Partos múltiplos

Partos múltiplos
Partillhar

Embora estar grávida de dois ou mais bebés seja uma experiência maravilhosa e uma grande satisfação para os pais, há que ter em conta que quantos mais são os fetos maiores são os riscos, tanto para a mãe como para os bebés.

O medo e as dúvidas quando o ginecologista explica que vai ter mais de um bebé multiplicam-se por dois, por três, etc. O medo das complicações do parto aumenta consideravelmente. Apesar disto, os partos múltiplos acabam por ser mais vigiados na tentativa de evitar-se algumas possíveis dificuldades.

O que é que é uma gravidez múltipla?

Uma gravidez é considerada múltipla quando dois ou mais bebés estão em simultâneo no útero materno. Entre as gravidezes múltiplas encontramos várias classes distintas:

- Gémeos idênticos: são aqueles bebés que crescem do mesmo zigoto, de um óvulo fecundado por um espermatozóide, que se dividiu em duas metades idênticas, dando lugar a dois pequenos do mesmo sexo, do mesmo grupo sanguíneo e com rasgos físicos similares.

No te puedes perder ...

Futuros pais

Futuros pais

Vai ser papá e invadem-lhe todo o tipo de sentimentos estranhos e contraditórios, dúvidas e inclusive medos. Não se preocupe, não é o único. Estes são os medos mais frequentes dos futuros papás.

- Gémeos dizigóticos: é um caso mais frequente que o anterior. Dois espermatozóides fecundam dois óvulos, dando lugar a dois bebés que podem ter parecenças, como qualquer irmão, e serem de sexos distintos.

- Trigémeos, quadragémeos, etc.: embora seja um tipo de gravidez pouco frequente, com as técnicas de reprodução assistida aumentou consideravelmente o número de casos. Os bebés podem ser idênticos, parecidos, etc.

A que se deve este aumento?

O desejo de ter filhos converteu-se num método cada vez mais frequente: as técnicas de reprodução assistida, tanto a fecundação in vitro como a inseminação artificial. Estas técnicas não são 100% eficazes, pelo que se devem introduzir mais embriões, aumentando assim as possibilidades de ter uma gravidez múltipla. Uma forma de reduzir este tipo de gravidezes, será introduzir um menor número de embriões por ciclo.

Actualmente, um grupo de cientistas de uma Universidade da Austrália encontra-se a investigar a possibilidade de estabelecer qual dos embriões é o que mais probabilidade de êxito tem para conseguir uma gravidez. Estudando o ADN e as características morfológicas do embrião pode-se conhecer qual é o mais adequado, implementando-o na mulher e reduzindo o número de gravidezes múltiplas.

O considerável aumento dos partos múltiplos é devido, principalmente, ao atraso da idade para se ser mãe e ao uso, cada vez mais frequente, de técnicas de reprodução assistida.

Para além disso, as gravidezes de gémeos ou trigémeos podem acontecer também por herança. Uma mulher com estes antecedentes familiares tem mais probabilidades de ter uma gravidez múltipla.

Riscos mais frequentes

Os sentimentos, emoções e pensamentos que permanecem na cabeça depois de o médico confirmar que vão ser pais de gémeos, trigémeos, ou até mais, podem ser bastante contraditórios. Por um lado aparece a felicidade e a satisfação de ter vários filhos para cuidar ao mesmo tempo, mas por outro o medo do parto e os possíveis riscos que podem surgir nas gravidezes múltiplas.

Os partos múltiplos, juntamente com o aumento da idade da futura mãe, aumentam o risco tanto para esta como para os seus bebés. Para além disso, aumentam também as possibilidades de se ter de realizar uma cesariana para ajudar na superação de algumas das dificuldades destes partos.

A gestação de um só bebé pode durar umas 40 semanas. Uma gravidez múltipla apenas costuma chegar às 37 semanas, quando se trata de dois bebés, devido ao pouco espaço que têm dentro do útero. As gravidezes gémeas têm a possibilidade de um parto vaginal dependendo das características e da posição dos bebés, no entanto, quando se trata de trigémeos o mais comum é realizar-se uma cesariana.

O que mais preocupa estas futuras mães é o risco dos bebés nascerem prematuros. Os bebés prematuros podem desenvolver numerosos problemas de saúde, como icterícia, infecções graves, desenvolvimento pulmonar insuficiente e outras dificuldades gastrointestinais, visuais e neurológicas. Também foi demonstrado que os atrasos no desenvolvimento e as paralisias cerebrais são mais comuns nas crianças que provêm de gravidezes múltiplas. Embora o risco seja mínimo, também os casos de morte fetal são mais comuns neste tipo de gravidez.

Apesar dos avanços técnicos e científicos para uma melhor eficácia e ajuda neste tipo de partos, existe a possibilidade de encontrar-se com maiores riscos para os bebés durante o nascimento.

Se está à espera de três ou mais filhos o aconselhável é que realize uma cesariana. No entanto, deve sempre consultar o seu médico sobre as várias opções e para saber qual é a que melhor se adequa à sua situação.

Manter-se saudável durante uma gravidez múltipla

- Visite regularmente o seu médico: se vai ter mais do que um bebé é natural que tenha de recorrer com maior frequência ao ginecologista, já que durante este tipo de gravidez é fundamental que realize um controlo rigoroso e cuidados pré-natais periódicos.

- Cuide da sua alimentação: as mulheres que estão à espera de mais do que um bebé têm as mesmas normas nutricionais que as que esperam uma só criança. Um dos nutrientes importantes e cuja dose deve aumentar durante este período são as proteínas, devido às funções essenciais que desenvolvem. O ferro, para manter os níveis de hemoglobina adequados e evitar a anemia. Também o zinco, o cobre, as vitaminas C e D devem ser incrementadas na dieta de uma mulher com uma gravidez múltipla.

Descanse o suficiente: o descanso, assim como a posição em que repousa, contribuem consideravelmente para uma boa gravidez. Descansando o suficiente pode ultrapassar melhor os desconfortos típicos de uma gestação que se fazem sentir com mais intensidade numa gravidez múltipla.

 


Fecha de actualización: 11-07-2008

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>