Vacinação gratuita para as crianças com Doença invasiva pneumocócita

Vacinação gratuita para as crianças com Doença invasiva pneumocócita
Partillhar

 A Direcção Geral de Saúde anunciou no passado dia 9 de Junho que as crianças e jovens até aos 17 anos que pertençam aos grupos de risco de doença invasiva pneumocócita (DIP) podem ser vacinados gratuitamente nos hospitais mediante a apresentação de uma declaração médica.

Entre as patologias que as DIP englobam estão a meningite, a pneumonia, a sépsis e a otite média aguda (causadas pela bactéria “streptococcus pneumoniae”).

De acordo com Ana Leça, Direcção de Serviços de Prevenção e Controlo da Doença da DGS, “esta medida tem como objectivo diminuir a incidência, a morbilidade, a mortalidade da doença invasiva pneumocócica e minimizar os custos sociais desta doença”.

Para este efeito foram adoptados dois tipos de vacinas:

  1. Pneumocócica polissacárida conjugada de 13 valências (PN13).
  2. Pneumocócica polissacárida conjugada de 23 valências (Pn23).

 

São vários os grupos de risco abrangidos por esta medida:

- Crianças afectadas por VIH (Vírus de Imunodeficiência Humana).

- Crianças que sofrem de drepanocitose e outras hemoglobinopatias.

- Crianças com síndrome de Down, asplenia anatómica ou com deficiências auditivas.

- Recém-nascidos prematuros.

- Jovens com doenças pulmonares crónicas (não incluindo asma, excepto se sob terapêutica mantida com altas doses de corticosteróides).

Os animais de estimação e as crianças!

Os animais de estimação e as crianças!

 

Ter um animal de estimação em casa pode ser bom tanto para as crianças como para as famílias em diferentes aspectos, mas também pode originar certos riscos, como as alergias ou as infecções. Tome nota das regras para desfrutar ao máximo da convivência com um animal de estimação.

 

 

- Jovens com doenças cardíacas crónicas, doenças hepáticas crónicas, diabetes mellitus, insuficiência renal crónica e síndrome nefrótico.

- Crianças com fístula espontânea de líquor (malformação congénita, fractura de crânio ou que tenham sido submetidos a um procedimento neurocirúrgico).

- Crianças com imunodeficiência congénita, dadores de medula óssea e transplantados ou que sofram de doenças hemato-oncológicas e estejam a fazer tratamentos que quimioterapia ou radioterapia.

Apesar de tudo isto, a vacina não está integrada no Plano Nacional de Vacinação. Contudo, a mesma é recomendada a todas as crianças desde que nascem.

Pertence agora a cada serviço de Pediatria dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde determinar o número de doses necessárias para a vacinação gratuita destas crianças e jovens.

 

 

 

Por: Patricia Santos

0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×