Mãe solteira: saiba quais são as principais dificuldades!

Mãe solteira: saiba quais são as principais dificuldades!
Partillhar

São muitas as causas que podem levar as mulheres a enfrentarem sozinhas a difícil tarefa da maternidade: em algumas ocasiões trata-se de uma decisão própria, enquanto noutras é o destino que obriga a este importante papel.

Iniciar-se sozinha na maternidade é uma realidade que tem aumentado nos últimos anos, uma nova organização familiar que se desenvolve com força nas sociedades modernas. Embora ao longo de todas as gerações o facto de uma mulher estar grávida sem ter marido é algo duramente criticado, são cada vez mais as mulheres que, por diversos motivos, se iniciam sozinhas na grande aventura da maternidade. Umas decidem ter um filho e criá-lo sozinhas através da adopção ou da inseminação, como também pode ser devido ao abandono o desentendimento por parte do futuro pai.

A mesma aventura em circunstâncias distintas

Ser mãe supõe uma grande alteração na vida de qualquer mulher, um período de transição cheio de novas situações, dificuldades e, como não podia deixar de ser, de momentos incríveis. São estes momentos nos quais muitas mulheres pensam quando decidem, pela sua própria vontade, aventurar-se na maternidade graças à adopção ou à inseminação artificial. Podem ser muitas as razões que levam estas mulheres a tomar este passo importante: desde quererem ser mães apesar de não terem marido, até não quererem compartilhar a vida com um homem sem quererem privar-se desta bonita mudança. Embora algumas mulheres decidam ser mães sozinhas, outras vêem-se obrigadas a fazê-lo por diversas circunstâncias.

Parto, conheça as diferentes alternativas para o grande momento

Parto, conheça as diferentes alternativas para o grande momento

A pouco e pouco é mais comum escolher uma forma de dar à luz diferente da normal. Em seguida, contamos-lhe quais são as tendências mais habituais e três parteiras do Hospital de Fuenlabrada, em Espanha, Raquel Ambrojo, Encarnación Luna e Irene Juárez, dão-nos as suas opiniões sobre cada uma dessas formas.

No entanto, muitas outras mulheres vêem este período muito mais escuro e preocupante, já que elas não decidiram viver a maternidade sozinhas, mas por um azar da vida têm de acabar por cuidar de uma criança sozinhas. Uma inesperada rutura antes ou depois de conhecer a situação da gravidez ou uma doença que incapacite o pai, entre outras coisas, podem levar a mãe a criar a criança sozinha. Embora seja certo que a presença de um pai e o facto de se compartilhar a educação da criança são situações importantes e de uma grande fonte de apoio para a mãe, também deve saber que são muitas as mães que criaram sozinhas os seus filhos. Não obstante, hoje as coisas mudaram e criar um filho sozinha é difícil, mas não é impossível, sobretudo, se temos o apoio, o carinho e a compreensão de quem nos quer bem.

Quais são as principais dificuldades?

- A sobrecarga e o excesso de responsabilidades são características próprias das mães solteiras, já que têm de fazer tudo sozinhas assumindo as funções de mãe e de pai, de domésticas, laborais, educativas, etc.

- A principal dificuldade que as mães solteiras têm que enfrentar é a economia. Por não disporem da ajuda do pai torna-se mais complicado fazer frente aos gastos que um bebé ou uma criança supõe. Para além disso, na maior parte das vezes nem recebem a pensão por parte dos pais, o que piora ainda mais a situação.

- Se as mães solteiras não têm trabalho as dificuldades são ainda maiores.

- No entanto, uma das principais preocupações das mães solteiras é o que dirá à criança quando esta perguntar pelo pai. Antes que isto aconteça deve-se dizer às crianças a verdade, mas sempre adequada à idade e sem demasiados detalhes. Para que o seu filho confie em si, há que dizer sempre a verdade ajudando-o a confiar na mãe.

Como enfrentar uma gravidez sozinha?

