×
  • Buscar
Publicidad

Dormir mal, um problema de muitas crianças!

Dormir mal, um problema de muitas crianças!

As insónias são uma doença que pode chegar a desequilibrar completamente a vida de uma pessoa. No entanto, quando é o seu filhote a sofrer deste problema pode ser algo pior. De facto, para muitas pessoas não poder dormir como deve de ser à noite por causa dos seus bebés é uma questão fundamental para planear muito bem o facto de se ter filhos. Por isso, damos-lhe alguns conselhos e regras a seguir para solucionar este problema.

Publicidade

O que fazer se o seu filho tem problemas na hora de ir dormir?

Assegure-se se o seu filho sofre de um problema

A primeira coisa a fazer é assegurar-se de que realmente o seu filho não sofre de algum transtorno e que simplesmente está a passar por uma fase normal como qualquer bebé. Para Rafaela López, mãe e criadora da página www.dormirsinllorar.com, que leva anos de funcionamento e na qual há mais de 1600 mães registadas, “as crianças pequenas, sobretudo os bebés, estão preparados para acordar porque precisam de sobreviver. Por isso é completamente normal e saudável que um bebé recém-nascido acorde várias vezes durante a noite para comer, porque está sujo, etc. No entanto, para os pais e mães é difícil de conciliar o sono dos filhos com os seus o que se torna esgotante e acaba por pesar nas actividades do dia-a-dia”.

Como saber se o seu filho sofre de um transtorno do sono? Se responde afirmativamente às seguintes questões, paciência, porque provavelmente o seu filho tem algum problema para dormir:

-Dificuldade para começar a dormir sozinho

-Múltiplos despertares nocturnos

-Sono superficial (acorda com qualquer ruído)

-Dorme menos horas das habituais para a sua idade

Respondeu que sim a tudo? Bem, calma, há vários passos que pode seguir para solucionar este problema.

 Diagnosticar o problema

As crianças podem ter falta de sono por motivos diferentes, e a cada problema corresponde uma solução:

Problema 1: Sestas demasiado grandes. Mesmo sendo verdade que as crianças precisam de dormir durante o dia, se as sestas são feitas num horário errado ou de uma duração inadequada, podem tirar-lhe o sono para a noite.

Solução: Espaçar as sestas, para que passem entre 2 a 3 horas entre cada uma e que não afectem o ciclo de alimentação.

Problema 2: Resistência em deitar-se. Para muitos pais a luta começa antes inclusive de que a criança chegue à cama.

Solução: Estabelecer rotinas que incluam uma hora fixa para ir para a cama, um tempo de preparação, a hora a que deve acordar…

Problema 3: Problemas com as fases do sono. Um problema, sobretudo ao ir de férias, é que a hora de acordar ou de se deitar se atrase ou se adiante, o que altera o sono da criança.

Solução: Tentar que a criança cumpra algum dos hábitos ou rotinas a que está habituada, para que a mudança seja a menor possível.

Problema 4: Pesadelos ou terrores nocturnos. A maioria dos pesadelos e dos terrores nocturnos das crianças não são importantes, mas se algum se repete com muita frequência, deve-se procurar ajuda psicológica, já que pode ser uma manifestação de um problema mais profundo.

Solução: Se depois de um pesadelo a criança acorda e chama pelos pais, estes devem ir consolá-la até que acalme, já que os menores de 5 anos não distinguem entre o sono e a realidade. Se os pesadelos são recorrentes, será bom falar sobre eles no dia seguinte e procurar um final feliz, para conseguir que o pesadelo desapareça.


Os dados…

Segundo as poucas estatísticas realizadas em relação a este tema, a maioria das crianças até aos 3 anos tem algum tipo de problema ao dormir. Além disso, 50% a 70% das crianças dormem menos horas das que deviam. Recentes estudos acrescentam que 88% das crianças que sofrem de algum transtorno de visão têm problemas em dormir.

No te puedes perder ...

Subir escadas, ensine as crianças a fazê-lo!

Subir escadas, ensine as crianças a fazê-lo!

À medida que vai dominado a marcha o seu filho começa a querer trepar, correr, saltar … no entanto, as crianças têm muita dificuldade em subir ou descer escadas e, provavelmente, durante muito tempo vão fazê-lo gatinhando.

Y tambien:

Tratamento

Método Estivill


O Método do Doutor Eduard Estivill, responsável pela Unidade de Alterações do Sono do Instituto Dexeus de Barcelona, é um dos mais seguidos actualmente e, segundo os que o experimentaram, funciona em 95% dos casos. Para ele, o principal é ensinar o hábito do sono, que dormir se converta em algo rotineiro e mecânico e que não suponha um trauma. No seu livro Dorme, menino, escrito em parceria com a jornalista Sylvia de Béjar, explica de uma forma simples como solucionar o problema da insónia infantil.

