Recuperação depois da curetagem do útero

Recuperação depois da curetagem do útero
Partillhar

Depois de um aborto espontâneo ou quando a mãe não explusa toda a placenta depois do parto, frequentemente se faz a curetagem do útero, que é uma técnica usada para limpar e evitar risco de infecções.

Curetagem do útero é uma técnica cirúrgica que envolve fazer uma raspagem da matriz para remover o endométrio ( camada mais interior do útero ) . Para realizar é necessário dilatar o canal vaginal com um espéculo que mantenha aberto o canal uterino e assim poder introduzir a legra sem dificuldades – instrumento indicado para este tipo de procedimento. Embora seja considerada uma cirurgia pequena e de caráter ambulatorial, geralmente é aplicada anestesia local ou geral, dependendo da intervenção.

Existem dois tipos de curetagens:

- Curetagem ginecológica: é utilizado como método de estudo para diagnosticar possíveis doenças. Uma vez removido o tecido, é feita a análise. Geralmente é feito em mulheres que tem menstruação  adundante e dolorosas ou que tenham tido hemorragias durante a menopausa, quando há sagramento entre as menstruações ou durante as relações sexuais. Também se faz sempre que houver suspeita de doenças ou infecções no útero, para eliminar miomas e pólipos ou para remover dispositivos intrauterinos (DIU) que com o passar do tempo foram incorporados na parede uterina.

- Curetagem obstétrica: é realizada para tirar tecidos residuais da matriz em caso de aborto espontâneo ou voluntário, e depois de partos nos quais a placenta não foi explusa completamente. Em caso de abortos espontâneos,  há casos nos quais o embrião fica retido dentro do útero e é preciso fazer uma raspagem da matriz para limpar a área e evitar infecções internas. Esta técnica somente pode ser realizada em gravidez interrompida  durante os primeiros três meses de gestação, depois deste período, é necesário técnias mais agressivas.

Plano de recuperação depois de uma cesárea

Plano de recuperação depois de uma cesárea

Uma cesariana requer cuidados subsequentes que não exijam um parto vaginal. A recuperação da cesárea é mais lenta e exigirá mais dias de internação hospitalar, geralmente de 3 a 5 dias, em comparação com 2 ou 3 dias de parto normal. Não se esqueça que é uma intervenção cirúrgica e como tal precisará de atenção especial, que explicamos abaixo

Recuperação depois da curetagem uterina

Normalmente, a recuperação depois de uma curetagem é rápida e em poucos dias a mulher não sente mais dores. Nas primeiras 24 horas recomenda-se manter repouso, durante o segundo dia já pode andar um pouco e, depois de uma semana, vida normal, porém sem submeter o corpo  a grandes esforços.

Normalmente a saída do hospital é no mesmo dia, mas em algumas ocasiões, sobre tudo se foi aplicada anesteisa geral, pode ser necessário passar uma noite em observação. Também dependendo da complexidade, os médicos podem recomendar o jejum durante as primeiras seis horas.

Pode ocorrer hemorragias leves durante as duas primeiras semanas depois do procedimento e é recomendado não ter relações sexuais e evitar o uso de absorventes internos, por pelo menos quinze dias. O ciclo menstrual pode voltar à normalidade entre dois e seis semanas depois da curetagem.

Se a mulher sofrer sangramentos abundantes, febre, enjôos, fluxo vaginal com mau cheiro, cólicas ou  dores, deve avisar seu médico imediatamente. A curetagem,  como qualquer intervenção cirúrgica, não está livre de riscos e pode levar a perfuração do útero, formação de tecido de cicatriz ou remoção incompleta de tecidos que podem resultar em infecção ou hemorragia.

Em mulheres que sofreram abortos espontâneos, além da recuperação física, devem-se levar em conta as eventuais consequências psicológicas.


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×