A adolescência: mudanças físicas e psicológicas do meu filho

A adolescência: mudanças físicas e psicológicas do meu filho
Partillhar

A pré-adolescência é um caminho inquietante e de grandes mudanças que vai desde a infância à juventude. É a época na qual os seus filhos se sentem muito grandes para os brinquedos de crianças mas demasiado pequenos para se integrarem na sociedade dos adolescentes. É uma época de ensinamentos e dúvidas, de andar para a frente e para trás. No que diz respeito aos anos é um período curto, no entanto, pode parecer um tempo considerável se a medição for feita pelos conflitos que surgem nesta idade.

Mudanças físicas

Não existe uma data exacta para o início desta etapa, mas geralmente começa entre os 9 e os 12 anos.

As alterações hormonais das meninas começam antes e dependem, em grande parte, da data em que aparece a primeira menstruação. As mãos e os pés podem ser as primeiras partes do corpo que começam a crescer. A estatura aumenta, começam a ter pelos nos órgãos genitais e nas axilas, o corpo ganha formas e os peitos começam a crescer. A pré-adolescência de uma menina dura cerca de três anos.

Nos rapazes, esta alteração começa mais tarde e dura mais tempo, uns quatro anos. Da mesma forma que nas meninas, a rapidez e a época de crescimento dependem da “herança”, da saúde, da alimentação e das emoções. À medida que crescem os ombros alargam-se, as pernas ficam mais finas e compridas e os órgãos sexuais aumentam de tamanho. Também crescem os pelos na cara e noutras partes do corpo, incluindo os pelos púbicos e as alterações de voz.

No te puedes perder ...

O primeiro mês de gravidez

O primeiro mês de gravidez

O médico já lhe confirmou a feliz notícia: está a espera de um bebé! Desde a segunda semana da sua gravidez começa a notar mudanças no seu corpo: um dos primeiros sintomas é o aumento do peito, que costumam inchar com os dias prévios à menstruação, e em muitos casos, tornam-se igualmente sensíveis. É muito importante ir mudando o tamanho do sutiã - provavelmente aumente de 2 a 3 tamanhos- segundo o que vá necessitando para que a pele guarde todo a sua elasticidade. No duche, altere os jatos de água fria e a sua quantidade para tonificar.

Seja como for o seu desenvolvimento físico, uma característica comum a todos os pré-adolescentes é que não se sentem confortáveis com os seus corpos. Sobretudo as meninas, se ficam obcecadas com o peso podem deixar de comer ou começar a fazer dietas nada saudáveis.

A preocupação com o aspecto físico estende-se também à pele. É a época do temido acne, causado pelas mudanças hormonais. A higiene e uma dieta baixa em gorduras são fundamentais para que se consiga controlar este problema, no entanto, se o acne se tornar mais sério deve levar o seu filho a um especialista para que este lhe recomende um tratamento adequado.

Todas estas mudanças se reflectem na roupa. A meio caminho entre a infância e a adolescência, não é fácil encontrar-se roupa que se ajuste ao novo estado de ânimo. Para que não se sintam excluídos, querem vestir roupa da moda e usar o mesmo que usam os seus colegas. É importante que fale com os seus filhos nestas situações para que eles tenham noção dos verdadeiros gastos.

Desenvolvimento emocional

Uma criança na pré-adolescência tem a noção de ser demasiado jovem ou demasiado velha para certas coisas, o que acaba por produzir altos e baixos emocionais. Estes podem ter a forma de birras, choro, descuidos, expressões de aborrecimento, susceptibilidades, etc.

Os transtornos produzem-se, sobretudo, nas reacções evidentes que o seu filho apresenta de acordo com o estado emocional. Esta falta de autocontrolo deve-se às alterações hormonais que o organismo sofre.

Por exemplo, chateiam-se com facilidade, sobretudo, quando não lhes dão autorização para fazerem alguma coisa para a qual acham que já estão preparados (como saírem sozinhos com os amigos), e têm reacções como fecharem-se no quarto, gritar ou chorar.

Desta forma, é uma época de grandes pressões e frustrações. A ansiedade dos exames ou da vida social faz com que os seus filhos tenham medo.

