Conselhos para pais com filhos com má conduta

Conselhos para pais com filhos com má conduta
Partillhar

Seu filho se comporta fatalmente tanto em sala de aula quanto em casa? Ele é desobediente e seu comportamento é sempre ruim e você não sabe mais o que fazer? Para que seu filho seja feliz e tenha sucesso acadêmica e socialmente, é necessário aprender a respeitar as regras de convivência e evitar comportamentos inadequados como bater, insultar, desobedecer etc. Se você não sabe como conseguir isso, essas dicas podem ajudá-lo.

Todas as crianças podem passar por um tempo complicado ou mudanças, tanto emocionais quanto físicas ou mentais, que causam mau comportamento e desobediência. No entanto, na maioria dos casos, esses estágios desaparecem à medida que a criança cresce e amadurece graças ao trabalho de educação dos pais. O problema surge quando o mau comportamento se torna habitual e a única maneira de comportamento e os pais de uma criança já não sabem mais o que fazer para conseguir obedecer, cumprir as regras e comportar-se bem.


Nestes casos, a primeira coisa a fazer é descobrir por que a criança se comporta dessa forma e que pode estar por trás de sua má conduta, uma vez que tais atitudes tendem a ter uma causa por trás e descobrir isso, podemos ajudar muito para resolver o problema.


Entre as principais causas que explicam o mau comportamento da criança são os pais permissivos não impõem limites ou regras, mudanças sérias na vida da criança (em movimento, mudando de escola, luto, divórcio dos pais ...) ou distúrbios comportamentais como TDAH que afetam o comportamento da criança. Então observe seu filho, em que situações ele se comporta pior, pense em quando ele faz isso e tente encontrar a acusação concreta.

No te puedes perder ...

Alguns conselhos para evitar que sofra um aborto

Alguns conselhos para evitar que sofra um aborto

Infelizmente existem ocasiões em que as mulheres sofrem um aborto espontâneo, acabando por perder o bebé antes de nascer. Às vezes é impossível evitar que isto aconteça, no entanto, há situações em que sim, levando a cabo uma série de hábitos saudáveis que ajudam no correcto desenvolvimento do feto. Conheça as causas e o que pode fazer para enfrentar um processo tão duro.

 

 

 

 

Depois, é importante seguir estas diretrizes e dicas para redirecionar seu comportamento:


1- Analise se o seu comportamento é realmente ruim ou se, ao contrário, são apenas coisas de crianças. Muitas vezes, os pais esperam que as crianças a se comportar de uma forma que não é possível para a sua idade e quero que eles para ficar quieto e ainda mais tempo do que você é capaz. Portanto, seu filho pode não ser "ruim", mas apenas ter comportamentos normais para a idade. Não peça por impossível e fique zangado mais tarde se não atender às suas altas expectativas.


2 -Cuide bem de sua conduta e comportamento como as crianças, ja que elas aprendem a se comportar no mundo, especialmente nos primeiros anos de vida, observando o que seus pais fazem, por isso, se você é uma pessoa irascível e gritona, não Sinto falta do seu filho gritar ou ficar com raiva facilmente. Se você quer que seu comportamento seja exemplar, comece por se comportar dessa maneira.


3- Cuide dos estímulos e mensagens que seu filho recebe. Se você deixá-lo ver séries, filmes, desenhos ou conteúdo violento, sexista ou inadequados à sua internet idade, não se surpreenda que desempenha em suas vidas diárias tal comportamento. Você deve ter muito cuidado com o que vê e até com o que lê. Além disso, a superestimulação pode criar confusão, excitação e ansiedade, especialmente se seu filho for capaz de desenvolver esses problemas.

 

4- Aposte em técnicas de reforço positivas. Está provado que o reforço positivo e a disciplina positiva são muito mais eficazes do que punições, repreensões ou ataques, por isso opte por este tipo de técnicas para modificar o comportamento do seu filho. Além disso, o reforço positivo também serve para estabelecer novos comportamentos desejados. Essa técnica é muito simples de implementar e executar: baseia-se em recompensar bons comportamentos (por elogios, elogios ou pequenos prêmios) e ignorar comportamentos problemáticos.


Quanto aos prémios, não deve ser presentes ou dinheiro, mas algo mais simples que os valores criança e realmente agradecer, como um elogio, um sinal de afeto, um sorriso ou permitir-lhe realizar várias atividades como ir ao parque, jogar mais tempo, tomar um sorvete para a sobremesa, ir ao cinema, etc.


Toda vez que seu filho faz algo de bom, mostre a ele como você está orgulhoso dele. Esse é o maior prêmio para as crianças, que sempre buscam a aprovação de seus pais, por isso não hesite em dizer-lhes o que você faz bem.


Quanto a ignorar maus comportamentos, isso não significa passar à criança quando ela bate ou faz algo errado, deixando-o continuar fazendo isso, mas não prestando mais atenção do que o necessário a seus maus comportamentos, porque, afinal de contas, as crianças procuram é a atenção de seus pais, e elas não se importam se fazem algo bom, algo ruim. Você tem que marcar a diferença "ignorando-o" quando ele se comporta mal e prestando atenção a ele se comportando bem. Não enzarces em intermináveis ​​discussões quando lutando ou se comporta mal, basta dizer que, enquanto não obedecem não pode brincar com ele ou até que você parar de gritar, você não consegue entender ou ignorá-lo.

 

5- Lembre-se de que os limites devem ser claros, firmes e muito constantes. Eles devem ser aprovados por ambos os pais e ambos devem ser respeitados. Se uma delas é mais permissiva, a criança vai tirar vantagem disso. Além disso, você deve verificar se entendeu e internalizou as regras e consequências e que se lembra delas. Nunca dê várias instruções ou regras seguidas, vá uma de cada vez.


6- Priorize os comportamentos que quer mudar do seu filho, não tente mudar tudo de uma vez e passar de fatal a ser um anjinho. Vá aos poucos e tenha muita paciência.


7- Ouça-o quando ele tentar se explicar ou dizer por que ele fez alguma coisa. Não despreze suas explicações, pois elas podem lhe dar muitas informações sobre ele. Além disso, as coisas nem sempre têm que ser culpa dela, e ver os pais acreditarem que ela fará com que ela se sinta melhor e queira continuar se comportando bem.


8- Tenha em mente que as punições são arbitrárias, não são generalizáveis, não ensinam nada à criança e criam rancor. Em vez disso, escolha as consequências, que são o produto de uma ação específica, aplicam-se ao momento, ensinam a criança e são generalizáveis.

 

 

 

Fonte:

Faróis, Hospital Sant Joan de Deu.

Redação: Irene García



0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×
*/?>