• Buscar
Publicidad

Uma grávida pode comer anchovas?

Uma grávida pode comer anchovas?

Um dos alimentos que deve ser comido com cautela durante a gravidez são as anchovas, pois embora tenham uma quantidade significativa de ácidos gordos ómega 3, o seu elevado teor de sal e o facto de não serem cozinhadas pode torná-las prejudiciais.

Publicidade

Índice

 

Porque não pode comer anchovas durante a gravidez?

Durante a gravidez é necessário ter cuidado com o consumo de certos alimentos, embora muitos dos alimentos "proibidos" sejam comuns na dieta diária de qualquer pessoa, durante a gravidez estes podem tornar-se um risco potencial para o feto. E é que doenças que fora da gravidez passam como um simples resfriado e não causam problemas, tais como a listeriose e a toxoplasmose, se são contraídas durante a gravidez e passam para o feto podem causar consequências graves, tais como aborto espontâneo, morte fetal, paralisia cerebral, cegueira, etc.

Um destes alimentos são as anchovas, por isso é que tem de ser cautelosa.

Os peixes oleosos são essenciais durante a gravidez porque têm quantidades significativas de ácidos gordos ómega 3, essenciais para o controlo da pressão sanguínea e para o bom funcionamento do coração. Mas assim como os grandes peixes oleosos devem ser evitados durante a gravidez e amamentação devido ao seu elevado teor de mercúrio, as anchovas também devem ser comidas com cautela por duas razões:

- Os alimentos em salga, como as anchovas, contêm demasiado sal. O consumo excessivo de sal quando se espera um bebé pode ser prejudicial para a mãe que poderia sofrer de hipertensão, retenção de fluidos e problemas renais, mesmo assim, não se deve parar de tomar sal radicalmente, a menos que o médico o prescreva, pois poderia conduzir a uma tensão arterial baixa e a um défice de minerais presentes no mesmo. O importante é consumi-la com moderação, não excedendo as 5 gramas por dia recomendadas (uma colher de chá).

- As anchovas são salgadas mas não foram submetidas a qualquer processo de cozedura pelo que podem transmitir o anisakis, um pequeno verme que pode causar uma infecção grave do estômago com sintomas tais como dores abdominais graves, náuseas e vómitos, febre, erupções cutâneas e por vezes peritonite.

 

Dicas se quiser comer anchovas durante a gravidez

Um truque para evitar esta doença é congelar os alimentos a 20 graus abaixo de zero, pelo menos 48 horas antes do consumo.

Em conclusão, as anchovas são um produto rico em ácidos gordos ómega 3, mas durante a gravidez pode não ser inteiramente aconselhável. Se forem previamente congeladas, podem ser consumidas de vez em quando mas sem exceder as quantidades recomendadas de sal. Lembre-se também de não as consumí-las muito frequentemente e primeiro congele-as sempre.

Uma vez congeladas durante pelo menos 48 horas, pode descongelar as anchovas e limpá-las e salgá-las para depois comê-las sem qualquer problema. Se as compra já salgadas, coloque-as no congelador durante 48 horas, só por precaução. Congelá-las não perde as suas propriedades ou sabor.

E se quiser comer as anchovas em vinagre e comprá-las cruas, deve também congelá-las de antemão para evitar possíveis riscos.

Quanto a comê-las cozinhadas, fritas ou assadas, não há problema, pois o calor mata quaisquer bactérias ou parasitas.

Se decidir não comer anchovas, o ómega 3 pode ser obtido comendo nozes, leite, bolachas ou cereais enriquecidos com estes ácidos gordos, sementes de abóbora e ovos.


Glosario

Paralisia

Definição:

Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos sectores afectados. Pode produzir-se por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.

Sintomas:

Incapacidade para realizar movimentos nos sectores afectados.

Tratamento:

Alguns tipos de paralisia são passageiros, outros não têm cura.

West, Zita (2007), El cuidado del bebé antes del nacimiento. Ed. Pearson Alhambra.

Fecha de actualización: 03-03-2021

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×