• Buscar
Publicidad

É mau o mel na gravidez?

É mau o mel na gravidez?

Como futura mãe, é importante que mantenha uma dieta saudável para o bom desenvolvimento do seu bebé. Por vezes, devido aos sintomas, é difícil comer como habitualmente fazia antes da gravidez, por isso é importante que saiba que alimentos comer ou deixar de comer para estar saudável durante esta nova etapa.

Publicidade

Índice

 

O mel na gravidez

O mel de abelha é um alimento encontrado no reino animal, que é completamente benéfico para si como mulher grávida. Este alimento é uma rica fonte de vitaminas e minerais, e além disso fornece ácido fólico.

Este alimento é composto principalmente de hidratos de carbono, água, enzimas e ácidos orgânicos.

Alguns dos benefícios que tem o consumo de mel durante a gravidez são os seguintes:

1.- Ácido fólico. A dose que recomenda-se consumir na idade fértil e durante a gravidez pode encontrá-la no mel.

2.- Ajuda a dormir. Por vezes, temos dificuldade em dormir quando estamos grávidas, mas a boa notícia é que o mel contém sedativos que nos podem ajudar a descansar e a adormecer.

3.- Processo digestivo. O consumo de mel estimula a actividade intestinal, pelo que a ajudará quando tiver certos problemas de estômago durante a gravidez.

4.- Sistema imunitário. O mel contém antioxidantes que irão fortalecer o seu sistema imunitário. Além disso, a sua capacidade anti-microbiana combate infecções na pele e corpo.

Depois de ter analisado como o mel funciona no seu corpo e os efeitos que tem sobre si durante a gravidez, podemos dizer que, de facto, é bom consumi-lo durante a gravidez, mas não deve exagerar porque contém muitos açúcares, por isso uma colher de chá ou duas por dia serão suficientes.

No entanto, a última recomendação, a tem o seu médico, uma vez que há pessoas alérgicas ao mel. Nesse caso, determinará se a pode consumir. Não fique consternada no caso não o possa ingerir por alergia, uma vez que há mais alimentos no reino animal que lhe podem trazer os benefícios que se obtém com o consumo de mel.

O mel também não deve ser oferecido a crianças com menos de 12 meses porque podem desenvolver botulismo. Esta doença, causada pela colonização dos esporos de Clostridium botulinum, não afecta os adultos, principalmente porque o microbioma digestivo já está bem estabelecido na fase adulta.

Por outro lado, considera-se improvável que a toxina possa ser transmitida ao recém-nascido. Segundo um artigo publicado em 2010, devido ao seu peso molecular, a probabilidade de que toxina botulínica passe através da placenta e chegue ao bebé é bastante baixa. Por conseguinte, o mel é benéfico e pode ser tomado com moderação durante a gravidez.

 

Benefícios do ácido fólico

O ácido fólico é uma vitamina B (B9), que é benéfica para o desenvolvimento do recém-nascido e da sua mãe. Esta vitamina ajuda a prevenir os seguintes defeitos do tubo neural.

1.- Espinha bífida. Uma fusão incompleta da medula espinal e da coluna vertebral.

2.- Anencefalia. Cérebro e abóbada craniana totalmente deformados.

3.- Encefalocele. Protrusão de tecido cerebral em direcção à pele causada por uma abertura anormal no crânio.

Estas deformidades formam-se normalmente nos primeiros 28 dias de gravidez, por isso é possível que nesta altura a mulher não saiba que está grávida. Por conseguinte, recomenda-se que qualquer mulher em idade fértil tome ácido fólico durante os 3 meses anteriores à gestação, para assim evitar que o seu futuro filho desenvolva deformidades.

Algumas funções do ácido fólico são as seguintes:

- É essencial para a formação de células sanguíneas.

- Diminui a probabilidade de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

- Ajuda a abrir o apetite da mulher grávida.

- Estimula a formação de ácidos digestivos, contribuindo assim num bom processo digestivo.

- Participa no metabolismo do ADN, ARN e proteínas.


Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas

Fecha de actualización: 26-05-2021

Redacción: Genaro Aguilar

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×