia. A maioria das gastroenterites são leves e resolvem-se sem tratamento antibiótico específico, salvo em situações muito especiais e, dessa forma, a única coisa que se deve fazer é repor os líquidos que se vão perdendo. Se bem que a primeira coisa a fazer é ir ao médico para descartar outra patologia grave.

Durante as primeiras 24 horas convém deixar repousar o estômago e ingerir apenas líquidos frequentemente para evitar a desidratação. Prepare limonada alcalina, com um litro de água engarrafada ou fervida, o sumo de três limões, uma pitada de sal, outra de bicarbonato e açúcar a gosto. Esta bebida pode tomar-se durante estas primeiras horas, na quantidade que se deseje.

No te puedes perder ...

Musicoterapia para bebés e crianças

Musicoterapia para bebés e crianças

A musicoterapia consiste na aplicação científica do som, da música e do movimento para facilitar a comunicação, promover a expressão individual e favorecer a integração social. A nivel de estimulação, a sua utilização está a extender-se dentro dos programas educativos para facilitar a aprendizagem nas crianças.

No segundo dia já se pode comer, sempre uma dieta suave, com refeições frequentes mas muito ligeiras que incluam alimentos astringentes, como o arroz branco, peixe cozido, maçã, cenoura, banana, fiambre, etc.

A partir do quarto dia pode-se voltar à dieta habitual, isto se os hábitos intestinais voltaram à normalidade.

O que evitar

Durante a fase aguda da doença deve evitar-se:

Tomar leite ou derivados. Podem-se tolerar o iogurte natural e os queijos frescos, depois de uma melhoria.

As frutas e verduras cruas. Evitar durante uma semana verduras de cor verde, bem como a ingestão de amêndoas, compotas, nozes, pão escuro, pelo seu efeito laxante.

Comer doces: caramelos, chocolates, bolos, açúcar …

As bebidas muito frias e todo o tipo de bebidas refrescantes.

Os fritos e alimentos ricos em gordura.

Colite

O que é?

Chama-se colite ou diarreia ao aumento da frequência das deposições diárias, ao aumento do seu volume ou a uma diminuição da sua consistência (deposições mais liquidas). A colite pode ser aguda quando aparece como um fenómeno isolado ou crónica se esta tiver um carácter continuo e se a sua duração superar os quinze dias.

As causas são muitas e variadas, embora possam estar ligadas a processos infecciosos em indivíduos com poucas defesas.

Recomendações

A dieta dependerá das circunstâncias e características de cada criança, se bem que por norma é recomendável não esquecer incluir na mesma alimentos como os brócolos, as cenouras, o aipo, o melão, os morangos ou a banana, pelos seus nutrientes e propriedade astringentes, depurativas, remineralizantes e de protecção frente a infecções.

O que evitar:

Não convém tomar bebidas pesadas e oleosas. Tão pouco é recomendável comer verduras flatulentas nem legumes, assim como abóbora, já que estes alimentos poderiam piorar o quadro diarreico.

Obstipação

O que é?

Considera-se obstipação a expulsão difícil, desconfortável ou pouco frequente das fezes. Entre as causas mais frequentes encontramos uma dieta pobre em fibra ou o facto de não se ir à casa de banho quando se tem vontade de defecar. Apesar de estes factores poderem ser a causa clara de prisão de ventre, na maioria dos casos não existe uma razão concreta pois não é mais que uma predisposição genética (é a chamada obstipação funcional e é frequente encontrar na família casos similares).

Nos lactentes é mais frequente naqueles que recebem leite artificial que nos que se alimentam com leite materno.

Sintomas

- Dificuldade para defecar (uma criança com menos de 6 meses fica vermelha, faz força e encolhe as pernas)

- Desconforto na região anal

- Dores de barriga

Recomendações

Quando uma criança padece de prisão de ventre é fundamental beber muita quantidade de líquidos, entre 1,5 a 2 litros diários, já que se o organismo não está bem hidratado coloca em marcha um mecanismo compensatório que extrai a água das fezes no intestino grosso, o que dificultará a sua expulsão.

Dessa forma, talvez o mais importante do tratamento seja administrar uma dieta rica em fibra, que se consegue assegurando que a criança (maior de 1 ano) coma pelo menos três vezes ao dia frutas ou verduras “fibrosas”, como laranjas, tangerinas, kiwis, cerejas, espinafres, espargos, etc. Também se recomenda o consumo de cereais, pão e massas integrais.

Dessa forma deverá adquirir o hábito de ir à casa de banho regularmente quando já não utilize fraldas. Para isso deve ensinar-lhe a ir depois de cada refeição principal, especialmente depois do pequeno-almoço, e estar sentado durante um tempo mínimo de 10 minutos.

Se não melhorar com as dietas e com os hábitos, pode ser conveniente administrar um medicamento laxante, não obstante não deve fazê-lo antes de a criança ter um ano de idade e sempre com a supervisão do pediatra.

Evitar

Beber leite e os seus derivados como gelados, iogurtes ou queijo.

Reduzir ao máximo o consumo de chocolates, bolos industriais e açúcares, porque endurecem as fezes.



Fecha de actualización: 24-04-2009

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>