Perigos à volta das crianças

Perigos à volta das crianças
Partillhar

Com uma total ignorância em relação aos perigos da casa o seu bebé, numa permanente etapa de desenvolvimento e de exploração do mundo em que vive, tratará de descobrir todos os segredos que o rodeiam. Vigiar estes aprendizes de Marco Polo é sempre o melhor remédio para mantê-los seguros, dentro e fora de casa, mas como sabemos que isto é praticamente impossível queremos mostrar-lhe os lugares do seu lar onde deve extremar as precauções para evitar acidentes domésticos.

EM CASA

- O banho

Na banheira, perigo de afogamento: todos sabemos que as crianças podem afogar-se, inclusivo com apenas 15 cm de água. Durante o banho é fundamental a vigilância, dado que a criança pode afogar-se em segundos. Os assentos de banho, os dispositivos de ajuda para o banho e as banheiras para bebés e crianças pequenas são elementos que facilitam o trabalho, mas é importante ter em conta que são elementos de ajuda e não dispositivos de segurança, pelo que a vigilância dos pais é o factor chave para impedir acidentes fatais.

Temperatura da água do banho, queimaduras: antes de dar banho à criança é importante que os pais se assegurem da temperatura da água para evitar queimaduras, para isso pode-se utilizar um termómetro de banho que cumpra com as exigências de segurança.

Medicamentos: nunca se deve deixar os medicamentos ao alcance das crianças.

No te puedes perder ...

Trocadores: para evitar quedas nunca deve deixar a criança sem vigilância no trocador.

- A cozinha

Queimaduras: tachos e panelas no fogão representam um grande perigo. Algo tão simples como colocar as pegas dos tachos para dentro pode evitar muitos acidentes. Para além disso, existem barreiras de protecção para as placas da cozinha que protegem os mais pequenos dos acidentes domésticos.

Produtos de limpeza (lixívia, detergentes, etc.): não se deve deixar os produtos de limpeza ao alcance das crianças.

Cadeiras para crianças: utilize sempre o sistema de retenção. A principal causa de acidentes relacionados com este tipo de produtos deve-se a quedas destas cadeiras.

- A sala de estar

Queimaduras e incêndios: não se deve deixar velas ou aquecedores perto das crianças.

Electrocução (tomadas): pode-se utilizar protecções de tomadas que impedem que a criança introduza os dedos na tomada.

Golpes, pancadas e contusões: os cantos vivos e as esquinas dos móveis e mesas são uma fonte contínua de cortes, pancadas, e hematomas para as crianças. As conhecidas esquineiras ajudam-nos a proteger os mais pequenos das pontas e esquinas, prevenindo este tipo de acidentes.

As portas: atenção aos dedos! Os bloqueadores para portas ajudam a evitar este tipo de percalços.

O parque: os parques, para além de reterem a criança, oferecem-lhe um espaço sem perigos para que brinque durante curtos períodos de tempo. Assegure-se de que o parque cumpre com a normativa europeia de segurança EN 12227. Nos parques de uso doméstico não deve haver tubos com o final aberto, já que a criança pode introduzir alguma parte do seu corpo (dedos, mãos, braços, etc.) com o consequente risco de aprisionamento. Não devem existir partes salientes no parque. É muito importante que comprove regularmente o bordo do parque com o fim de assegurar-se que a espuma de protecção não fica acessível à criança, dado que a sua ingestão poderia produzir asfixia.

A aranha: as aranhas estão destinadas a crianças que são capazes de sentar-se sozinhas, aproximadamente a partir dos 6 meses de idade até que possam andar pelos seus próprios meios, momento em que já não é conveniente o seu uso. O controlo da pessoa que cuida da criança é de suma importância, já que os acidentes se produzem, principalmente, devido à velocidade extra que as crianças podem alcançar com a aranha. Para um uso seguro da aranha assegure-se de impedir o acesso da criança a escadas e superfícies irregulares, a colocação de uma barreira de segurança pode ser uma boa opção. Deve-se proteger as gavetas, aquecedores e utensílios de cozinha. Deve-se retirar os líquidos quentes e cabos eléctricos. Deve-se evitar o acesso a portas, janelas e móveis. Assegure-se de que a aranha cumpre com a normativa europeia EN1273.

