×
  • Buscar
Publicidad

50% das mulheres estão descontentes com a conciliação do trabalho com a maternidade

50% das mulheres estão descontentes com a conciliação do trabalho com a maternidade

De acordo com um estudo realizado pela Chicco cerca de 50% das mulheres que trabalham fora de casa dizem que a sua entidade patronal favorece a conciliação da vida laboral com a maternidade.

Publicidade

Índice

A conciliação

A conciliação da vida familiar é um dos temas mais importantes para a maioria dos trabalhadores. Encontrar um trabalho com uma horário compatível é muito mais importante do que um salário maior. Os problema de conciliação são, sem dúvida, uma das principais causas da descida da natalidade na Espanha e Portugal. Apesar disso, a situação tem melhorado muito nós últimos anos porque são muitas as empresas com consciência.

Entre as medidas mais comuns adoptadas para atingir este objectivo estão: a flexibilidade horária (52%), as permissões de licenças (52%), os benefícios sociais para as mães com crianças pequenas (24%) e, em menor quantidade, a flexibilidade para trabalhar à distância (11%).

Apesar disto há 38% de mulheres, a trabalhar fora de casa, que pensam que a sua entidade patronal não promove a conciliação do trabalho com a maternidade. Já 22% das mães afirmam que tiveram dificuldade em equilibrar o trabalho com os cuidados do bebé.

No que diz respeito aos motivos para terem filhos as mulheres referem que é importante para a realização pessoal (7 de cada 10), que socialmente dão mais importância a uma mulher com filhos (4 de cada 10) e que ter um filho tem um impacto positivo no relacionamento conjugal (4 de cada 10). Mas o motivo apresentado por um maior número de mulheres, incluindo aquelas que não são mães, é a ideia de que é importante para as crianças terem irmãos (8 de cada 10 mulheres).

O número ideal de filhos continua a ser dois: 73,5% desejam ter dois filhos, 13,5% querem ter mais do que dois e 13% não querem ter filhos. Apesar deste desejo, e de acordo com o estudo, um terço das mulheres assume que gostava de ter tido um filho.

Dentro das razões que mais contribuem para que hoje as mulheres tenham menos filhos estão: a falta de recursos financeiros para a educação, a falta de tempo para cuidar deles correctamente, a falta de equilíbrio entre o trabalho e a vida familiar e a ideia de que a chegada de um filho pode acarretar mudanças drásticas na vida de uma pessoa.

Actualmente, regista-se uma maternidade cada vez mais tardia, acima dos 30 anos, e quase 45% das mulheres que são mães entre os 39 e os 45 anos têm filhos com menos de 10 anos. Isto porque cerca de 94% das mulheres esperam pelo momento certo, a nível pessoal e profissional, para serem mães.

A latancia materna

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda uma latancia materna exclusiva até os 6 meses para ter uma melhor saúde e um bom desenvolvimento dos bebés. O problema é que normalmente a baixa por maternidade é só de 16 semanas, ou seja menos de 4 meses, pelo que parece difícil continuar com a latancia materna até os 6 meses. Complicações laborais, incompatibilidade horárias, falta de apoio... são só algumas das razões que obrigam a mulher abandonar a latancia exclusiva.

Segundo os dados do II Estudo Sobre Conciliação e Latancia realizado por Suavinex, o 43,77 das mulheres têm problemas para conciliar a latancia com a situação laboral.

Os dados variam dependendo o tipo de empresa na qual trabalhes.

- 44,45% em PYMES

- 45,42% em empresas nacionais.

- 49,07% em empresas internacionais.

- 36'86% as autônomas.

Em relação aos setores

- 40,16% das mães que trabalham no setor primário têm problemas.

- 28'53% das mães que trabalham no setor secundário têm problemas.

- 49'56% das mães que trabalham no setor terciário têm problemas

Finalmente, a única solução que encontram as mães que não conseguem continuar com a latancia exclusiva é ou abandonar ela ou abandonar o trabalho. Os dados falam que o 38% das mulheres não puderam conciliar e um 17% abandonou o trabalho enquando um 20% abandonou a latancia. Também existem outras opções como:

- deixar o bebé com os avôs.

- Redução de jornada.

- Latancia unicamente fora do trabalho.

- cedência

- levar o bebé ao trabalho.

- teletrabalho.

- trocar o posto de trabalho.

Finalmente saber que, dar o peito em lugares públicos também resulta problemático. Ainda nos tempos de hoje um 11'13% de mulheres teveram problemas.

No te puedes perder ...

A recuperação depois do parto

A recuperação depois do parto

São necessários mais de nove meses para que o organismo da mulher se recupere da gravidez e do parto. Durante a primeira semana, sentir-te-á fraca e incapaz de dar um passeio ou de levantar peso. Mesmo que te sintas bem, não exageres, porque desta forma apenas vás conseguir prolongar o tempo de recuperação.

 

 

Y tambien:

 


Fecha de actualización: 18-08-2020

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.