Dicas para pais permissivos

Dicas para pais permissivos
Partillhar

É verdade que a os pais e as mães ninguém ensina-les a educar ou não seus filhos porque é algo que com o tempo está aprende-se. De fato, ao mesmo tempo em que as crianças aprendem, seus pais e mães também aprendem. Além disso, nenhum adulto é igual a outro e é por isso que haverá famílias muito mais permissivas que outras.

É isso o correcto? A verdade é que na maioria dos casos não é apropriado porque geralmente em famílias com pais e mães com uma educação de estilo mais permissiva é baseada na falta de regras e limites. Esses pais e mães permissivos, além disso, são aqueles que geralmente deixam a criança completamente livre para fazer o que quiser e na hora que quiser. E não exercitem a qualquer momento a autoridade que têm como pais para que a criança não perceba limites ou padrões de comportamento, de modo que, na ausência de comando, acabe sendo aquele que assume o poder.

 

O que acontece se a criança assumir o poder em casa?


Geralmente é mais comum do que pensamos que as crianças acabam se tornando o centro das atenções da família. A vontade deles vem em primeiro lugar, as rotinas diárias giram em torno deles, as tardes as adaptamos às suas atividades, os fins de semana são planejados a seu gosto, a televisão está sempre definida onde eles querem, os feriados os adaptam a eles e os menus diários também. É por estas razões que, em alguns casos, a criança começa a perceber que a vida gira apenas em torno dele, que ele é o protagonista de sua própria "história" e, como sua vontade vem em primeiro lugar, ele acaba impondo sua lei.

No te puedes perder ...

Música e yoga para relaxar as crianças

Música e yoga para relaxar as crianças

Uma combinação acertada de música e yoga pode ser a chave perfeita para relaxar pais e filhos. Umas peças de música clássica, com sons e melodias suaves que chamem o descanso e a tranquilidade e unas simples exercícios de respiração e alongamento servirão tanto para a criança como para si, para aliviar as tensões e os nervos do dia.

Nós a conhecemos como a Síndrome do imperador, uma síndrome que afeta muitas crianças hoje em dia, que também está produzindo uma mudança na estrutura familiar e uma alteração nos papéis em que, em vez de ser os pais a autoridade são as crianças que se encarregam do dia a dia. E isso, é claro, carrega um problema sério, porque a autoridade em casa realiza uma tarefa educacional de importância vital na vida da criança e também em seu futuro para formar pessoas independentes, auto-suficientes e plenamente aceitas. É uma autoridade formativa para educar em respeito.


Uma autoridade que também deve estar ligada ao amor, porque a autoridade nunca deve ser confundida com o poder, porque eles não são sinônimos, porque um pai ou mãe não tem poder sobre seu filho, mas autoridade para guiá-lo e educá-lo corretamente. Para isso, é fundamental definir os papéis na família e que cada um desempenhe seu papel corretamente. Isto sem dúvida ajudará a criança a superar este estágio egocêntrico, o estágio da Síndrome do Imperador, que se tornou moda há alguns anos para designar crianças rudes, caprichosas e tirânicas, na maioria das vezes como resultado de uma educação permissivo.

A permissividade, lembre-se, só favorece a manifestação da agressividade de nossos filhos e, muitas vezes, supõe que eles têm dificuldades em regular seus comportamentos por si mesmos, o que pode ser agravado na adolescência. Essa falta de normas tende a levar, mais do que ao desenvolvimento de autonomia e maturidade, a relações de indiferença em relação a pais e mães, mas também a um baixo desenvolvimento moral que já poderia ser desencadeado na adolescência, por exemplo, em relacionamentos muito próximos. muito conflituoso. É por isso que é essencial evitá-lo o quanto antes.

 

Conselhos para pais e mães permissivos


- Saber negociar. Você tem que fazer um grande esforço para ser um bom negociador com a criança (embora ele possa ser um bom negociador).


- Conheça seus próprios limites. Quando o pai ou a mãe não tem limites, ele não saberá como colocá-lo em seu filho. É importante que o adulto conheça seus limites e saiba exatamente o que eles são e imponha-os à criança.


- Saiba como dizer "não". O estilo comunicativo dos pais deve estar de acordo com suas palavras. Isso significa que a linguagem verbal e a linguagem não verbal nunca devem ser contraditas.


- Manter decisões. É essencial manter a coerência com o que é feito e pensado, porque senão a credibilidade será perdida para a criança. Isso também implica, portanto, ser consistente com o que se diz ou faz.


- Definir limites que tenham valor real. Não usar chantagem emocional ao impor à criança uma série de limites ou regras, mas apenas fazê-lo ver que se ele ganha isso é porque ele não está certo e não é ato adequado dessa maneira.


- Seja uniforme. Certifique-se de não ser permissiva em um tempo e muito rigoroso em outro, mas não para fazer promessas, se você sabe que não será capaz de cumprir.


- Finalmente, ouça e olhe para a criança. Quando a criança chora, chuta ou grita, provavelmente é porque ele está tentando dizer algo para seus pais. É importante escutar e olhar a criança com atenção para saber o que realmente acontece.

 

O que dizem os especialistas?


Para os especialistas, "essas crianças são um desafio diferente e superior ao resto de seus irmãos que não sofrem desta síndrome do imperador" e, claro, "os pais e mães vítimas dessas características especiais de seus filhos, que, em muitos Às vezes, o resultado da ignorância, a herança cultural que os culpa por consentir e os acusa de educação errônea, tendem a ignorar os primeiros sintomas do problema ou o pensamento enganador de que são coisas da época ".


Além disso, como os próprios especialistas afirmam, os grandes profissionais devem fazer um esforço para identificar essas crianças precocemente e ajudar seus pais em sua educação para que, antes que seja tarde demais, comportamentos violentos e prejudiciais possam ser evitados menos como para seus pais.

 

 

Fontes:

AEP EnFamilia "Normas e limites" https://enfamilia.aeped.es/noticias/normas-limites

"Estilos parentais: pais permissivos" http://criarenpositivo.es/estilos-crianza-padres-permisivos/

 

Redacçao: Ana Ruiz



0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×
*/?>