- As escadas

Atenção às quedas! As barreiras de segurança limitam o acesso das crianças pequenas a escadas e zonas perigosas da casa, já que estão desenhadas para serem colocadas transversalmente em certas aberturas da casa. Estas barreiras estão destinadas a impedirem a passagem das crianças até aos 2 anos de idade, mas devem poder retirar-se ou abrir-se por pessoas adultas capazes de accionar o mecanismo de bloqueio. Comprove que a barreira de segurança cumpre com a norma europeia se segurança EN 1930.

- O quarto 

Quedas das janelas: actualmente os acidentes devido a quedas das janelas ou varandas representam a principal causa de morte, de danos cerebrais e de rotura de osso em crianças com menos de 5 anos. A cada ano morrem entre 15 a 20 crianças devido a este tipo de quedas e mais de 4000 crianças são assistidas nas urgências por lesões relacionadas com quedas de janelas ou de varandas. Para reduzir ou prevenir acidentes podem-se utilizar dispositivos de bloqueio de janelas e portas desenhados para impedir a abertura de uma janela ou da porta de uma varanda numa certa posição.

Os brinquedos: devem cumprir com todas as exigências de segurança. Entre outros aspectos, não devem conter peças pequenas e devem ser fabricados com materiais não tóxicos.

O berço: a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo de EE UU, no seu informe anual, aponta que os berços estão muito mais implicados em acidentes mortais de crianças do que qualquer outro artigo de puericultura. Os acidentes devem-se, principalmente, ao facto da roupa/cordéis ficarem presos em partes salientes do berço, o que leva a um grande perigo de estrangulamento. Na construção do berço devem evitar-se bordos afiados e arestas vivas, tubos com um final aberto, interiores ocos que podem produzir aprisionamentos. A altura interior dos laterais deve ser de cerca de 600 mm, medidos desde a base do berço. Se este é regulável na altura, na sua posição mais alta, a distância entre a sua superfície e o bordo superior dos laterais deve ser no mínimo de 300 mm. Se o berço tem barrotes, a distância entre eles deve estar compreendida entre 45 a 65 mm. Comprove que o berço vem marcado com a norma europeia de segurança EN 716.

A chucha: quando for comprar uma chucha verifique se a informação visível no rótulo de venda faz referência à norma europeia de segurança EN 1400. Para um uso seguro da chucha nunca junte lhe cordéis, pois o seu filho poderá estrangular-se com eles. Inspeccione a chucha antes de cada uso, especialmente quando a criança tem dentes. Tire a chucha ao bebé aos primeiros sinais de deteorização. Comprove com que material esta é fabricada e tenha em atenção se o seu filho não é alérgico, por exemplo o látex natural.

- No passeio

A cadeirinha de passeio: as cadeiras e carrinhos devem cumprir a norma europeia de segurança EN 1888. Antes de utilizar a cadeira deve assegurar-se de que todos os dispositivos de fecho estão activos. As cargas sujeitas afectam a estabilidade da cadeira. Utilize sempre o sistema de retenção. Segundo as estatísticas, a maioria das lesões relacionada com este tipo de produtos foram causadas por quedas, daí a importância da utilização do sistema de retenção.

- No parque

A superfície de uma área de brincadeira é um factor crítico para garantir a segurança dos utilizadores. Embora a superfície de impacto não previna a queda da criança, reduz a gravidade das lesões. A aplicação da norma EN 1177 permite avaliar o alcance das lesões craniais que uma criança pode sofrer ao cair de uma altura determinada, através da estimação do valor HIC (Head-Injury-Criterion). A norma estabelece um limite máximo de 1000 HIC para que a gravidade das lesões não sejam susceptíveis de ter consequências fatais, ou seja, uma altura de queda para um revestimento determinado com um valor de 1000 HIC representa a altura da queda crítica acima da qual a criança pode sofrer lesões irreversíveis ou até mesmo a morte. A areia, o solo esponjoso, entre outros, são materiais que aplicados convenientemente convertem-se em amortecedores de quedas e aportam um alto nível de segurança. As áreas de brincar devem cumprir com a norma EN 1176.

