Anemia infantil

Anemia infantil
Partillhar

A anemia é uma doença muito comum que atinge cerca de 50% das crianças com menos de 3 anos. Para prevenir e tratar esta doença, o melhor é seguir uma alimentação adequada rica em ferro e vitamina B12. Na maioria dos casos cura-se simplesmente administrando mais ferro no bebé. Apenas em casos muito graves, com sérias complicações, recomenda-se uma transfusão. A prevenção é fundamental para fazer diminuir esta percentagem de afectados.

Anemia fisiológica dos lactentes

É a descida da hemoglobina durante os primeiros dois meses de vida de uma criança. A hemoglobina é uma substância presente nos glóbulos vermelhos do sangue, que se encarrega de transportar o oxigénio a todos os tecidos do corpo.

As causas mais conhecidas desta descida são, por um lado, a brusca interrupção do mecanismo de formação dos glóbulos vermelhos ao nascer e o início da respiração. Por outro lado, a curta vida dos eritrócitos fetais pós-parto e, por último, o rápido ganho de peso durante os primeiros meses de vida, que é acompanhado da grande expansão do volume sanguíneo.

Quando se trata de uma criança prematura tudo se processa da mesma forma, mas de forma exagerada, já que os valores da hemoglobina podem chegar a exigir uma transfusão.

Anemia infantil

Quando a anemia se produz depois dos primeiros meses de vida, as causas e os sintomas variam ligeiramente da anemia do lactente. Esta doença preocupa muitas mães, já que, segundo alguns estudos, quase 50% das crianças com menos de 3 anos sofrem deste problema.

Anselmo García de Polavieja - Muralista de Pintura Infantil

Anselmo García de Polavieja - Muralista de Pintura Infantil

Muralista de Pintura Infantil

Apaixonado pelo desenho desde pequeno, há muitos anos que começou a direcionar a sua actividade na pintura mural para crianças, decorando com a sua arte hospitais, escolas e casas particulares. Com os seus desenhos cria um ambiente mais relaxante e alegre que ajuda no desenvolvimento da criança e a melhorar o seu estado anímico. "Trago alegria a todas as pessoas às quais altero o espaço no qual se vão desenvolver os seus filhos, tornando-o mais à sua medida, como espaço físico mas também emocionalmente".

Os sintomas mais frequentes são:

- Cansaço;

- Palidez na pele, na parte interna das pálpebras e na raiz das unhas;

- Sensação de frio;

- Falta de apetite;

- Sonolência;

- Debilidade muscular;

- Aumento da frequência doa batimentos cardíacos;

Causas da anemia nas crianças

- Deficiência de ferro. É a principal causa da anemia infantil, causada por uma alimentação pobre neste mineral.

- Parasitas intestinais. Esta doença parasitária pode provocar perdas de sangue.

- Utilização de leite de vaca. As crianças com menos de seis meses não devem tomar apenas leite de vaca ou de outros animais, pois a sua digestão não é adequada e pode produzir-se uma enteropatia perdedora de glóbulos vermelhos, doença na qual se produz uma saída das hemácias e com o tempo anemia.

- Infecção. A anemia também pode ser produzida por uma infecção urinária, tuberculose, tumores, febre tifoide, leucemia …

- Antibióticos. Alguns podem provocar anemia se forem usados demasiado tempo.

- Deficiência de vitamina B12 ou ácido fólico. Ocorre quando a alimentação é pobre nestas substâncias.

Tratamento

Uma vez descoberta a causa exacta que provoca esta patologia na criança, através de diferentes exames, o médico determinará como primeiro passo do tratamento assegurar uma alimentação adequada rica em ferro e vitamina B12.

Depois, pode receitar suplementos vitamínicos que contenham ferro e outras vitaminas. A duração do tratamento depende da resposta da criança, normalmente administra-se um suplemento durante três meses de se ter normalizado o valor da hemoglobina. Se a anemia for grave e não responder ao tratamento, realiza-se uma transfusão de sangue. Apenas se recorre a este processo em determinados casos – anemia severa, anemia mais neumonia ou asma com insuficiência respiratória moderada ou grave – pelos riscos que esta implica.

Alimentos ricos em ferro

O principal, tanto para a prevenção como para a cura, é seguir uma dieta rica em ferro. Pode-se encontrar o ferro em alguns alimentos:

- Carne de vaca, frango ou peixe;

- Lentilhas, ervilhas, etc.;

- Gema de ovo;

- Espinafres, couve-flor, brócolos;

- Frutas (uva, manga);

- Marisco (mexilhões, ameijoas);

- Carne vermelha e vísceras;

A absorção de ferro é mais efectiva quando é ingerido com o ácido ascórbico ou ácido cítrico, encontrados, por exemplo, na laranja ou no limão.

Prevenção

A prevenção começa durante a gravidez, através de um bom controlo pré-natal para assegurar-se de que a mãe não sofre de anemia. As crianças cujas mães, durante a gestação, apresentaram valores de anemia, têm o triplo risco de padecerem deste problema no primeiro ano de vida.

Uma vez que a criança nasce, o melhor é dar-lhe leite materno, já que este contém a quantidade de ferro que o lactente precisa. A partir daí, deve controlar a alimentação para que seja rica em ferro. Uma alimentação adequada é a base de um bom crescimento e desenvolvimento. Apenas se administram suplementos vitamínicos de ferro nos seguintes casos: crianças prematuras a partir da segunda semana de vida, crianças sem amamentação materna a partir do terceiro mês. Outras medidas seriam o despiste periódico de parasitas intestinais e o tratamento oportuno de infecções.

Complicações

A revista “Pediatrics” publicou um estudo, dirigido por Matthew J. Burden, que indicava que a anemia nas crianças representa um factor de risco para desenvolver um défice de atenção e atraso no desenvolvimento da memória. Através de um estudo realizado a 15 crianças com anemia e 19 com ferro suficiente no corpo, observaram que as crianças com ferro suficiente mostravam, aos nove meses, uma maior capacidade de atenção e tinham mais memória para recordar cara que já haviam visto do que as crianças com anemia.

Outras complicações da anemia são:

- Fadiga física e mental continua;

- Diminuição do rendimento escolar ou do trabalho intelectual.

- Insuficiência cardíaca;

- Maior risco de mortalidade em caso de infecções respiratórias graves.

 



 


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×