O meu filho não dorme bem à noite– Parte II

O meu filho não dorme bem à noite– Parte II
Partillhar

Está farta de passar noites e noites acordada? Já não se lembra da última vez que dormiu oito horas seguidas? A insónia é uma doença que pode chegar a desequilibrar completamente a vida de uma pessoa. Mas quando quem sofre da insónia não é você, mas sim o seu filho pequeno, pode ainda ser pior. Damos-lhe alguns conselhos e pautas a seguir para solucionar este problema.

Método Estivill

O Método do Doutor Eduard Estivill, responsável pela Unidade de Alterações do Sono do Instituto Dexeus de Barcelona, é um dos mais seguidos actualmente e, segundo os que o experimentaram, funciona em 95% dos casos. Para ele, o principal é ensinar o hábito do sono, que dormir se converta em algo rotineiro e mecânico e que não suponha um trauma. No seu livro Dorme, menino, escrito em parceria com a jornalista Sylvia de Béjar, explica de uma forma simples como solucionar o problema da insónia infantil.

Para criar uma rotina de sono, é necessário seguir as seguintes pautas:

Crianças menores de 3 meses:

-Distinção entre a luz típica do dia e a escuridão própria da noite. A criança, a partir dos primeiros meses, deve associar que de dia há luz (evitar que a criança durma durante o dia em completa escuridão) e que quando é noite está completamente escuro (não utilizar durante a noite pequenas luzes ou luzes indirectas de outras divisões da casa).
-Diferenciar o ruído habitual no dia e o silêncio da noite. Durante o dia a criança deve aprender a dormir com os ruídos habituais que existem numa casa, vozes que conversam, música, ruídos típicos da cozinha, etc. No entanto, durante a noite deve-se tentar que os ruídos sejam menos intensos, baixando o volume da televisão, não elevando a voz... Sempre sem exagerar, não é necessário um silêncio sepulcral para que um bebé durma.
-Estabelecer a rotina diária: um horário ordenado e repetitivo. É muito aconselhável deixar o banho da criança para antes da sua última refeição.
-A criança deve dormir no berço no mesmo quarto que os seus pais mas nunca na cama deles. Recomenda-se passar a criança para o seu quarto a partir dos 3 meses.

No te puedes perder ...

Alimentação: o meu filho não quer comer!

Alimentação: o meu filho não quer comer!

O seu filho zanga-se sempre que se senta à frente do prato? Com frequência, para muitas famílias, a hora da refeição converte-se num autêntico pesadelo e numa guerra contínua entre pais e filhos. O que devemos fazer quando o nosso filho não quer comer? Antes de mais é fundamental não perder a calma.

Dos 3 aos 6 meses:

-Fixar uma hora para ir dormir diariamente. Aconselha-se no inverno pôr a criança a dormir entre as oito e as oito e meia ou uma hora depois no horário de verão.
-Estabelecer uma série de rotinas prévias ao momento de dormir que devem ser repetidas diariamente. Por exemplo, ler um conto antes de ir para cama, dizer-lhe as mesmas palavras. Sempre sem brincadeiras nem acções que possam excitar a criança nos momentos prévios ao sono nocturno. Podem usar-se bonecos de peluche, chupetas… que acompanhem a criança enquanto durma.
-Diferenciar o seu quarto de outras divisões da casa. O seu quarto é o lugar escolhido para dormir, por isso a criança não deve comer nele. Devemos separar a comida do sono.
-Se a criança chora no momento de dormir, pode dever-se a diferentes causas que devemos solucionar antes de voltar a deitá-lo. Pode ser que precise de mudar a fralda, que tenha frio ou calor, que a última refeição do dia tenha sido insuficiente e que tenha fome, que não esteja bem de saúde, etc.
-No caso de que tudo esteja bem e que a criança chore no momento de dormir, tanto pais como educadores não devem atender ao primeiro choro, talvez se a criança tenha um pouco mais de tempo não continue a chorar.

O que não devemos fazer para o adormecer de acordo com Estivill

-Cantar
-Embalá-lo no berço ou nos braços
-Passeá-lo no seu carro
-Dar-lhe palmadinhas ou acariciá-lo
-Dar-lhe o biberão ou água
-Pô-lo na nossa cama

 



Fecha de actualización: 28-07-2008

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>