×
  • Buscar
Publicidad

Aprender as cores

Aprender as cores

Vermelho, castanho, roxo, amarelo, azul … o mundo que o rodeia é multicolorido! Nesta idade a criança já sabe distinguir as cores e sabe também que os objectos se diferenciam pelo tom (o sapato branco, o carro azul, o boneco roxo …), não significa necessariamente que saiba o nome correcto de cada objecto. Nós vamos dizer-lhe como ajudar a criança.

Publicidade

No primeiro ano de vida o seu filho vive uma verdadeira etapa de descobrimentos. Observa e estuda tudo o que está ao seu redor – a forma, o lugar e o espaço. Já deve ter reparado que os jogos que a criança faz são basicamente empilhar e encaixar objectos. Desta forma, vai assimilando os conceitos de cima, baixo, frente, trás, grande, pequeno, etc. As cores são aprendidas posteriormente.

Embora a criança já saiba identificar os objectos pela sua cor predominante ainda precisa de tempo para memorizar o nome desses tons. O número de cores é infinito, isto não contando com as diferentes sombras, gamas e misturas. Até aos adultos custa distinguir entre um azul esverdeado e um verde água. Portanto, não se assuste se o seu filho disser que a bola é laranja e no dia a seguir já disser que é amarela. Ainda é muito difícil para uma criança desta idade associar o nome de uma cor em particular a um objecto. Contudo, os pais podem estabelecer em casa as bases para esta aprendizagem.

No te puedes perder ...

Viajar com crianças

Viajar com crianças

Embora lhe pareça que o seu rebento é muito pequeno para viajar, se o seu filho está saudável e não tem nenhum problema, pode viajar desde que nasce, sempre seguindo uma série de recomendações. Escolha bem o seu destino e tenha em conta que viaja com a sua família na hora de escolher as actividades, o hotel e o meio de transporte.

Y tambien:

Passo a passo

Aprender as cores é um processo com três fases distintas:

- Inicialmente a criança percebe as cores mas não as distingue.

- Depois reconhece e distingue as diferentes cores.

- Finalmente é capaz de comparar e relacionar dois ou mais objectos com a mesma cor (o prato azul e o copo azul).

Para se ensinar as cores a uma criança é necessário começar a partir das primárias (azul, vermelho e amarelo) e com uma cor de cada vez. O próximo passo será assimilar os conceitos de claro e escuro e só mais tarde vêm as cores secundárias.

Não há dúvida de que a cor vermelha é a mais marcante e atraente aos olhos dos pequenos e, portanto, mais facilmente reconhecível. Desta forma, escolha esta cor para captar a sua atenção. Mostre à criança que o carro é vermelho e é muito bonito, assim como as rosas ou os tomates. Assim ela aprende que existe o carro vermelho e o carro que não é vermelho. Uma vez aprendido este conceito pode avançar para outra cor. Esta forma de ensinar é mais eficaz do que apresentar o mesmo objecto em várias cores, especialmente se a criança ainda não domina muito bem a fala.

A pouco e pouco a criança vai distinguindo as cores e desenvolvendo a linguagem. Mesmo que o seu filho demore para aprender não desespere pois é preferível que a aprendizagem seja progressiva e natural. Nas conversas que tem com o seu filho ganhe o hábito de pronunciar o nome e a cor das coisas. (‘’Toma um laço cor de rosa’’,’’Estou a dobrar o lenço castanho’’). Quando quiser perguntar o nome de uma cor à criança é mais eficaz se o fizer indirectamente ‘’Dás-me a caneta verde?’’, ‘’Queres a camisola roxa ou azul?’’ do que fazê-lo de forma directa: ‘’De que cor é esta caneta?’’. Se o fizer desta forma evita que o seu filho desista ao quinto ‘’de que cor é …’’ de cada dia.

Mais actividades para aprender …

- O momento da refeição é o cenário ideal para ensinar as cores de uma forma agradável.

- Uma forma engraçada de ensinar à criança as cores secundárias é com plasticina. Ofereça plasticina azul e amarela ao seu filho e diga para as misturar … surpresa! A plasticina agora é verde.

Guarde objectos diferentes numa caixa e diga à criança para os tirar pela cor e pelo nome.

Fecha de actualización: 12-03-2010

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.