Gravidez e trabalho: Como conciliar as duas coisas?

Gravidez e trabalho: Como conciliar as duas coisas?
Partillhar

A ideia de continuar a trabalhar durante o período de gestação preocupa muitas mulheres: Posso continuar a trabalhar como até agora? Será que isso prejudica o feto? Quando é que devo deixar de trabalhar? Se a sua gravidez se está a desenvolver sem complicações e se o seu lugar de trabalho é saudável, o seu estado não tem que ser um impedimento para o seu desempenho na sua actividade laboral até ao dia do parto. Tomar as precauções necessárias, não fazer demasiados esforços, caminhar de vez em quando, levar uma alimentação saudável e evitar espaços contaminados, pode assegurar que o trabalho e a sua barriga não sejam incompatíveis.

 

A gestação é um período repleto de alterações. A transformação física é a mais evidente, no entanto, as mulheres não só sofrem alterações ao nível físico como também ao nível emocional e psicológico.  Durante o primeiro trimestre a actividade metabólica aumenta e começam a produzir-se grandes alterações hormonais que se traduzem numa maior sensibilidade ou numa falta de energia que, inevitavelmente, podem afectar os que a rodeiam no trabalho.

O momento em que deve deixar de trabalhar depende de si e das recomendações do seu ginecologista. Algumas mulheres, independentemente do estado físico estar em pleno rendimento, preferem ter algum tempo para elas próprias antes do período que se avizinha.


Também o tipo de trabalho que realiza vai influenciar em grande parte a sua decisão. Se se trata de uma actividade que requer movimentos constantes é possível que seja necessário baixar o ritmo, especialmente depois do sexto mês de gravidez, quando o cansaço se tornar cada vez mais visível. Para além disso, a tensão e o desconforto nas costas, nas articulações e nos músculos também se tornam mais intensos à medida que os dias vão passando. Se acha que não pode continuar a trabalhar, consulte o seu médico e pergunte-lhe o que é mais conveniente.

No te puedes perder ...

Cataratas nas crianças

Cataratas nas crianças

Todos sabemos que as cataratas são uma doença localizada na idade adulta, especialmente em idades avançadas, mas … será que um recém-nascido pode sofrer deste problema? A resposta é que sim. As cataratas podem aparecer no nascimento, o que se designa como catarata congénita. Um em cada 250 recém-nascidos pode ter alguma forma de cataratas e estas são as responsáveis por cerca de 10% de todas as perdas visuais nas crianças de todo o mundo.

No entanto, não é feliz sem as suas reuniões e sente-se vazia sem receber os 40 emails, então força! Pode seguir alguns conselhos para tirar o maior proveito da sua energia até ao último dia antes do parto:

- Se o seu trabalho permitir, tente trabalhar alguns dias em casa.

- Se for possível, evite as horas de ponta para entrar e sair do trabalho. Pergunte se lhe deixam sair um pouco mais cedo do que é habitual.

- Sente-se comodamente em frente ao computador. Coloque os pés altos e preocupe-se em trabalhar numa cadeira confortável e regulável.

- Se o seu trabalho a obriga a permanecer muito tempo sentada, é bom que utilize meias elásticas especiais para a circulação e que caminhe de vez em quando. Dê pequenos passeios e realize alongamentos, especialmente se trabalha dobrada sobre uma mesa ou ao computador.

- Para fazer frente às novas necessidades energéticas trate de fazer várias refeições por dia. Leve fruta e queijos para o trabalho. Tenha sempre na gaveta frutos secos e saquetas de bolachas, estas serão muito úteis para petiscar quando tiver fome e contribuirão para afastar as náuseas. Pelo contrário, não dependa da cafeína e evite comer doces, embora seja uma forma muito rápida de ingerir açúcar.

- Leve uma alimentação saudável que a ajude a repor as forças e beba muita água durante toda a jornada laboral. É preferível que vá à casa de banho com frequência do que ficar desidratada.

- Durante o segundo trimestre sentir-se-á mais forte e com mais energia: as náuseas desaparecem e a barriga ainda não pesa muito, aproveite este período antes que a fadiga volte a aparecer.

- Para além de comer, utilize a hora da refeição para caminhar um pouco.

- Se o seu trabalho é muito stressante porque é que depois de sair não vai fazer umas aulas de yoga ou de meditação? Nada melhor do que praticar técnicas de relaxamento para combater o stress. Também pode praticar algum desporto de baixo impacto, como a natação.

- Organize-se! Consulte a sua agenda todas as manhãs para seguir as prioridades ao longo do dia.

- Reduza o seu nível de exigência nas tarefas que tem de realizar.

- Não tenha medo de dizer “não posso fazer isso” quando necessitar.

Quando a gravidez é incompatível com o trabalho?

Estar grávida, sempre que não se apresentem complicações, não significa estar doente. Desta forma, pode continuar a trabalhar se o seu corpo permitir. De acordo com vários estudos, continuar com a rotina laboral durante a gravidez é benéfico para a futura mãe. Do ponto de vista físico contribui para mantê-la em forma, do ponto de vista psicológico ajuda-a a enfrentar melhor a gravidez, pois não fica exclusivamente centrada na mesma.

No entanto, poder trabalhar sem riscos até ao dia do parto depende do tipo de actividade que desenvolve. Existem trabalhos que não só não reúnem as condições necessárias para a sua gravidez, como também são prejudiciais para o seu bebé. Algumas actividades trazem perigo para as mulheres ao nível físico, pois exigem levantar cargas, estar muitas horas de pé, etc. Outras actividades expõem as mulheres a produtos químicos ou radioactivos (mercúrio, pesticidas, nicotina, alguns produtos de limpeza, quimioterapia, etc.) nocivos para o feto e para a saúde da mãe. Nestes casos é conveniente que avise o seu médico logo na primeira consulta pré-natal. Será ele que lhe diz até que ponto o seu trabalho pode ser prejudicial para si e para o seu bebé. Desta forma, pode tentar que a mudem de posto de trabalho. Se não for possível, deve solicitar baixa laboral.


Como é que digo ao meu chefe?

O momento e a forma ideal para comunicar ao seu chefe que está grávida dependerá da relação que tem com ele e do seu cargo dentro da empresa, no entanto, qualquer que seja o caso é preferível que seja você a dizer-lhe antes que lhe chegue aos ouvidos. Um bom momento pode ser aos três meses: o risco de aborto já passou e ainda têm muito tempo pela frente para se organizarem antes da baixa maternal.

Dependendo da política e do tamanho da empresa, a comunicação ao seu superior deverá fazer-se mediante uma carta escrita ou simplesmente por palavra. Procure a ocasião certa para reunir-se com ele, procure que não coincida com uma época de stress laboral, e apresente-lhe um plano, por escrito, no qual o informe da data prevista para a baixa maternal, do tempo que estará ausente, dos possíveis substitutos para o seu lugar, de uma previsão do trabalho durante os meses que vai estar ausente, etc.
 

Para isso, antes de dar-lhe a notícia deverá informar-se de todos os seus direitos e obrigações, das condições do seu contrato, da baixa maternal, etc.

Se tem colegas que já tiveram bebés recentemente, pode fazer-lhes perguntas para “ir apalpando terreno” e conhecer as suas experiências. Se a sua empresa dispõe de um departamento de Recursos Humanos, é o sítio indicado para recolher toda a informação acerca do seu contrato, da baixa laboral e da redução do trabalho.



 



Fecha de actualización: 24-01-2007

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>