Cataratas nas crianças

Cataratas nas crianças
Partillhar

Todos sabemos que as cataratas são uma doença localizada na idade adulta, especialmente em idades avançadas, mas … será que um recém-nascido pode sofrer deste problema? A resposta é que sim. As cataratas podem aparecer no nascimento, o que se designa como catarata congénita. Um em cada 250 recém-nascidos pode ter alguma forma de cataratas e estas são as responsáveis por cerca de 10% de todas as perdas visuais nas crianças de todo o mundo.

É muito importante que o seu diagnóstico se faça de forma precoce e, em algumas ocasiões, pode ser suficiente observar um reflexo pupilar anómalo ou uma pupila esbranquiçada. No entanto, algumas vezes as cataratas adoptam uma modalidade que não se torna facilmente perceptível à observação simples. Daí a necessidade de se realizar um controlo oftalmológico em todas as crianças através da dilatação pupilar com gotas cicloplégicas que, para além de permitir conhecer a graduação da criança (se é hipermetrope, míope ou astigmata), ajuda-nos a avaliar perfeitamente esse cristalino (lente que se encontra dentro do olho e que cuja opacificação constitui as cataratas). Também nos facilita o exame do resto do fundo do olho, dado que podem existir alterações associadas ou não a esta patologia (alterações de retina, etc.).

Qualquer criança com uma catarata congénita deverá seguir um minucioso exame pelo seu pediatra, já que muitas vezes está associada a alterações de outros sistemas, como podem ser: alterações cromossómicas, transtornos metabólicos, doenças cutâneas ou do sistema nervoso central, renais, etc.

O êxito do seu tratamento dependerá da idade na qual seja diagnosticada e do grau de visão da criança. Uma catarata congénita de um só olho (às vezes podem ser bilaterais), deve diagnosticar-se e tratar-se rapidamente (preferivelmente antes dos 2 meses de idade), com a finalidade de favorecer um correcto desenvolvimento visual. Quando com as cataratas bilaterais congénitas já se nota uma certa instabilidade nos movimentos dos olhos, o seu prognóstico piora consideravelmente.

Musicoterapia para bebés e crianças

Musicoterapia para bebés e crianças

A musicoterapia consiste na aplicação científica do som, da música e do movimento para facilitar a comunicação, promover a expressão individual e favorecer a integração social. A nivel de estimulação, a sua utilização está a extender-se dentro dos programas educativos para facilitar a aprendizagem nas crianças.

Tratamento

Existem distintos procedimentos para poder conhecer o grau de visão de uma criança mesmo que seja recém-nascida e, segundo a sua idade e as possíveis alterações que o resto do olho possa ter, avalia-se um ou outro tratamento. De todas as formas o tratamento da catarata congénita consiste, de uma forma geral, na operação da dita catarata e na implantação, sempre que seja possível, de uma lente intra-ocular. Nos últimos estudos realizados aconselha-se o emprego de lentes denominadas multi-focais, que permitem um melhor desenvolvimento do globo ocular e uma reabilitação da sua visão não somente ao longe mas também ao perto. Será necessário reabilitar posteriormente essa falta de visão através de lentes correctoras, oclusões e de outros sistemas que nos permitam utilizar o olho operado que até à data tinha uma visão muito má. Assim, é tão importante o diagnóstico precoce como a intervenção correcta e o tratamento pós-operatório reabilitador.

Como conclusão diremos que todas as crianças devem seguir um adequado controlo oftalmológico através do seu pediatra e, perante a mínima suspeita, devem ir a um oftalmologista para a avaliação de todos os aspectos da sua visão.

Um correcto tratamento passa por uma adequada visita a tempo ao oftalmologista, que se recomenda no primeiro ano de vida e o antes possível sempre que se observe qualquer alteração por parte do seu pediatra.


 



 


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×