"A divisão digital entre gerações é a origem de muitos problemas", Óscar González

Partillhar

Óscar González, professor de Educação Primária, escritor, orientador educacional e professor, fundador da Aliança Educativa, um projeto que visa melhorar as relações entre as famílias e a escola. Ele é diretor geral da Escola de Pais com Talento e Educar com Talento e nos fala nesta entrevista sobre os perigos das novas tecnologias e como lidar com eles como resultado da publicação de seu livro Tus hijos y las nuevas tecnologías.

TodoPapás: Quais são os principais riscos das novas tecnologias para crianças e adolescentes?

Óscar González: Há muitos riscos e perigos associados ao mau uso da tecnologia. As que mais preocupam os pais são:


1. cyberbullying. Para que um caso de cyberbullying ocorra, tanto o agressor como a pessoa que está sendo intimidada devem ser menores. Caso contrário, estaríamos a falar de outros problemas.


2. Grooming. É o conjunto de ações e estratégias realizadas por uma pessoa adulta para ganhar a confiança do menor e obter concessões sexuais. É sobre o assédio sexual de menores na rede.


Temos de educar o nosso filho para que seja cauteloso: nunca forneça imagens ou dados pessoais comprometedores. Temos de impedir que eles recebam "o elemento de força". Isto é possível se formos proactivos em relação à privacidade.


3. Sexting. Sexting é o envio de conteúdo sexual (fotos ou vídeos) através de um telemóvel ou outro dispositivo tecnológico.

 

Quando se trata de menores, torna-se um problema grave. Ao contrário do
grooming, aqui o menor grava suas imagens e as envia voluntariamente (sem coerção).

Problemas com a amamentação?

Problemas com a amamentação?

Dar peito, para as mulheres que são mães pela primeira vez, é um grande mistério difícil de enfrentar, para além disso, se não o souber fazer correctamente vai pensar que o bebé não está a ser alimentado adequadamente. Saber qual é a melhor posição, a quantidade, o que deve comer ou não, o que fazer quando voltar ao trabalho … são muitas as inquietações que rodeiam este tema, no entanto, existe uma solução para todas elas.


Há também uma grande preocupação com a dependência móvel das crianças.


Os pais estão preparados para proteger os seus filhos destes perigos?


OG:Geralmente falando, não estamos. Precisamos de recuperar o atraso e aprender a utilizar as ferramentas necessárias para educar as nossas crianças a utilizá-las de forma responsável e segura. Para isso, devemos assumir que o nosso papel a partir de hoje será o de..:

 

- Prevenir. A prevenção é a base para evitar problemas decorrentes da má utilização da tecnologia.
 

- Acompanhamento/supervisão. É sempre melhor acompanhar do que proibir. É por isso que é necessário supervisionar as actividades que o seu filho realiza, os conteúdos a que acede, etc.
 

- A orientar. Ao longo deste processo, o objetivo é orientá-los para que façam bom uso da tecnologia. O primeiro passo para o fazer é agir coerentemente e dar-lhes um bom exemplo.

 

O fosso digital entre gerações está na origem de um grande número de problemas nas famílias de hoje. Isso dificulta o controlo parental, pois os pais têm dificuldade em conhecer as novas tecnologias porque elas avançam e crescem exponencialmente. Você sabe mais sobre as redes sociais do que o seu filho? Você lida com o seu telemóvel mais facilmente do que o seu filho? Possivelmente não... mas, queiramos ou não, temos que estar atualizados para poder orientar, guiar, acompanhar e educar nossos filhos da melhor maneira possível nesta faceta tão importante de suas vidas. É nossa obrigação estabelecer normas na utilização de telemóveis, supervisionar o que eles fazem quando navegam na Internet e saber o que fazem com os seus telemóveis e Tablet.


TPP: A partir de que idade se deve permitir que uma criança tenha o seu próprio telemóvel?


OG: Temos de comprar o celular em uma idade adequada e maturidade, tendo também em conta o seu ambiente de amizades, não ceder à pressão do grupo. Temos de deixar bem claro aos nossos filhos o que podem fazer e o que não podem fazer com os seus telemóveis. Não use o celular como punição ou recompensa. Se o telefone for um telefone de contrato, controle as ligações e o consumo e compartilhe essas informações com as crianças para que elas estejam cientes do custo.

 

TPP: E quanto ao acesso à Internet ou às redes sociais?


