• Buscar
Publicidad

Quanto demora a conseguir engravidar depois de uma curetagem?

Quanto demora a conseguir engravidar depois de uma curetagem?

Depois de um aborto natural, muitas vezes é necessário fazer uma curetagem para limpar o útero. Depois desta dura experiência, não são poucas as mulheres que ficam com dúvidas: Poderei ficar grávida de novo? Quando posso tentar outra vez? Vou sofrer outro aborto?

Publicidade

Índice

 

O que é uma curetagem e porque é que são realizadas?

A curetagem consiste em usar uma legra ou cureta para eliminar o tecido do útero por meio de uma raspagem. A dilatação e curetagem (D e C) é um procedimento cirúrgico completamente menor que pode ser feito em um hospital ou em uma clínica, usando anestesia local ou geral.

O canal vaginal é mantido aberto com um espéculo e o orifício do útero ou o canal do útero pode ser anestesiado. Logo, o canal cervical se alarga mediante uma vareta metálica e passa a cureta (uma pega de metal com um anel na extremidade com cabo fino e comprido) pelo canal dentro da cavidade uterina. É raspada a camada interna do útero (endométrio) e se retira o tecido para análise.

Este procedimento é realizado para diagnosticar diversas doenças através das amostras de tecidos recolhidas (biópsias), tratar um sangramento profundo ou irregular, retirar o tecido fetal ou placentário  em caso de abortos terapêuticos ou para retirar qualquer tecido remanecente depois de um aborto espontâneo.

A remoção por essa via é recomendada só se a gestante estiver nas primeiras semanas, caso contrário partes do feto podem ficar no interior da mulher, ocasionando infecções ou complicações graves. Por outro lado, se a gravidez for recente, talvez nem seja necessário fazer a curetagem, com remédios é possível expulsar os restos.

Não há grandes riscos, embora possam ocorrer alguns problemas por causa da anestesia (reações ou problemas respiratórios como resultado de seu uso) ou da  cirurgia em si (infecção). Embora seja raro, pode implicar também algumas complicações adicionais, tais como a possível punção do útero, laceração cervical ou cicatrização da mucosa uterina.

As atividades normais podem se retomadas logo quanto a paciente se sinta bem, possivelmente no mesmo dia. Pode ocorrer sangramento vaginal, assim como cólicas na pélvis e dor nas costas durante alguns dias depois do procedimento.

Normalmente a dor é tratada com analgésicos comuns. Não é recomendado o uso de absorventes e também se deve evitar manter relações sexuais durante o mesmo período.

 

Gravidez após uma curetagem?

Depois de um aborto natural, a grande preocupação é saber quando poderá voltar a tentra uma gravidez, se vai ter problemas em engravidar ou se tem probabilidade de voltar a sofrer um aborto.

A resposta a estas perguntas variam um pouco em função da saúde da mulher, e das causas que provocam o aborto, a sua recuperação depois da curetagem, etc. No entanto, as recomendações gerais são:

- Esperar 90 dias para voltar a tentar engravidar, sempre e quando a menstruação  tenha voltado a sua normalidade e se completem ciclos inteiros. Manter relações sexuais antes sem preservativo pode provocar uma infecção, se a cicatrização não for completa.

No entanto, do ponto de vista emocional, a mulher pode precisar de mais tempo até que esteja preparada para engravidar de novo. Muitas mulheres que sofreram abortos espontâneos têm medo de voltar a perder um bebé. Felizmente, a grande maioria das mulheres conseguem engravidar novamente.

- Fazer as coisas com calma e tranquilidade. Estar relaxada é fundamental para conseguir engravidar.

Em princípio, as chances de voltar a engravidar é a mesma de qualquer mulher da sua idade, a não ser que a causa do aborto seja uma doença da mãe (diabetes mal controlada, lupus eritematoso sistémico ou doença da tireoide) que não tenha sido controlada.

- Uma vez que você conseguir engravidar, não tem que ter medo e pensar que vai abortar de novo. As causas mais comuns de abortos naturais é a anomalia cromossômica no feto. Segundo especialistas, até 70% dos abortos espontâneos que acontecem durante o primeiro trimestre acontece por isso. As anomalias cromossômica aumentam com a idade: mulheres maiores de 35 anos correm um risco maior de aborto espontâneo.

- Os hábitos da mãe também podem aumentar o risco de sofrer um aborto espontâneo no primeiro trimestre. As mulheres que bebem álcool, fumam ou consomem drogas correm risco maior.  Além disso, o uso indiscriminado de analgésicos, antiinflamatórios (por exemplo, ibuprofeno) e aspirinas pode aumentar o risco de aborto espontâneo. É necessário ter em conta tudo isso e cuidar-se muito para evitar um aborto novo.

 

O que fazer antes de tentar engravidar novamente?

- Tomar ácido fólico ou um suplemento vitamínico específico preconcebido recomendado pelo seu médico para prevenir os chamados defeitos do tubo neural (DTN) no bebé.

- Tentar levar um estilo de vida saudável, que inclua exercício moderado, alimentação equilibrada, etc.

- Chegue a um peso saudável antes de ficar grávida.

- Evitar o tabaco, álcool ou outras substâncias tóxicas.

- Se demorar algum tempo a engravidar, não desista, não tem nada a ver com a sua curetagem anterior. Mantenha o seu espírito para enfrentar a nova busca, e lembre-se que normalmente é difícil conseguir as coisas que realmente valem a pena.


Glosario

Infecção

Definição:

Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.), num organismo superior. Como consequência da mesma, podem produzir-se alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos.

Sintomas:

Febre e um sem número de sintomas que dependem do tipo de germe e da reacção imunológica perante o mesmo.

Tratamento:

Terá que se tratar a infecção com antibióticos ou fármacos dependendo da sua causa.

Goetzl, Laura (2006), Concepción y embarazo a partir de los 35, Pearson Educación.

Fecha de actualización: 27-01-2021

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×