Esta é, acima de tudo, uma etapa de rebeldia em relação aos pais e à autoridade. Na pré-adolescência querem e não querem ser independentes. Querem liberdade, querem decidir por eles mesmos, terem as suas próprias opiniões, contudo, por vezes sentem-se perdidos no mundo e necessitam de conselhos e carinhos da parte dos pais.

Têm necessidade de valorizarem-se, de afirmarem-se e de se sentirem aceites e reconhecidos pelas pessoas que se encontram ao seu redor.

Os pré-adolescentes exigem uma vida privada, tanto física como sentimental. Dependendo da personalidade de cada um podem ser pessoas abertas ou extremamente recatadas. Muitos dos sentimentos estão relacionados com o amor e com o sexo. Por isto mesmo é que é tão fácil ouvir-se uma criança falar destes temas com os amigos, no entanto, não quer dizer que o façam com os seus pais. Por isso, a comunicação fluida entre os pais e os filhos pré-adolescentes é fundamental para se evitar males posteriores.

Nesta fase o seu filho vai começar a querer sair com os amigos, a pensar no sexo oposto de outra maneira, a ter os primeiros contactos com o tabaco e o álcool. Estudos recentes mostram que uma grande quantidade de crianças fuma o seu primeiro cigarro ou provam álcool com os seus amigos por volta dos 12 anos.

Embora lhe apeteça fechar o seu filho no quarto até aos 18 anos, proibir-lhe sair ou estar com os seus amigos, não é solução. Deve falar muito com ele e ensinar-lhe os riscos e os perigos do álcool, das drogas, do sexo desprotegido, etc.

Guia para perceber um pré-adolescente

Todas as alterações emocionais e sociais fazem com que esta época esteja cheia de perigos para o seu filho: sexo prematuro e inseguro, drogas, álcool, bullying, etc. Certamente que os riscos que os nossos filhos enfrentam hoje são maiores que os riscos que a gerações anteriores enfrentaram. No entanto, não se preocupe. Esta é uma etapa pela qual todos devemos passar e com o apoio e o carinho dos pais, as crianças vão passar por ela sem grandes complicações.

Recorde-se que já todos os pais foram adolescentes

- Aproveite os momentos quotidianos, como o jantar, para falar com cada membro da família e perguntar como foi o dia de cada um.

- Embora lhe pareça que o seu filho já é maior, deve continuar a mostrar-lhe todo o seu carinho: abrace-o, beije-o, sorria para ele, etc. Não o faça em frente dos amigos, de certeza que o seu filho não vai gostar.

- Trate o seu filho com respeito e oiça as suas ideias e opiniões. Não deve deixar que o seu filho faça tudo aquilo que lhe apetece, mas deve ouvi-lo sempre.

- Ofereça-lhe segurança através de uma rotina, normas, expectativas, etc.

- O seu filho deve ter os limites claros. Se ele não obedecer deve fazer-lhe ver que agiu mal e, se necessário, castigue-o.

- Tanto você como o seu filho devem aceitar o fracasso como parte natural da exploração e da aprendizagem.

- Dê responsabilidades adequadas à idade e maturidade do seu filho.

- Seja um bom exemplo, tanto na forma de comportar-se com os outros como na forma de comer, na linguagem, nas maneiras, etc.,

- Tenha paciência e calma. Gritar e desesperar não vai dar em nada.

- Manifeste as suas emoções e sentimentos para que o seu filho se habitue a fazer o mesmo.

- Faça ver ao seu filho que está sempre presente para ajudá-lo. A confiança e a comunicação são as chaves para o entendimento. Por muito mal que o seu filho se tenha comportado, deve estar sempre ao seu lado. O que não significa que não deva castigá-lo.

- Conte algumas das suas experiências da adolescência ao seu filho.

- Deve sempre tentar perceber como é que vai a escola do seu filho, se precisa de alguma ajuda, etc.

Fale abertamente de temas importantes com o seu filho: sexo, álcool, drogas, relações. Seja honesta e natural quando falar com ele.



Fecha de actualización: 04-02-2010

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>