OG: Um menor que não preencha as condições de idade para o acesso legal às redes sociais não precisa estar presente nelas. E, mesmo que ele seja o único no grupo (o que raramente será), não podemos ceder à pressão do grupo para justificar que tem acesso a eles... Não basta limitar ou proibir o acesso, é necessário trabalhar antecipadamente quando nossos filhos são pequenos mantendo com eles uma comunicação fluida sobre sua presença nas redes sociais e o uso do mesmo em uma linguagem adaptada à sua idade.


Uma vez que você atenda aos requisitos de idade para acesso legal, estas seriam algumas recomendações para usá-los de forma responsável:


Se quiser que o seu filho tenha acesso a algum tipo de rede social, deve supervisioná-la. Para isso, temos de conhecer as redes a que os nossos filhos pertencem, bem como as suas condições de utilização e política de privacidade.


2. Ajude-os a registar-se e a criar o seu perfil, explicando os dados que não devem introduzir e o motivo. Configure com ele a privacidade do conteúdo. Usar perfis privados.


3. Discuta as aplicações que pretende utilizar. Experimente-os com ele e, se você não concordar que ele deve usar um, explique as razões claramente a ele.


4. Certifique-se de que o seu comportamento nas redes sociais serve de exemplo para o seu filho.


5. Estabelecer um plano de utilização.


6. Fala com o teu filho. Estabeleça regras de utilização acordando-as com o seu filho. Isto fará com que o seu filho se sinta mais envolvido na tomada de decisões. Estes podem ser alguns deles:

- Não adicione estranhos à rede.

- Evite indicar dados pessoais: endereço, escola, telefone...

- Use pseudônimo em vez de nome real ao criar um perfil.

- Trate os outros com respeito e sem mentiras: Trate os outros como você gostaria de ser tratado.

- Insultos e invasão da privacidade de outras pessoas não são permitidos.

- Não instale aplicações no seu telemóvel sem o nosso consentimento.

- Se receberem uma mensagem irritante, devem mostrá-la aos seus pais ou professores e não responder.

- Se receberem imagens ou vídeos de uma agressão, avisem os pais ou professores.

- Não envie fotografias de terceiros que os façam sentir-se mal por seu caráter degradante ou comprometedor.

 

TPP:O que devem os pais fazer para proteger as crianças destas novas tecnologias?


OG: O Instituto Nacional de Segurança Cibernética da Espanha propõe as seguintes diretrizes:


- Seja o melhor exemplo para os seus filhos. Antes de estabelecer regras, pense que você é obrigado a cumpri-las, seja coerente e faça exatamente o que você pede ao seu filho. Dizem que educar pelo exemplo não é uma forma de educar, é a única.

 

- Não demonize novas tecnologias. Seu filho precisa deles para o desenvolvimento pessoal e profissional, é mais útil focar em critérios de consenso, e aumentar a conscientização sobre os riscos e possíveis consequências de comportamentos inadequados.


- Escolha o conteúdo adequado à idade. Ajude-os a descobrir locais que promovam a aprendizagem, a criatividade e o aprofundamento dos seus interesses. Alguns conteúdos da Internet podem ser prejudiciais à sua educação e desenvolvimento. Use as ferramentas de controlo parental para monitorizar e controlar o conteúdo a que o seu filho acede, em idades precoces pode ser muito útil.


- Esteja atento ao meio ambiente e à tecnologia. É necessário conhecer a relação entre as crianças e a Internet para lhes oferecer orientação e apoio adequados. Não é necessário ser um especialista, mas recomenda-se que você treine o máximo possível. Tenha em mente que se seu filho percebe sua falta de conhecimento do médium, dificilmente vai querer que você o acompanhe em sua exploração da Internet, além de não levar a sério suas recomendações.


- Interesse-se pelo que ela faz online, compartilhe atividades e incentive o diálogo. Conheça os amigos online dos seus filhos, as aplicações que utilizam e os seus interesses. Incentivar a troca de conhecimentos e experiências na Internet, desta forma, você encontrará menos dificuldades ao transferir suas dúvidas e preocupações. Compartilhar atividades (por exemplo, para ajudá-lo a configurar as opções de privacidade das redes sociais, jogar um jogo online), é uma das melhores maneiras de monitorar sua atividade na Internet e trazer novos pontos de vista com a intenção de sensibilizá-los.


