×
  • Buscar
Publicidad

Depois da separação, como explicar ao meu filho que tenho um namorado?

Depois da separação, como explicar ao meu filho que tenho um namorado?

Como se sentiria se tivesse 5 anos e ao chegar a casa a sua mãe lhe dissesse "Filho, este vai ser o teu novo papá"? Esta é a questão que muitos pais fazem quando decidem iniciar uma nova relação de casal e enfrentam a ideia de como apresentarem os seus filhos a uma nova pessoa que vai fazer parte da sua vida.

Publicidade

Para muitos pais tomar esta decisão não é fácil, já que temem que os seus filhos não o entendam, que se sintam desprezados ou que não saibam onde inserir esta terceira pessoa nas suas vidas. É simples imaginar que não é assim tão fácil para uma criança perceber que vai entrar uma nova figura materna ou paterna na sua vida.

De acordo com a psicóloga Natalia Sastre, directora do Gabinete Sastre, o processo de introdução de um novo membro no casal deve levar o seu tempo, embora isto dependa da idade das crianças, se existem filhos da parte dos dois, do papel que desempenha o ex-cônjuge, etc. "Deve levar-se a situação com tranquilidade e em pequenas doses, fazer com que o filho participe no que está acontecer mas sem pedir-lhe a sua aprovação ou o seu conselho, já que se dessa forma pode estar a passar as responsabilidade da decisão para as crianças".

No te puedes perder ...

Recta final da gravidez: saiba distinguir as contracções!

Recta final da gravidez: saiba distinguir as contracções!

Assusta-lhe a recta final da gravidez, a aproximação do momento do parto, o facto de não estar preparada ou de não saber se o teu filho vai mesmo nascer? Por vezes as grávidas têm certas dores do parto que são “falsas”, as chamadas contracções de Braxton Hicks, que podem fazer crer que o grande momento chegou. Aprenda a distingui-las.

Y tambien:

Para além disso, Juan Pedro Valencia, psicólogo especializado em medos e problemas de comportamento, acrescente que antes de apresentar o novo membro da família é importante falar com os filhos sobre a possibilidade de formar uma nova família, fazendo-os ver que em nenhum caso significa que o seu afecto perante eles vá alterar-se e que continuam a ser muito importantes para si. O mais comum é que manifestem o seu desacordo com essa decisão, mas pelo menos não ficará a possibilidade de que pensem que tomou esta decisão sem antes ter falado com eles. "Se a comunicação fluida com as crianças se tiver desde o primeiro momento, tudo irá correr muito melhor.

Não é bom manter as crianças à margem do que se está a pensar e que pensem que tudo corre bem quando assim não o é. É importante que depois do divórcio as crianças continuem a manter uma relação com os dois e que ambos ex-cônjuges aprendam a respeitar as novas relações. É sobre esta base e quando vemos que os nossos filhos desenvolvem a sua vida com normalidade que devemos começar a mostrar, a pouco e pouco, a existência de um novo membro" acrescenta Natalia Sastre.

Os passos, a pouco e pouco

Os passos para introduzir a nova figura paterna/materna são os seguintes:

- Quem é quem: "Filho, alguma vez te falei do meu amigo Francisco? É um senhor muito simpático, irás gostar".

 

Ou seja, deve ir falando a pouco e pouco dessa nova pessoa, contar alguma anedota, fazer com que a criança se vá acostumando a uma nova presença na família.

 

- A apresentação: "Amor, hoje o meu amigo Francisco, do qual já te falei, vai-nos levar a passear ao zoo, será uma tarde muito bem passada".

 

Este é o momento mais temido, não apenas para as crianças mas também, e sobretudo, para o novo membro que não sabe como irá reagir a criança perante a sua presença. O melhor é que este primeiro contacto não seja num lugar familiar. Deve desenvolver-se uma actividade que seja gratificante para as crianças. A nova figura familiar deverá ganhar a confiança e o carinho dos seus filhos, embora isto nunca deva converter-se numa obrigação.

 

- A convivência: "O Francisco vem viver para nossa casa".

 

Este último passo será mais ou menos difícil segundo as crianças tenham previamente aceitado ou não o novo familiar. Antes de iniciar a convivência propriamente dita, deve estar de acordo e delimitar claramente os limites e normas da nova família que devem ser iguais para todos, sem distinções, tentando criar um ambiente o mais calmo possível e evitando situações entre ambos os cônjuges perante as crianças. Que cada um saiba claramente qual é o seu espaço, cama, quarto, etc.

 

Alguns conselhos

Embora todo o processo tenha corrido bem, deve sempre dar-se um tempo para que todos se acostumem à nova situação. Tanto Juan Pedro como Natalia têm a mesma opinião no que diz respeito a estes simples conselhos que poderão facilitar o processo:

- Não fazer comparações entre os filhos de um e do outro cônjuge, bem como criticá-los em público.

 

- Tentar que o pai ou a mãe que já não vivem com as crianças não sejam ocultados, nem no tratamento nem tão pouco em forma de fotografias ou lembranças que se ocultem. A nova relação não substitui o seu pai ou mãe biológicos.

