Aprender desde a barriga da mamã

Aprender desde a barriga da mamã
Partillhar

Muitas vezes acreditamos que a maternidade e a paternidade começam no dia em que o bebé nasce. No entanto, vários estudos demonstram que estas podem começar a ser exercidas a partir do momento em que descobre que está grávida. Como? Simplesmente comunicando com o seu filho!

Pense que o seu ventre é o primeiro lugar do seu bebé. Tudo o que experimenta nele determinará de alguma forma o seu futuro. O que converte o período pré-natal num momento crucial para estabelecer a estrutura base do seu cérebro e construir os fundamentos para desenvolver o seu potencial biológico, psicológico e social …

Os estímulos externos tais como acariciar a sua barriga, colocar música melódica, luz ou submeter a sua barriga a vibrações são sensações realmente agradáveis para o bebé que actuarão como primeiras lições de vida e terão uma influência muito positiva no seu futuro …

O que é a estimulação pré-natal?

A estimulação pré-natal pode definir-se como o conjunto de acções realizadas durante a gestação que proporcionará à criança as experiências que esta necessita para potenciar as suas capacidades e habilidades. Está baseada no desenvolvimento e amadurecimento do sistema nervoso central (centro de controlo das vivências da criança e do futuro adulto) e em particular do cérebro.

Não faz muito tempo pensava-se que o cérebro fetal era imaturo, incapaz de pensar ou ter memória e que não era possível nenhum processo de aprendizagem que não fosse uma resposta reflexa, mas actualmente numerosas investigações afirmam que o bebé, antes de nascer, é capaz de obter e de processar informação de diversos estímulos e que existe uma relação dentre o desenvolvimento e o seu cérebro e os órgãos dos seus sentidos dentro do útero.

No te puedes perder ...

Os animais de estimação e as crianças!

Os animais de estimação e as crianças!

 

Ter um animal de estimação em casa pode ser bom tanto para as crianças como para as famílias em diferentes aspectos, mas também pode originar certos riscos, como as alergias ou as infecções. Tome nota das regras para desfrutar ao máximo da convivência com um animal de estimação.

 

 

Por volta do quinto mês de gravidez o número de células do cérebro que o seu futuro filho terá durante o resto da sua vida já está determinado; a partir deste momento o cérebro crescerá em tamanho e as suas células em complexidade.

De acordo com vários estudos, desde a segunda metade da gestação o bebé já pode ouvir e ver. Este é o momento idóneo para começar a estimulação. Evidentemente, com o bebé “fechado” no seu interior a estimulação encontra-se bastante limitada, embora mesmo assim possa comunicar com o seu filho de diferentes e variadas formas. Os exercícios têm uma metodologia específica, mas em geral consistem em escutar música clássica (especialmente Mozart e com auscultadores na barriga), através de massagens, com movimentos lentos e rítmicos da mãe, falando ao bebé, etc.

Esta é a razão pela qual são cada vez mais os centros que oferecem programas de estimulação pré-natal sensorial dirigidos ao desenvolvimento do bebé antes do seu nascimento. Os exercícios pré-natais recomendam-se a partir do 5º mês, concretamente no último trimestre porque já se desenvolveram todos os sentidos do feto e este já pode começar a processar melhor a informação que lhe chega. A maior parte destes exercícios consistem em enviar estímulos ao bebé através dos diferentes sentidos:

- Ouvidos: com música e ruídos.

- Tacto: com massagens.

- Vista: com luzes.

- Vestibular: com movimento e equilíbrio.

No entanto, sem dúvida que o principal estimulo para o bebé é o som. Embora a sua barriga seja um lugar ruidoso, demonstrou-se que a criança pode reconhecer não só o som da sua voz como o som da voz do pai. Graças a várias investigações comprovou-se que o bebé gira e mexe-se ao escutar frequentemente a voz do pai.  

Benefícios para todos

Com meia hora diária (seguida ou repartida em períodos de 5 minutos) destes exercícios favorece o facto de o bebé enfrentar o canal do parto com melhores recursos, de maneira que no caso hipotético de haver complicações durante o nascimento (sofrimento fetal, uso de instrumentos, etc.) a criança irá enfrentá-las satisfatoriamente. Do mesmo modo são úteis para que o bebé se adapte ao novo mundo: quando nascer deixa de viver protegido no ventre materno, tem que respirar, comer, desafiar a gravidade … e viver por si mesmo. Graças aos exercícios as crianças são mais despertas e interactuam mais com os seus pais nos primeiros meses de vida.  

A estes benefícios contrastados somam-se os da mãe. Ao estar o bebé mais preparado para nascer, estas podem ter partos “bons” que não se prolonguem muito. Também lhes permitem desfrutar mais do seu filho nos primeiros dias porque para além de comer e de dormir tem pequenos períodos de interacção com os seus pais, visto que são crianças mais “espevitadas”.

As investigações realizadas em estimulação pré-natal demonstraram que os benefícios não são apenas para os bebés ou para as mães mas que também favorecem o estabelecimento do vínculo afectivo e a relação entre ambos os pais e o bebé. A estimulação pré-natal permite optimizar o desenvolvimento dos sentidos do bebé como base para a sua aprendizagem e desenvolver destrezas cognitivas e intelectuais.

Estimulação pré-natal também para fazer frente a patologias

Os exercícios de estimulação estão indicados para todas aquelas mães que se preocupam para que os seus filhos recebam a estimulação adequada desde o princípio, mas também se recomenda especialmente para aquelas crianças às quais foi diagnosticada alguma alteração através das ecografias ou da amniocentese (síndromes, hidrocefalia, alterações ventriculares, etc.). Dessa forma, é importante em crianças prematuras, embora não tenham sequelas neurológicas, para prevenir uma futura falta de amadurecimento.

Quando se diagnostica uma doença num bebé é muito importante começar a trabalhar o quanto antes e se o fizer durante a gravidez levará três meses de vantagem. No entanto, deve continuar a trabalhar depois de a criança nascer. É importante referir que sempre que falamos de uma doença referimo-nos a alterações neurológicas, sem importar a sua origem ou porque é que são provocadas (um síndrome, uma alteração, etc.). A estimulação envia-se ao cérebro, pelo que não serve para um problema cardíaco ou similar, a não ser que este esteja combinado com um problema neurológico.



0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×
*/?>