×
  • Buscar
Publicidad

Asfixiamento, como socorrer uma criança!

Asfixiamento, como socorrer uma criança!

Muitas são as asfixias causadas por um rebuçado, por comida ou por outro corpo estranho que as crianças levam à boca. O nosso acto reflexo pode ser dar palmadas nas costas, mas essa não é a forma correcta de agir. O que devemos fazer? Fique a saber tudo …

Publicidade

No caso de asfixia, se a criança balbucia, chora ou tosse é sinal de que o ar está a passar pelas vias aéreas, pelo que, provavelmente, estamos perante uma situação de obstrução parcial. A tosse é o mecanismo reflexo mais potente para reverter esta situação, por isso, deve incentivar a criança a tossir.

Geralmente, temos o costume de dar palmadas nas costas quando vemos uma pessoa engasgada. Esta acção pode mover o dito elemento e converter a obstrução parcial numa obstrução total. Por este motivo, não devemos dar palmadas nas costas, nem dar de beber e tão pouco comprimir o abdómen da vítima.

Quando uma criança se engasga, gera-se nesta pessoa uma certa angústia e ansiedade. Na hora de actuar devemos diferenciar se se trata de crianças lactentes e se a vítima está consciente ou inconsciente.

No caso de uma criança consciente há que pedir ajuda ou o 112 o quanto antes. Deve colocar-se atrás da criança para colocá-la de pé e inclinada, com a cabeça mais baixa que o resto do corpo e com uma mão que passe por baixo da axila segurando-lhe o peito.

Com a outra mão deve dar-lhe cinco palmadas entre as omoplatas, observando se depois de cada uma das pancadas a criança expulsa o corpo estranho. Se essa expulsão não se produzir, deve iniciar as compressões abdominais ou a manobra de Heimlich.

No te puedes perder ...

O seu filho é uma criança mimada? Saiba o que fazer

O seu filho é uma criança mimada? Saiba o que fazer

Os filhos únicos e sobreprotegidos tendem a ser mais mimados, o que, consequentemente, as leva a serem mais tímidas, mais reservadas, a terem problemas em relacionar-se com os outros e, inclusivo, a serem mais agressivas quando alguma coisa não corre como desejavam. Embora o melhor a fazer seja evitar que a criança se torne mimada, se já está muito consentido não se preocupe, ainda pode moldar o seu carácter.

 

Y tambien:

Para realizar esta manobra terá de se colocar atrás da criança e envolver-lhe a cintura com os braços. Fecha uma mão e coloca a “junta” do polegar acima do umbigo, à altura da boca do estômago, entre o umbigo e o tórax.

Agarra o punho com a outra mão e realiza uma forte pressão para dentro e para cima, o que provocará um aumento da pressão no tórax. Esta pressão obrigará o ar que está dentro dos pulmões a sair, arrastando o corpo estranho.

Em cada manobra comprove se o dito corpo estranho saiu. Não deve meter os dedos na boca da criança para tentar tirar o corpo estanho que está a produzir a asfixia. Apenas e unicamente deve fazer isto quando os corpos estranhos estejam visíveis e que sejam de fácil extracção. Deve repetir o ciclo completo até à recuperação, até à chegada da ajuda ou até à perda de conhecimento.

Se a criança perde o conhecimento deve voltar a pedir ajuda e iniciar a RCP, que consiste em realizar trinta compressões torácicas seguidas de duas insuflações, até à recuperação ou à chegada de ajuda.

Se a vítima de asfixia é um lactente consciente também deve pedir ajuda e chamar o 112. De seguida, deve colocar o lactente de barriga para baixo sobre o seu antebraço, com a cabeça mais baixa que o corpo e segurando-lhe o queixo com a mão. Deve procurar que a boca permaneça aberta e deve vigiar a posição dos dedos.

Com a outra mão dará cinco palmadas entre as omoplatas. Se não se produzir a expulsão do corpo estranho, deve voltar o lactente ao contrário e colocá-lo sobre o seu antebraço olhando para cima e apoiando o seu pescoço com a mão.

Com a outra mão realiza compressões torácicas no terço inferior do esterno do bebé. Até cinco compressões na direcção superior, até ao tórax, comprovando se a criança expulsa o corpo estranho.

Mais uma vez não deve colocar os dedos na boca do bebé. Apenas e unicamente deve fazê-lo para extrair corpos estranhos visíveis e de fácil extracção. Se a expulsão não se produzir, deve repetir o ciclo até à recuperação, até à chegada de ajuda ou até à perda de conhecimento.

No caso de o lactente perder a consciência volte a pedir ajuda e inicie as manobras de RCP, trinta compressões torácicas seguidas de duas insuflações, até à recuperação da respiração ou à chegada de pessoal médico.

No caso de lactentes ou menores de um ano a manobra de Heimlich não é uma técnica adequada devido ao risco de poder provocar lesões nas vísceras abdominais da vítima.

Quando se realiza uma reanimação numa obstrução da via aérea por um corpo estranho, o que se pretende de alguma maneira é mobilizá-lo para tentar que, em algum momento, entre parte do ar que administramos. O mesmo acontece com as compressões torácicas, cujo objectivo é conseguir a expulsão, ou pelo menos a mobilização, do corpo estranho e deixar espaço para que o ar possa passar.

Nestas situações é habitual que o ar não entre, que não se eleve ao tórax ou que custe muito introduzi-lo. Não obstante, deve comprovar a técnica. Se o tórax se elevar com facilidade deve reavaliar a situação, mas se a vitima continua inconsciente e se não respira normalmente, deve continuar com as manobras de reanimação.

Todas as técnicas são capazes de evitar que um asfixiamento seja completamente efectivo e que assim fique apenas num mero susto. No entanto, para a sua realização é necessário ter algum conhecimento em primeiros auxílios, com a finalidade de levá-las a cabo correctamente.


Fecha de actualización: 18-05-2010

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.