A inteligência emocional e as crianças

A inteligência emocional e as crianças
compart

Os pais têm um papel fundamental na aprendizagem da inteligência emocional. A educação emocional, sobretudo nas primeiras etapas, deve partir da família. Desde pequenos que aprendemos as reacções segundo o que experimentamos à nossa volta.

Os pais têm um papel fundamental na aprendizagem da inteligência emocional. A educação emocional, sobretudo nas primeiras etapas, deve partir da família. Desde pequenos que aprendemos as reacções segundo o que experimentamos à nossa volta.

A Inteligência Emocional foi um termo definido pelos psicólogos Salovey e Mayer, da Universidade de Yale. Apesar disto, quem conseguiu a sua difusão foi o psicólogo Daniel Goldman, autor da definição maioritariamente aceite. Esta refere-se à Inteligência Emocional como “a capacidade de reconhecer os nossos próprios sentimentos, bem como os alheios, de motivar-nos e de saber manejar as nossas emoções”.

É positivo ensinar as crianças a controlar as suas emoções?

Gema Theus, psicóloga e directora de um Centro de Educação Infantil, destaca como positivo ensinar as crianças a controlarem as suas emoções se se entende a capacidade para adequar a expressão emocional à situação e à pessoa indicada: mas nunca, se se faz como uma repressão do sentimento. Por sua vez, Natalia Sastre, psicóloga, afirma o seguinte: “É positivo porque assim se aprende a perceber as suas reacções, como afectam os seus comportamentos e saber que estes têm consequências para ele e para os outros. Geralmente, desenvolver a Inteligência Emocional aporta numerosos benefícios a nível pessoal. Leva a um melhor conhecimento de si e ao aumento da auto-estima, o que repercute na melhoria das relações interpessoais na forma de conhecer e resolver conflitos … tudo isso levando a um melhor rendimento social e pessoal”.

O papel dos pais

“A aprendizagem das emoções e a Inteligência Emocional – afirma Natalia Sastre, não é diferente das outras. De pequenos, o papel dos pais é importantíssimo, já que a maioria se adquire por modelação, por observação. Nas primeiras etapas da vida da criança, com o estabelecimento dos vínculos afectivos, com as amostras de carinho, a criança vai explorando sentimentos, reacções, imitando e identificando emoções e situações. Por exemplo, aprende que quando estraga alguma coisa o pai fica sério, “está triste”.

Ao inicio as emoções são básicas, e quando vão ampliando o seu vocabulário começam a distinguir as situações; o papá não está “triste”, mas sim enfadado, decepcionado, etc. “Para além disso, a psicóloga reforça a importância dos pais terem a sua própria inteligência emocional desenvolvida, visto que vão servir de modelo de aprendizagem para os seus filhos, não só a nível verbal, como também ao nível não verbal, comportamental, etc. Há que ter cuidado já que em muitas ocasiões na azáfama dos pais para tornarem a vida mais fácil aos seus filhos, antecipam-se as suas necessidades emocionais impedindo assim que seja ele quem aprende a identificar e expressar aquilo que acontece.

Aspectos como a auto-estima e o respeito requerem o ápio emocional dos pais e que estes dediquem tempo aos seus filhos e que atendam às suas necessidades emocionais e não só às físicas e às brincadeiras.

Neste aspecto, Gema Theus, partilha a mesma opinião que a sua colega. “É fundamental ensinar as crianças a solucionar por si mesmas os problemas, da forma mais adequada. Frequentemente os pais tentam solucionar os seus problemas embora não seja necessário e, assim, não dão às crianças a oportunidade de pensarem e actuarem por elas próprias. A chave é motivar as crianças para que elas resolvam os seus problemas, que desde pequenas aprendam a tomar decisões. A prática na solução de problemas melhora a capacidade de resolução destas no futuro”. Há que saber reconhecer os esforços dos filhos por aprender, melhorar ou fazer as coisas bem. Dessa forma, é importante o apoio nos fracassos, embora sendo sinceros com elas se o trabalho não foi realizado correctamente.

Influência no rendimento escolar

Para Natalia Sastre, a criança que desenvolve a sua inteligência emocional ganha confiança nas suas capacidades pessoais e intelectuais, relaciona-se correctamente e é capaz de comunicar o que quer, o que pensa e o que sente; está motivada para explorar, para conhecer coisas novas.

São todos estes factores que influenciam o rendimento escolar. A psicóloga Gema Theus, destaca que o rendimento escolar do estudante depende do mais fundamental de todos os conhecimentos: aprender a aprender. E enumera os seguintes objectivos como chave fundamental:

Confiança: a sensação de controlar e dominar o próprio corpo, a própria conduta e o próprio mundo. A sensação de que tem muitas possibilidades de êxito no que empreende e que os adultos podem ajudar nessa tarefa.

Curiosidade: a sensação de que descobrir algo é positivo e planetário.

Intencionalidade: o desejo e a capacidade de conseguir algo e de actuar em consequência disso; ligado à sensação de se sentir competente e eficaz.

Auto-controlo: modular e controlar as próprias acções de uma forma adequada à sua idade.

Relação: uma capacidade que se baseia no facto de compreender os outros e de ser compreendido por eles.

Capacidade de comunicar: O desejo, a capacidade e a confiança de intercambiar verbalmente ideias, sentimentos e conceitos.

Cooperação: harmonizar as próprias necessidades com as dos outros nas actividades de grupo.

Artigos relacionados

Image

Os amigos imaginários do meu filho

Muitas vezes as crianças falam de um companheiro de brincadeiras que não conhecemos e que, inclusive, nem podemos ver! Isto porque apenas está na imaginação das crianças. Este amigo imaginário funciona... (as emoções e as crianças)

Image

Natal com pais separados

O Natal é o período de reuniões por excelência, onde toda a família se junta para celebrar estes dias e passarem as festas unidos. No entanto, nas famílias com... (inteligencia emocional na educação infantil)

secciones psicologia infantil Los celos son un sentimiento normal que puede comenzar ante el nacimiento de un nuevo hermano y prolongarse hasta la adolescencia.

Como tratar os ciúmes?

Os ciúmes são um sentimento normal que pode começar antes do nascimento de um novo irmão e que pode prolongar-se até à adolescência. Cada criança... (inteligencia emocional infantil)

0 Comentários

Escreva o seu comentário

Nós usamos cookies para melhorar a qualidade do serviço , medir a audiência e oferecer publicidade que podem ser de interesse . Se você continuar a navegar entendemos que você aceitar a nossa Política de Cookies.