- Ajude-os a pensar criticamente sobre o que encontram online. As crianças precisam de compreender que nem tudo o que vêem na Internet é verdade. Podes confiar na web, mas não sejas ingénuo. Ensine-os a desconfiar das aparências e a contrastar informações em caso de dúvida.


- Certifica-te de que ele se sente confortável a pedir a tua ajuda. Evitar reacções exageradas e julgamentos rápidos. Se o seu filho sentir que vai ter problemas ao transferir algum comportamento inapropriado em que se envolveu, ou que vai perder privilégios (como o acesso à Internet ou um telemóvel) ao falar-lhe de um problema em que esteve envolvido, ele ou ela será mais relutante em pedir a sua ajuda, o que pode levá-lo ou ela a tentar resolver o problema sozinha, aumentando o problema.

 

TPP: Como educar as crianças no uso correto das novas tecnologias?


OG: Principalmente com o nosso EXEMPLO. Temos de educar para a utilização adequada dos telemóveis. Para tal, temos de estabelecer e acordar regras de utilização que nos ajudem a evitar os riscos máximos. É muito importante que os pais também educem aqui com o nosso exemplo. Não podemos dizer à criança que ao comer não pode estar ligada ao Whatsapp e podemos fazê-lo continuamente em cada refeição: vamos transmitir coerência na nossa mensagem.


TPP: Como evitar a saturação tecnológica?


OG: Esta saturação tecnológica e estar permanentemente "conectado" tem muitos efeitos negativos sobre nossos filhos e, muitas vezes, os pais não se dão conta disso. Há casos em que o tempo que eles passam na frente das telas é maior do que o tempo que eles passam dormindo e descansando. Preocupante.


Geralmente, se eles estão conectados (tanto a celulares como à televisão, consoles de videogame, etc.), isso os impede de se mover e fazer exercício físico, incentivando o sedentarismo e a passividade.  Por esta razão, é necessário que os motivemos a jogar jogos tradicionais, ao ar livre, etc., para estarem em contacto com mais crianças. Isto ajuda-os a relacionar-se "face a face", a aprender a resolver conflitos, a procurar soluções para os problemas que lhes são colocados, etc.


Não há nada que me incomode mais do que quando vejo quatro ou cinco crianças juntas na rua, todas olhando para suas telas móveis sem ter qualquer tipo de interação entre elas (pelo menos não uma interação real além dos emoticons de suas telas). Mas isto não acontece apenas com crianças...


TPP: O que é a Aliança Educacional?


OG: É um projeto (movimento) que iniciei há alguns anos com o objetivo de estabelecer melhores relações entre as famílias e a escola. Como eu sempre digo: "A família e a escola precisam compartilhar, não competir. Por esta razão, é necessário procurar novas fórmulas de colaboração e comunicação que nos ajudem a trabalhar como um autêntico EQUIPA.

 

TPP: Conte-nos mais sobre a Escola de Pais Talentosos.


OG: A Escola de Pais Talentosos é um projeto pedagógico que visa proporcionar ajuda, orientação, aprendizado e colaboração a mães e pais durante o processo educacional de seus filhos.


Todos os pais querem educar bem os seus filhos, mas muitos hoje em dia têm muita dificuldade em realizar esta aspiração. Estamos convencidos de que não existem receitas mágicas para educar os nossos filhos, não temos a "alquimia educativa" que resolve todos os nossos problemas, mas oferecemos orientações, ferramentas e princípios educativos para que eles possam chegar ao fundo dos problemas de cada criança de forma prática, respondendo às suas preocupações, dúvidas e medos.


Nossa intenção é prepará-los para aprender e encontrar seu próprio estilo e maneira de educar seus filhos. Queremos estar com eles para guiá-los, ajudá-los, acompanhá-los, escutá-los, aconselhá-los e oferecer-lhes o que procuram: soluções.


Para além dos mencionados, um dos nossos objectivos prioritários é "aprender com todos". Este projeto é uma experiência enriquecedora para todos os participantes onde a visão e experiência de outros pais nos ajudará a completar e enriquecer a nossa própria experiência.

É necessária uma mudança no conceito tradicional de Escolas de Mães e Pais, um modelo obsoleto. Nosso projeto estabelece um novo modelo de uma Escola de Pais prática e dinâmica que oferece resultados reais. Uma das queixas frequentes das escolas é que os pais não participam neste tipo de iniciativas. Oferecemos um projeto apoiado por um alto nível de participação e envolvimento por parte das famílias.

 

 

 

 

 

Redacçao: Irene García


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×