• Buscar
Publicidad

Alimentos congelados: benefícios para os bebés e para os pais!

Alimentos congelados: benefícios para os bebés e para os pais!

Legumes, arroz, massas, peixe … A oferta de produtos congelados é cada vez maior e mais variada. São produtos com um grande valor nutritivo que apresentam numerosas vantagens. Queres saber quais são?

Publicidade

Índice

Benefícios dos produtos congelados

Segundo os especialistas em alimentação, os produtos congelados podem manter a suas qualidades nutritivas em perfeitas condições sempre que o processo de congelamento seja de acordo com todos os requisitos de segurança, temperatura, etc. Ao congelar os alimentos depressa e a uma baixa temperatura praticamente mantêm-se todos os nutrientes intactos e evita-se o desenvolvimento de bactérias. Especialmente se os comparamos com os congelados em casa, os de congelação industrial apresentam uma probabilidade muito menor de provocarem infecções tóxicas; em casa é um processo mais lento e em condições menos rigorosas o que pode gerar uma perda de valor nutritivo dos alimentos.

Dessa forma, os produtos congelados tornam-se muito práticos para as famílias que têm cada vez menos tempo para se dedicarem à cozinha. Podem estar preparados para consumir directamente, sem necessidade de limpeza nem de descongelamento prévio.

A pensar nas crianças

Levar uma alimentação saudável é a chave para o correcto desenvolvimento e crescimento das crianças. Além de prevenir as doenças, uma dieta equilibrada aporta toda a energia necessária para o dia-a-dia dos pequenos. No entanto, muitas vezes é difícil que as crianças comam alimentos tão imprescindíveis como o peixe e as verduras. Uma excelente opção para evitar os choros perante um prato de pescada é optar por alimentos congelados. Outra das vantagens dos produtos congelados é que facilita que as crianças comam legumes e, sobretudo, peixe, já que os congelados não têm espinhas o que se torna mais cómodo e, para além disso, existem várias formas e apresentações que tornam estes alimentos mais atractivos para as crianças.

Conselhos do TodoPapás

Sobre a compra de produtos congelados:

- Lembra de comprar os produtos congelados em último lugar para minimizar o tempo que estão fora do frigorífico.

- Escolhe uma marca de confiança que cumpra os requisitos de segurança e as normas de manutenção.

- Utiliza os sacos isotérmicos que os mercados vendem para manter os alimentos frios até casa.

Para congelar:

- Guarda sempre os produtos devidamente envoltos.

- Aponta a data de congelamento num lugar visível do saco ou embalagem.

- Se fores congelar uma grande quantidade de alimento divida por porções.

- Se descongelares algum alimento, consuma-o num espaço de tempo breve e nunca volte a congelar.

Clarence Birdeye, o pai dos congelados

A ideia de congelar alimentos foi pensada pelo empresário estadunidense Clarence Birdeye, quem em 1912 foi morar na Alaska, onde se casou e teve seu primeiro filho.

Birdeye descobriu que o pato congelado em extremas temperaturas do inverno se mantém melhor do que o pato congelado em verão ou primavera. Começou experimentar sua teoria com legumes e percebeu que mantinham tudo o gosto.

Em 1917, voltou em NY e continuou seus estudos sobre os processos de congelação rápida. Não foi até o dia 6 de março de 1930, quando pela primeira vez chegar produtos congelados de legumes, frutas, carnes e peixes. O primeiro mercado estava na cidade de Springfield (Massachusetts).


Fuentes: Blog EnFamilia de la AEP: https://enfamilia.aeped.es/vida-sana/pescado-en-dieta-infantil

Fecha de actualización: 15-10-2020

Redacción: Lola García-Amado

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×