×
Publicidad

Partos demasiado instrumentalizados

Partos demasiado instrumentalizados

O número de cesarianas e de episiotomias tem aumentado significativamente todos os anos. Por isso, e de acordo com especialistas, devem ser introduzidas novas técnicas no parto, como recuperar a figura das parteiras ou limitar a instrumentalização do mesmo.

Publicidade

Os avanços tecnológicos e científicos influenciaram de uma forma decisiva os nascimentos. Os protocolos médicos, o peso crescente dos ginecologistas frente às parteiras, o aumento do número de cesarianas, a generalização das episiotomias estão a conduzir para uma “industrialização dos nascimentos”.


Para Michel Odent, ginecologista francês e pioneiro na promoção do parto fisiológico, “É necessário compreender e respeitar a mãe para reduzir o uso de medicamentos e intervenções”. Actualmente, é cada vez menor o número de mulheres que devido às suas hormonas podem dar à luz por si mesmas. Uma das principais razões é que se tende a banalizar as intervenções por cesariana. Para além disso, a maioria das mulheres que realizam um parto vaginal necessitam de fármacos de hormonas, como as oxitocinas sintéticas ou a anestesia epidural.

Benefícios do parto fisiológico

Odent afirma que quando uma mulher dá á luz sem uma intervenção externa existem grandes diferenças na segurança do bebé “do ponto de vista bacteriológico”. Também assinala a importância e a estreita relação que existe entre a fisiologia do parto e a fisiologia da amamentação. Explica que “se a mãe deu à luz por si mesma tem muitas mais possibilidades de poder dar peito durante mais tempo ao seu bebé”.

No te puedes perder ...

Será que a origem étnica de uma mulher afecta a gravidez?

Será que a origem étnica de uma mulher afecta a gravidez?

Em comparação com outros países, em Portugal existem poucos casais inter-raciais (apesar da população imigrante ter aumentado consideravelmente nos últimos anos). Já nos Estados Unidos – onde as estas uniões são muito habituais – são comuns os estudos sobre se o facto de o pai e da mãe serem de diferentes origens étnicas pode influenciar na gravidez ou se umas raças são mais propensas que outras a contraírem determinadas doenças gestacionais.

Y tambien:

Aumento das cesarianas

A Organização Mundial de Saúde alerta para o aumento das cesarianas nos últimos anos. Hoje em dia, é nos hospitais privados que se realizam mais cesarianas.

Para Juan José Vidal, ginecologista e médico obstetra espanhol, este aumento deve-se a vários factores:

- Pela monitorização contínua que obriga a interromper a evolução do parto quando o bem-estar fetal está em perigo.

- Pelo aumento das gravidezes múltiplas devido à fertilização in vitro.

- Pelas petições das mulheres que querem cesarianas para evitarem os riscos do parto vaginal.

- Pelo aumento dos pedidos médico-legais, quando um bebé que nasceu de um parto vaginal tem algum problema posterior.

O mesmo acontece com cerca de 20% das episiotomias. Vários especialistas afirmam que se trata de um abuso das cesarianas, em muito casos programadas e desnecessárias, que em numerosas ocasiões estão relacionadas com os hospitais privados. No entanto, o problema das cesarianas está nos riscos que estas comportam. Um parto por cesariana é mais agressivo, tanto para o bebé como para a mãe, do que um parto vaginal.

Nos partos vaginais a primeira coisa que se procura depois de o bebé nascer é colocá-lo em contacto com a mãe. Esta, passados 30 minutos do nascimento, dá de mamar ao bebé pela primeira vez coisa que não acontece depois de uma cesariana.

 A importância das parteiras

A figura das parteiras é essencial para acabar com esta instrumentalização. Michel Odent afirma “ que é imprescindível compreender melhor que papel tem uma parteira num parto fisiológico, já que uma das suas actividades é representar o papel da figura materna durante este processo”.

De facto, Odent constatou que “nos países onde existem muitas parteiras e relativamente poucos ginecologistas, como é o caso dos países do norte da Europa, a figura do ginecologista é bem mais a de um especialista ao qual a parteira recorre em situações especiais ou patológicas. O que acontece hoje é que é o médico quem se ocupa do parto e a parteira apenas ajuda”.

Também as doulas, mulheres que foram mães e que ajudam outras mulheres durante o parto, podem fazer com que dar à luz seja um processo mais natural. Ao darem às grávidas toda a informação necessária e ao compartilharem com elas as suas experiências, podem conseguir que as grávidas enfrentem o parto da melhor maneira possível.


Fecha de actualización: 18-03-2008

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.