O meu filho está doente, saiba o que fazer!

O meu filho está doente, saiba o que fazer!
Partillhar

Quando lhe dói alguma coisa ou se encontra mal, o seu bebé tentará transmiti-lo através do seu choro, dos seus gestos, balbucios e primeiras palavras. Apesar de desejar conseguir ler-lhe a mente nestas alturas, deve ser você a tentar perceber o que se passa e o que poderá aliviar a criança, assim como o seu estado em geral. No entanto, nunca deve esquecer os medicamentos mais necessários: o seu tempo e carinho.

Estar pendente do estado geral da criança é a primeira recomendação que se dá em caso de doença, já que cabe aos pais detectar os primeiros sintomas, entre os quais se encontram como mais comuns: irritabilidade, enfraquecimento e outros sinais como febre, náuseas, vómitos, inapetência, dor, diarreia, etc. Se observar que o seu pequeno pode ter febre, coloque-lhe o termómetro para comprová-lo e medir a temperatura, já que é importante conhecê-la com exactidão.

Dessa forma, é necessário saber que deve ser sempre o médico quem receita os medicamentos à criança, inclusivo no caso de analgésicos ou antitérmicos, explicando quando e em que quantidades devem ser administradas. O médico deve explicar também os possíveis efeitos secundários e o tempo de medicação, já que a sua suspensão antes do indicado, por a criança se encontrar melhor, é um grave erro que não deve ser cometido, especialmente quando se trata de antibióticos.

Enquanto durar o tratamento poderá verificar a habilidade do seu filho para abrir a boca e deitar a língua de fora quando chega o xarope. Neste momento tenha à mão água, sumo ou a chucha para que a criança possa beber depois de tomar a sua dose de medicamentos e engolir mais facilmente.

Alimentação: o meu filho não quer comer!

Alimentação: o meu filho não quer comer!

O seu filho zanga-se sempre que se senta à frente do prato? Com frequência, para muitas famílias, a hora da refeição converte-se num autêntico pesadelo e numa guerra contínua entre pais e filhos. O que devemos fazer quando o nosso filho não quer comer? Antes de mais é fundamental não perder a calma.

Durante a recuperação

Uma vez feito o diagnóstico que aponta que é algo limitado e sem gravidade, para além dos medicamentos destinados a aliviar o mal-estar, existem certas coisas que sempre ajudam a criança a sentir-se melhor, como estar a seu lado, para além de doses suplementares de carinho e paciência se em algum momento se mostrar mais irritável.

- Para além disso, é importante “abandonar” a rotina habitual, deixando a criança dormir o tempo necessário e não força-la se não tem muito apetite, mas tentando sempre que beba líquidos suficientes.

- É provável que tenha mais apego à chucha ou ao seu boneco ou brinquedo preferido. É necessário ser tolerante.

- A evolução de cada doença é distinta e é uma questão de moldar-se ao que a criança quer. De todas as formas, observe o seu estado geral para informar o pediatra.

- É fundamental que em casa a criança use roupa comoda, embora não necessariamente o pijama se não estiver na cama. Se tiver febre não deve agasalhá-lo demasiado, sendo melhor as roupas fáceis de desabotoar para o caso de ter de usar o termómetro. Lembre-se que todas as crianças com febre devem beber líquidos abundantes.

- Para voltar às suas actividades normais, como pode ser a escola, assegure-se que já está recuperado e que não há risco de contágio para os seus colegas.

Acredite no seu instinto e se achar que algo não está bem vá imediatamente ao pediatra ou ao serviço de urgências, já que é melhor pecar por defeito de experiência que expor-se a riscos desnecessários por não querer causar desconforto ao bebé.

 

 

 

Fonte: “Manual de Puericultura de la Asociación Española de Pediatría” do Dr. Alfonso Delgado Rubio e do Dr. Valenti Pineda i Solàs.


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×