A televisão e a infância

A televisão e a infância
Partillhar

Tanto a lei em vigor como a legislação europeia estabelecem a protecção da infância no que diz respeito aos conteúdos televisivos que podem prejudicar as crianças. Para além disso, existe mesmo um código de auto-regulação firmado pelas cadeias televisivas. Entre as 6 e as 22h, programação infantil?

As crianças passam em média muitos minutos por dia em frente à televisão, algumas quase o mesmo tempo que estão na escola. Comparando com esta situação os pais dedicam muito pouco tempo a falarem com os filhos.

Que televisão vêem os nossos filhos?

Os nossos filhos passam imenso tempo a ver televisão, mas o que será que eles vêem? Vários estudos realizados recentemente demonstram que existe um elevado conteúdo sexista e violento na programação infantil das cadeias de televisão. As conclusões mais chamativas são as seguintes:

A imagem da mulher: a mulher aparece reiteradamente a realizar, exclusivamente, tarefas domésticas. São feitas referências sexistas e contra a dignidade da mulher.

A imagem da cultura: ridiculariza-se o mundo da cultura apresentando-se como algo aborrecido e carente de interesse.

No te puedes perder ...

Gripe e outras doenças na gravidez, saiba o que tomar!

Gripe e outras doenças na gravidez, saiba o que tomar!

Embora penses que eres muito forte e saudável, nove meses é um período suficientemente longo para que a probabilidade de que sofras de uma doença comum, para além dos desconfortos próprios da gravidez, seja alta. O problema é que durante a gestação o consumo de medicamentos e fármacos está muito limitado o que faz com que em algumas ocasiões estas dolências possam incomodar mais do que se não estivesse grávida.

O sexo: este aparece continuamente em forma de conteúdo sobre a vida sexual dos famosos, como ícone de uma vida “mais na moda” e aceite socialmente.

Os conteúdos violentos: neste aspecto a programação infantil é uma autêntica potenciadora da violência como único método para se resolver os conflitos, exaltando e justificando a vingança de maneira explícita.

Possíveis consequências

O problema não reside unicamente em que se mostrem este tipo de conteúdos no horário de máxima audiência infantil, mas vai mais além. A forma que adopta a violência televisiva faz com que as crianças a percebam como a maneira mais eficaz na hora de resolver os seus conflitos obviando as consequências que esta traz. Certos estudos destacam as seguintes consequências da violência infantil:

- As crianças tornam-se mais agressivas depois de verem as imagens violentas e agressivas.

- Aceitam, justificam e podem chegar a imitar os comportamentos violentos como um modo normal de resolver os seus próprios problemas.

- Tornam-se mais pessimistas e passivas.

O que devem fazer os pais?

Segundo alguns especialistas na comunicação, a influência negativa destes conteúdos pode-se evitar com ajuda dos pais. A criança deveria ver um máximo de uma hora de televisão por dia e o ideal é que o fala acompanhada por adultos para que estes comentem e contextualizem os conteúdos. As crianças por si só não entendem o que vêem: supera a sua capacidade emocional. A chave é formar os nossos filhos para que sejam pessoas críticas e reflexivas. Há que ensinar-lhes a diferenciar entre a realidade e a ficção, consciencializá-las de que a violência não é um recurso.

Embora não haja dúvida de que a pequena televisão se converteu num transmissor fundamental de valores, não podemos cair na fácil tentação de acusar os programas infantis de serem a única ou a principal causa da tendência de comportamentos violentos. A televisão pode ser um veículo activo de valores positivos e um mestre de novas habilidades. Apesar de que neste momento são poucos os programas infantis de qualidade.

Alguns conselhos …

- Que as crianças não vejam programas sem que um adulto vigie o seu tipo de conteúdos. Se tem duvidas: pergunte, fale com eles, explique-lhes o que seja necessário. É fundamental que preste atenção ao seu filho e que desenvolva o seu espírito crítico.

- Seleccione uns horários e programas determinados, que as crianças não caiam na tentação de ver o que quer que seja e a qualquer hora. Quando acabar o programa que a criança esteve a ver, apague a televisão.

- Mantenha a televisão desligada na hora das refeições e durante o tempo em que estão a fazer os trabalhos de casa ou qualquer outra actividade como ler, estudar, etc.

- Seja inflexível na hora de escolher as serie e as películas: que vejam unicamente as adequadas para a sua idade e para a sua capacidade de raciocionamento.

- Não utilize a televisão como recompensa ou castigo, isso aumentará o seu valor aos olhos do seu filho.

- Fomente nas crianças o gosto pelas actividades distintas, fale com a criança sobre os seus gostos, passe tempo com os seus filhos quando estes voltarem da escola. Sobretudo, é fundamental que a televisão não se converta numa ama cómoda e barata. Proponha coisas do estilo “E se apagássemos a televisão e fossemos … jogar, brincar, ler, etc.”

Uma excelente opção são os vídeos e os DVDs

Existe um grande mercado à volta destes produtos onde se podem encontrar programas e documentários formativos que estimulam a inteligência das crianças, séries onde se incutem valores como a igualdade de papéis, a importância do diálogo intergeracional, etc. Se tem duvidas sobre o sobre o sitio onde pode encontrar este tipo de produtos, seguramente que os psicólogos e os professores da escola do seu filho a podem ajudar.

Para além disso, este tipo de produtos são a melhor forma de evitar o bombardeio publicitário a que as crianças se vêem expostas.



Fecha de actualización: 06-10-2005

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>