Desconfortos na gravidez: saiba quando é que deve ir ao médico!

Desconfortos na gravidez: saiba quando é que deve ir ao médico!
Partillhar

Como é que sabemos quando devemos ser nós próprios a tratar de alguma coisa ou quando devemos recorrer aos serviços médicos? Pode ser difícil diferenciar um falso alarme de uma verdadeira urgência.

Muitas mulheres pensam duas vezes antes de chamarem um médico. No entanto, um desconforto ou uma dor, por mais pequena que seja, causam sempre uma grande preocupação numa grávida (especialmente se for a primeira gravidez). O desconhecimento na matéria pode revelar-se numa angústia excessiva por se querer saber se o feto está bem.

A verdade é que alguns casos, que não tragam riscos para o bebé, podem tratar-se em casa. Outros casos exigem recorrer a um médico urgentemente. Muitos podem solucionar-se com uma simples chamada telefónica e, dessa forma, não será necessário deslocar-se ao hospital. No entanto, se mesmo assim não ficar descansada não hesite em visitar o médico.

No te puedes perder ...

Doenças primaveris: alergias, conjuntivites, varicela, asma

Doenças primaveris: alergias, conjuntivites, varicela, asma

O aumento do pólen que circula no ar, o pó e outros resíduos ambientais fazem com que aumente a asma, a varicela e outras doenças muito comuns entre as crianças. Como prevenir é melhor que curar, siga os conselhos que lhe vamos dar para que não passe toda a Primavera dependente da saúde do seu filho.

Se apresentar alguma das seguintes dolências, consulte imediatamente um médico:

Sangramento, febre, dor e cãibras

Embora muitas mulheres sofram de ligeiras perdas de sangue durante a gravidez, que são absolutamente normais, quando estas se tornam persistentes, abundantes e acompanhadas de febre e dor podem ser sintomas de um aborto espontâneo. O segundo mês de gestação é o momento em que existe mais riscos de se sofrer um aborto. As causas, na maior parte dos casos, são desconhecidas. Pouco se pode fazer se isto acontecer, mas tente sempre levar uma vida saudável, evitando substâncias tóxicas e exercício físico excessivo. Os médicos podem aconselhar repouso absoluto e determinar se a gravidez pode seguir em frente ou não.

Dores de cabeça, enjoos e desmaios

Se apresenta quebras de tensão frequentes e a visão destorcida deve dirigir-se ao médico. Enquanto espera pela consulta procure um lugar onde sentar-se e descanse. Beba um pouco de água (por vezes estas reacções são consequências de uma desidratação) e recoste-se para o seu lado esquerdo.

Vómitos acompanhados de febre e dor

Se continua com náuseas depois do primeiro trimestre, se vomita mais de uma vez por dia e, para além disso, sente febre e dores, deve recorrer ao médico. Embora as náuseas e os vómitos sejam comuns durante a gravidez, a incapacidade de ingerir alimentos pode ser um risco para o bebé.

Dores pélvicas severas

A maioria das mães sofrem de uma grande pressão abdominal e pélvica durante a gestação, no entanto, se este desconforto tornar-se doloroso e persistente pode significar algo mais. Beba água e descanse. Não deixe de ir ao médico se isto não aliviar as dores.

Dores e ardor ao urinar

Fazer chichi frequentemente é muito comum durante a gestação e, dessa forma, não tem com que preocupar-se. No entanto, se ao fazê-lo sente um ardor e dores então pode significar que tem uma infecção urinária. Estas infecções também são habituais nas grávidas, contudo, assim que tiver um primeiro sintoma deve informar o seu médico para que possa tomar as medidas oportunas e evitar, deste modo, possíveis complicações que possam implicar partos prematuros ou bebés com baixo peso ao nascer. Para prevenir uma infecção urinária: beba muita água, urine antes e depois de ter relações sexuais, utilize roupa interior de algodão e evite calças demasiado ajustadas.

Inchaço das pernas, mãos e cara

Se lhe incham as extremidades ou a cara inesperadamente, pode tratar-se de algo mais grave do que uma comum retenção de líquidos. Este sintoma, que para além disso pode incluir dores de cabeça, visão distorcida, vómitos e dor na parte superior do abdómen, pode advertir para uma pré-eclâmpsia ou uma hipertensão gestacional (uma complicação séria que requer uma ida imediata ao hospital). Uma pré-eclâmpsia severa pode colocar em risco a vida da mãe e do bebé. Se não for muito grave, é recomendado repouso com um restrito controlo médico.

Perda de líquidos vaginais

Se está na recta final da gestação a perda de líquidos pode supor que arrebentaram as águas. Se as contracções não se iniciam rapidamente, o bebé correrá o risco de infecções e, para além disso, pode acontecer um prolapso do cordão umbilical. A ruptura da bolsa amniótica não tem porque ser dolorosa. Se isto acontecer deve dirigir-se imediatamente para o hospital para que o parto ocorra nas horas posteriores. Sempre que o líquido for transparente não existe uma emergência imediata. No entanto, se o líquido começa a ser verde significa que o feto não está a receber oxigénio.

Detenção dos movimentos do bebé

Se no final da sua gravidez deixa de sentir os movimentos do feto durante um dia inteiro, deve de ir imediatamente para o hospital. Nestes casos experimente beber um sumo de frutas, pois o açúcar que chega ao bebé pode fazer com que ele se mexa. É importante que o feto se movimente, que sinta todos os dias os seus movimentos. Esta actividade indica-nos o bem-estar fetal e se o feto deixar de fazê-lo pode representar que algo não está bem.

Contracções

Quando chega o momento do parto é frequente que se produzam contracções. Se estas vão sendo cada vez mais regulares, mais intensas e desconfortáveis quer dizer que está na hora de ir para o hospital para determinar se realmente será o momento do parto. Também pode dar-se a possibilidade de que ocorra um ligeiro sangramento. Esta situação também é um motivo para ir ao médico.

 



Fecha de actualización: 08-02-2010

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>