Para criar uma rotina de sono, é necessário seguir as seguintes pautas:

Crianças menores de 3 meses:

-Distinção entre a luz típica do dia e a escuridão própria da noite. A criança, a partir dos primeiros meses, deve associar que de dia há luz (evitar que a criança durma durante o dia em completa escuridão) e que quando é noite está completamente escuro (não utilizar durante a noite pequenas luzes ou luzes indirectas de outras divisões da casa).

-Diferenciar o ruído habitual no dia e o silêncio da noite. Durante o dia a criança deve aprender a dormir com os ruídos habituais que existem numa casa, vozes que conversam, música, ruídos típicos da cozinha, etc. No entanto, durante a noite deve-se tentar que os ruídos sejam menos intensos, baixando o volume da televisão, não elevando a voz... Sempre sem exagerar, não é necessário um silêncio sepulcral para que um bebé durma.

-Estabelecer a rotina diária: um horário ordenado e repetitivo. É muito aconselhável deixar o banho da criança para antes da sua última refeição.

-A criança deve dormir no berço no mesmo quarto que os seus pais mas nunca na cama deles. Recomenda-se passar a criança para o seu quarto a partir dos 3 meses.

Dos 3 aos 6 meses:

-Fixar uma hora para ir dormir diariamente. Aconselha-se no inverno pôr a criança a dormir entre as oito e as oito e meia ou uma hora depois no horário de verão.

-Estabelecer uma série de rotinas prévias ao momento de dormir que devem ser repetidas diariamente. Por exemplo, ler um conto antes de ir para cama, dizer-lhe as mesmas palavras. Sempre sem brincadeiras nem acções que possam excitar a criança nos momentos prévios ao sono nocturno. Podem usar-se bonecos de peluche, chupetas… que acompanhem a criança enquanto durma.

-Diferenciar o seu quarto de outras divisões da casa. O seu quarto é o lugar escolhido para dormir, por isso a criança não deve comer nele. Devemos separar a comida do sono.

-Se a criança chora no momento de dormir, pode dever-se a diferentes causas que devemos solucionar antes de voltar a deitá-lo. Pode ser que precise de mudar a fralda, que tenha frio ou calor, que a última refeição do dia tenha sido insuficiente e que tenha fome, que não esteja bem de saúde, etc.

-No caso de que tudo esteja bem e que a criança chore no momento de dormir, tanto pais como educadores não devem atender ao primeiro choro, talvez se a criança tenha um pouco mais de tempo não continue a chorar.

O que não devemos fazer para o adormecer de acordo com Estivill

-Cantar

-Embalá-lo no berço ou nos braços

-Passeá-lo no seu carro

-Dar-lhe palmadinhas ou acariciá-lo

-Dar-lhe o biberão ou água

-Pô-lo na nossa cama

A amamentação, um método para ajudar a dormir

Um dos grandes mitos sobre o sono é que os bebés amamentados dormem pior, no entanto várias investigações demonstraram o contrário. Estudos recentes feitos em algumas universidades demonstraram que a amamentação materna ajuda os bebés recém-nascidos a dormir, já que a composição do leite materno altera ao longo do dia e à noite é mais rico em triptófano, um aminoácido que ajuda os bebés a dormir.

No entanto, graças às experiências recolhidas nestes dois anos na Web, Rafaela dá-nos alguns conselhos para ajudar as crianças a diferenciar entre noite e dia, criando uma rotina de boas noites e tentando que durmam sestas reparadoras, o que repercutirá em noites mais tranquilas.

A partir dos 6 meses e coincidindo com o inicio da alimentação complementar, podemos introduzir uma série de acções que ajudam a reconhecer a hora de ir dormir para que a viva com segurança e que ajudemos os nossos filhos a relaxar para poderem conciliar o sono.

O resumo de um plano de sono seria:

- Que o bebé descanse durante o dia. É um erro muito comum evitar que o bebé faça sestas na esperança de que durma mais durante a noite. No caso dos seus filhotes “o sono chama o sono” e se está descansado porque dormiu a sesta, passará o dia de bom humor e durante a noite terá menos dificuldade em conciliar o sono porque está mais relaxado.

- Que a casa esteja tranquilas pelo menos uma hora antes de a criança ir dormir, sem ruídos (pode colocar uma musica relaxante), evitar a televisão, utilizar luzes ténues e pouca actividade.

- Tentar que a hora de ir para a cama não seja muito tarde, colocar o bebé a dormir mais ou menos quando cai a noite.

“A rotina deve ser relaxante e adequada a cada família porque se funcionar vão continuar a segui-la durante muito tempo. As acções devem ser feitas todos os dias mais ou menos à mesma hora e na mesma ordem. Apenas deve sofrer alterações conforme as necessidades do bebé. A rotina, quando se faz todos os dias, dá segurança à criança pois esta já sabe o que aí vem. Não é algo que excite a criança, pois também não é algo novo.

Entre os passos que podem usar para a rotina estão o banho, o jantar, massagens, ler uma história, dar peito ou biberão, cantar … e dormir. As rotinas e as sestas são a chave para um bom descanso, verá que a pouco e pouco o seu bebé irá melhorando o seu sono e sem lágrimas.

 

 


Fecha de actualización: 20-06-2006

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.