 

- Evitar toda a sobreprotecção substituindo-a por aceitação, compreensão e apoio tentando de alguma maneira que sinta que cada um trata-se como é.

 

- O ideal é tentar criar novos vínculos fortes na nova família tomando, na medida do possível, as decisões de forma conjunta, fomentando o apoio e a ajuda entre todos e mantendo, se possível, a relação com os pais naturais.

 

- É bom que continue a reservar tempo em exclusivo tanto para os seus filhos como para o novo cônjuge.

 

- Devemos deixar claro aos nossos filhos que o facto de existir um novo membro não os exclui nem vai substituir o outro progenitor, que apenas existe um pai ou uma mãe e a outra pessoa. No entanto, devemos ser consequentes com o que dizemos às crianças e o mais importante é demonstrá-lo com factos.

 

Embora pareça uma situação longa e complicada, o certo é que se pode realizar com êxito.

As estatísticas mostram que são cada vez mais os casais que se separam. Grande parte desses casais tem filhos, o que supõe que muitas pessoas irão enfrentar o processo de apresentar os seus filhos a um novo membro e que estes, por sua vez, terão de conhecer, provavelmente, não só o noivo da mãe, mas também a nova noiva do pai... tarefa nada simples para a cabeça de uma criança.

No entanto, o que acontece se as crianças não aceitarem o novo membro da família? Isto pode chegar a ser um grave problema, já que muitas vezes as crianças obrigarão os seus pais a escolher entre eles ou a sua nova relação.

Geralmente as crianças não gostam dos novos casais. Não é algo pessoal, é sim o resultado da interpretação de que chegou alguém para ocupar o lugar perdido do seu pai ou mãe. É importante fazer com que as crianças percebam que o aceitar ou querer este novo familiar não significa querer menos, esquecer ou substituir o seu outro pai/mãe pois é algo que não vai alterar.

Normalmente, as crianças mais jovens têm mais facilidade e, dessa forma, a dificuldade vai aumentando à medida que as crianças crescem (sobretudo se são adolescentes). Para além da idade há que ter em conta se a separação ou a perda foi traumática, já que nesse caso aumenta a dificuldade e o tempo de adaptação à nova situação, sendo geralmente as crianças de divorciados as que mais dificultam, comparadas com aquelas que sofreram uma perda ou que não chegaram mesmo a conhecer os seus pais.

Para a directora do Gabinete de Psicologia Sastre Reyes, a relação de aceitação das crianças vai depender dos sentimentos que estes tinham perante o pai ausente. "É normal que ao início sintam raiva, rancor, ciúmes, que mantenham um comportamento rebelde... isto para reclamarem a atenção que perdem ao compartilhar o seu pai/mãe com o novo membro. Esta situação acaba por ser mais frequente se depois do divórcio centrou a sua vida no seu filho e, dessa forma, deve ter especial cuidado porque as crianças não podem, nem devem, passar de sentir que são a prioridade da sua vida a não passar quase tempo com elas. Se isso acontecer o processo de aceitação do novo membro será ainda mais duro".

Em todo o caso, se observar que existem reacções agressivas da parte da criança perante algum membro em particular da nova família e se o seu novo companheiro/companheira acaba por manifestar favoritismo por algum dos seus filhos, a nova situação poderá interferir na vida habitual escolar, laboral, lúdica ou social. Juan Pedro recomenda a possibilidade de se procurar ajuda para avaliar adequadamente a relação familiar e ver qual será a melhor forma de para tentar resolvê-la.

Um caso real: Nati conta-nos como conseguiu que o seu filho aceitasse o seu companheiro

Ao divorciar-me do meu marido o meu filho não sofreu muito pois era muito pequeno, tinha apenas 4 anos. Dois anos depois apresentei-lhe o meu novo companheiro, isto num encontro que planificamos previamente. Ao início a criança assustou-se, mas a pouco e pouco foram ganhando um carinho mutuo.

Actualmente vivemos os três. A convivência foi chegando a pouco e pouco: primeiros passamos alguns dias juntos e mais tarde o meu companheiro mudou-se definitivamente. A criança tem uma relação muito boa com o meu namorado, têm muita confiança um no outro e gostam muito de estar juntos. O meu filho também continua a ter uma boa relação com o seu pai, embora não seja muito comunicativo sobre o que faz com ele.

A nossa experiência é bastante positiva, apenas é preciso um pouco de tempo e paciência.

Como se pode comprovar através desta experiência real, é possível que uma criança aceite perfeitamente a nova figura paterna/materna, que se deem perfeitamente sem que essa situação cause nenhum trauma ou transtorno à criança.


 


 

Fontes: Natalia Sastre Reyes, Psicóloga e directora do Gabinete Sastre Reyes. Juan Pedro Valencia, Psicólogo especializado em medos, problemas de comportamento, desenvolvimento infantil e Escola de Pais.


 


Fecha de actualización: 07-06-2006

Redacción: Irene García

Publicidade

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.