Tanto a falta de ajuda por parte do pai na educação, como no apoio emocional à mãe, são factores que não facilitam esta nova experiência que vai ficar marcada pelas responsabilidades e também pelos bons momentos que irá viver juntamente com o seu bebé. A falta da figura paterna não impedirá em nenhum momento que desfrute a 100% do seu filho, bem pelo contrário, devem estar mais unidos devido ao tempo e às situações que vão passar juntos. No entanto, se quiser enfrentar a gravidez da melhor maneira possível pode levar a cabo uma serie de conselhos que a ajudarão no seu trabalho como mãe:

- Pense no momento do parto e nas primeiras semanas de vida do bebé, em tudo aquilo que vai precisar nos primeiros dias. Organize-se, desta forma evitará a angústia e o stress.

- O facto de não ter marido não significa que vai estar sozinha na gravidez, no parto e na educação da criança. Os seus familiares, amigos e até os vizinhos podem ajudá-la em tudo o que necessitar, sobretudo, nos primeiros dias.

- Também deverá pensar como é que vai ser quando voltar ao trabalho, quem é que vai tomar conta da criança? Nestes casos, podem ser os avós os que mais ajudas prestam, no entanto, será uma boa ideia que aproveite o tempo de gravidez para procurar uma ama ou um infantário para o seu filho, assim evitará o stress de ter de fazê-lo com pressa.

- Confie em si e esteja segura, assim transmitirá segurança também ao bebé. São muitas as crianças que crescem sem pai e num núcleo familiar incompleto, o que, na verdade, não supõe dificuldades para que a criança tenha um desenvolvimento e crescimento normal e saudável.

- Quando o seu filho perguntar pelo pai, conte-lhe a verdade mas sem grandes detalhes. Diga-lhe que a sua família não é como as outras, mas que isso não tem nada de mal.

- Nunca deve falar mal do pai da criança, tente contar-lhe sempre coisas positivas. Quando o seu filho crescer deixe que seja ele mesmo a tirar as suas próprias conclusões.

- As mães que criam os filhos sozinhas tendem a protegê-los de mais, algo que não é bom já que quando vão para a escola encontram-se com a realidade. Desta forma, tente explicar às crianças as coisas o mais claramente possível.

- Dedique um certo tempo a si mesma. Pode fazê-lo quando o seu filho for dormir. Faça qualquer coisa de que goste: veja televisão, leia um livro, oiça música, etc.

- Não pense que arranjar rapidamente um “pai” para o seu filho será a melhor solução. Tome o seu tempo.

- Não pense que não deve ralhar nem castigar a criança por esta não ter pai. Há que colocar-lhe limites e castigá-la se for necessário.

- Por fim, recorde-se que ser mãe solteira não significa ser uma super-heroína. Deve assumir as suas novas responsabilidades, mas sempre consciente de que tem limitações e de que não deve sobrecarregar-se. Assim, diminuirá o nível de ansiedade e auto-exigência, podendo cuidar melhor do seu filho e desfrutar de todos os momentos bons e felizes que a maternidade trouxer.


 

 

 

1 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
  1. Anônimo

    "DIAS DAS MÃES! Ajude sua mãe a encontrar a felicidade! Mesmo que você não a ame e não queira o seu bem, mas ela é sua mãe! Presenteia com um livro destes! Baixe este livro agora mesmo! R$ 2.99 http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/7003798/chamam-me-lene-estou-vivendo-um-grande/?PAC_ID=122866 Mesmo que você não ame seu pai, mas ele precisa conhecer o que é a “DETERMINAÇÃO O PENSAMENTO POSITIVO” presenteia com este livro, ele vai te agradecer por todos os dias de sua vida!Baixe este livro R$ 2.99Determinação o pensamento positivo/lançamento mundial http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/6985578/determinacao-o-pensamento-positivo/?PAC_ID=125981".

    Responder
    ×


    ×
    ×
    ×