Desenvolvimento infantil: jogos a partir dos três anos

Desenvolvimento infantil: jogos a partir dos três anos
Partillhar

A partir dos 3 anos o seu filho vai deixando de ser um bebé e pode parecer mais pacífico que nos meses anteriores. Torna-se muito mais independente e desfruta da companhia de outras crianças. A transição das brincadeiras paralelas às colectivas vai produzindo-se a pouco e pouco, embora ainda precise da sua ajuda para controlar os seus sentimentos quando surge algum desacordo com um colega de brincadeira.

A maior alteração que irá notar durante este ano será a supremacia da imaginação e inventiva nas brincadeiras do seu filho. O seu cérebro desenvolveu-se até à etapa na qual possui a capacidade de assimilar mais de uma perspectiva ou ponto de vista o que significa que as brincadeiras colectivas com outras pessoas irão tornar-se muito mais simples.

Outras características das brincadeiras a partir dos 3 anos:

- O jogo simbólico ou de agir aumenta, já não precisa de um carro de verdade para acreditar que está num automóvel.

- Durante esta etapa não deve obrigar a criança a ver a realidade. É uma fase mágica na qual as histórias ganham vida e os personagens dos desenhos animados existem.

- Também é fase dos medos e dos pesadelos, que a crianças acabam por enfrentar inventado um amigo imaginário.

- A lógica infantil também funciona de forma diferente. Por exemplo, pois tentam sempre dificultar o jogo para que dure mais e não para que seja mais fácil de ganhar.

Desenvolvimento da criança: dos 2 aos 3 anos

Desenvolvimento da criança: dos 2 aos 3 anos

Começa a temida etapa dos 2 anos onde a criança quer reafirmar a sua independência. Não irá parar durante o dia! A criança experimenta grandes mudanças intelectuais, emocionais e sociais que a ajudarão a explorar e a perceber o seu novo mundo. Será um período emocionante para pais e filhos.

São iguais!

Para realizar este jogo precisamos de cartões com imagens conhecidas pela criança e todas devem estar repetidas. Pode fazer ou comprar já feito. Sobre a mesa coloque os cartões para que o seu filho possa ver e mencionar as imagens que vê. Depois dê-lhe uma para que observe e coloque em cima da que é igual. Quando dominar o jogo de procurar e colocar em cima as imagens iguais já pode jogar com outras crianças, respeitando a vez de cada um.

Jogo de luzes

Com o quarto escurecido, ligue duas lanternas e incentive a criança a investigar o que está dentro do armário, debaixo da cama, dentro da caixa dos brinquedos, etc. Invente que há algo misterioso pra procurar e depois aponte a luz para o tecto ou para o chão... Aproxime a lanterna da parede e a luz irá parecer mais pequena, se afastar a luz irá tornar-se cada vez maior.

Com este jogo a criança realiza seguimentos visuais em todas as direcções necessárias para a correcta aquisição da leitura, sente-se segura descobrindo na descoberta e percebe que não existe problema nenhum se o quarto estiver escurecido.

Senhor Caracol

No chão desenhe um trajecto em forma de caracol ou espiral. Peça ao seu filho que percorra o trajecto, ao inicio lentamente e à medida que vá adquirindo coordenação e destreza com mais rapidez.

Quando terminar peça-lhe que represente com o seu corpo um caracol (não se esqueça que cada criança irá fazê-lo à sua maneira).

O tapete mágico

Para realizar este jogo precisa de uma manta resistente e um espaço grande e sem objectos à volta. Deixe que a criança se familiarize com a manta, é provável que se esconda, que a enrole à sua volta, que sirva de capa e que a partir dai invente as suas próprias histórias de acordo com a personagem que escolheu ser por um bocado.

Quando achar conveniente, proponha-lhe que se sente em cima da manta para dar um grande passeio. Poderá transportá-lo para a frente e depois para trás, dar voltas completas e balançar. Se existirem mais crianças em casa proponha-lhes este jogo e verá que se irão divertir ao serem transportados e criando as suas próprias histórias. Também podem usar os seus bonecos ou peluches.

Balões bailarinos

Arranje alguns balões e surpreenda o seu filho com esta brincadeira. Encha os balões, sem que a criança veja, e envolva-os num lençol. Convide o seu filho para brincar a um jogo surpresa. Pode dizer-lhe "Adivinha, adivinha o que tenho aqui por baixo?". As crianças irão adorar descobrir. Se o seu filho lhe dá opções e não acerta pode dar-lhe pistas.

Quando descobrir, tire os balões e deixe que brinque com eles. Depois volte a pegar no lençol, peça ao seu filho para colocar todos os balões em cima dele porque vão fazê-los dançar. Um vez recolhidos todos os balões, cada um agarra numa ponta do lençol e começam a abaná-lo suavemente de um lado para o outro tentando que os balões não caiam no chão. Passados alguns segundos, conte até três e nesse momento empurre o lençol com força para cima para que os balões voltem para o ar e caiam no chão. Verá que a criança ficará muito contente de ver os balões a "voar".

Colar

Precisa de cola batom, bocados de papel, lápis, pedras pequenas, chocolate e uma cartolina grande. Coloque um plástico no chão e sobre este a cartolina. Depois mostre os materiais ao seu filho, deixe que observe e toque nos mesmos. Deixe que desenhe na cartolina com os lápis. Depois coloquem cola e, por cima, os bocados de papel ou as pedras. Esta brincadeira deixa aberta a porta para a criatividade, tanto da criança como dos pais. Deixe que seja a criança a decidir o que quer utilizar.

Voltar para a cama

Voltar para a cama depois dos jogos é muito positivo para as crianças, assim recuperarão a respiração e o ritmo cardíaco acabando por relaxar. Para isso podem fazer um jogo de relaxamento muito simples. Coloque-se de pé em frente ao seu filho e, com uma voz bem calma e olhar bem tranquilo, diga à criança para imaginar que é um balão quês e enche e torna cada vez maior. Nesse momento inspirando e expandindo o corpo. De repente o balão rebenta e será neste momento que devem expulsar o ar e deixar cair o tronco para a frente. Com a prática, ambos irão encontrar o melhor ritmo para fazê-lo.

 

 

 


FONTE: Todo un mundo de sorpresas de Elizabeth Fodor, Montserrat Morán e Andrea Moleres.

 


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×