Discriminação sexual: a maternidade como uma das principais causas!

Discriminação sexual: a maternidade como uma das principais causas!
Partillhar

A maior parte dos casos de discriminação sexual que actualmente acontecem "derivam da maternidade e de uma intolerância absoluta perante ela", segundo explica a psiquiatra e autora do livro "Equilibristas. Entre a maternidade e a profissão", Inmaculada Gilaberte, que considera que a conciliação "é uma assinatura pendente" na vida da mulher que tem que se resolver para que as mulheres "deixem de ter medo de serem mães".

Neste sentido, para Gilaberte as mulheres "tendem a pensar que a maternidade irá penalizar a sua carreira profissional e que as afastará desse posto ao qual tanto lhes custo a chegar na sociedade". Assim e de acordo com vários estudos uma em cada cinco mulheres não têm o seu primeiro filho antes dos 35 anos. "Esse medo leva-as a arriscarem a sua fertilidade porque esperam até às últimas badaladas do relógio biológico para tomarem a decisão".

Desta forma e de acordo com um estudo realizado recentemente, cerca de 18% das trabalhadoras entrevistadas afirmam que nos seus trabalhos se produzem pressões contra as mulheres por causa da sua maternidade. Já 27% das trabalhadoras que deram à luz no ano passado asseguram que sofreram várias pressões por terem sido mães.

O estudo refere ainda que ao terem o primeiro filho cerca de 10% das mulheres optam por deixar o seu trabalho. Ao serem mães pela segunda vez a percentagem aumenta para 20%. Depois de serem mães pela terceira vez 40% das mães abandonam a sua vida profissional.

"A conciliação laboral é uma necessidade e um direito das trabalhadoras" afirma a psiquiatra Gilaberte. "É fundamental manter uma mínima estabilidade familiar. No entanto, muitas mulheres sentem-se incapazes de desempenhar ambos os papéis, especialmente se as primeiras etapas de crianças dos seus filhos coincidir com um momento ascendente do desenvolvimento profissional. Devemos encontrar um meio-termo de progressão laboral que se adapte ao nosso ciclo vital e no qual entre a maternidade" conclui.


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×