- No carro

O método mais seguro para levar as crianças no carro é a utilização de sistemas de retenção infantis (cadeiras infantis) adequados em função do peso e tamanho da criança. Em caso de impacto menor ou de uma grande pancada, uma criança que não vá segura com estes sistemas pode sofrer consequências graves ou até mesmo a morte. Os estudos realizados demonstram que o uso correcto das cadeiras infantis reduz cerca de 75% as lesões em caso de sinistros. Os dois aspectos chave na hora de escolher uma cadeira são assegurar-se que esta pode ser instalada n o seu carro e que é adequada para a criança.

Peso da criança, cadeira adequada

De 0 a 10 kg (aprox. desde o nascimento até aos 6-9 meses): grupo 0

De 0 a 13 kg (aprox. desde o nascimento até aos 12-15 meses): grupo 0 e 0+

De 9 a 18 kg (aprox. desde os 9 meses até aos 4 anos): grupo 1

De 15 a 25 kg (aprox. desde os 4 anos até aos 6 anos): grupo 2

De 22 a 36 kg (aprox. desde os 6 anos até aos 11 anos): grupo 3

 A cadeira de segurança do grupo 0 coloca-se em posição contrária ao sentido da marcha, prendendo-se com o próprio cinto de segurança no automóvel para evitar lesões na parte superior do corpo.

A forma dos carros, a longitude dos cintos de segurança e os pontos de fechamento dos cintos são distintos de uns carros para outros. Por exemplo, pode acontecer que o cinto de um determinado carro seja demasiado curto para segurar uma certa cadeira. Deve ter em conta alguns factores:

- Comprove que a cadeira pode instalar-se em todas as posições de uso (assento dianteiro, extremos e posição intermédia em assentos traseiros) correctamente no seu carro. É importante que esta instalação seja firme e sem excessivas complicações.

- Comprove que a cadeira está homologada de acordo com a normativa vigente ECE R 44. Se o produto está homologado levará um distintivo que assim o certifique.

- As cadeiras em segunda mão podem ter pequenos defeitos, colocando em causa a segurança e efectividade do produto.

- Os sistemas de retenção infantis para cada grupo melhoram os níveis de segurança, já que se adaptam melhor aos sistemas que cobrem vários grupos.

- Comprove no manual do seu veículo se este permite transportar cadeiras infantis.

- Os brinquedos no carro: os elementos soltos, como podem ser os brinquedos, no interior do veículo convertem-se em projectáveis no caso de impacto. É conveniente guardá-los para impedir que saiam disparados, ou dar peluches para as crianças brincarem no carro.

- Nos infantários

Cada centro infantil deve cumprir com a normativa legal existente, a nível nacional ou autónomo, segundo a comunidade. Simples medidas de segurança permitem evitar acidentes e lesões:

Mobiliário, paredes e aquecedores com protecções anti-golpes e, no caso dos aquecedores, anti-queimaduras.

Portas com bloqueadores.

Janelas inacessíveis para as crianças e com protecção.

Móveis auxiliares estáveis, trocadores e cadeiras que cumpram com a normativa de segurança vigente.

Cabos de electricidade altos e protegidos.

Zona de brincar exterior com brinquedos estáveis, solo acolchoado e material adequado a cada idade, sem peças pequenas ou desmontáveis e com limpeza diária.

Material de limpeza, higiene e medicamentos inacessíveis para os menores.

Detectores de fumo, de gases e de monóxido de carbono, assim como material anti-incêndios segundo a normativa vigente e com revisões periódicas para o seu bom funcionamento.

Limpeza e higiene absoluta.

Planos de evacuação, saídas de emergência sinalizadas, visíveis e sem obstáculos e telefones de emergência em zonas visíveis.



0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×
*/?>