Dúvidas sobre a ovulação

Dúvidas sobre a ovulação
Partillhar

Saber como é e como se produz a ovulação é fundamental para perceber o ciclo menstrual e saber quais são os dias mais férteis, ou seja, aqueles dias em que tem mais probabilidades de engravidar. É essencial conhecer o funcionamento do seu corpo.

O que é a ovulação?

 A ovulação é o processo de emissão de um óvulo (às vezes até mais do que um) após a formação de um folículo ovárico, ou seja, o momento em que o ovário expulsa um óvulo. Todos os meses se produz o amadurecimento de um óvulo dentro do ovário. Depois de alcançar um certo tamanho, o óvulo sai do ovário e dirige-se para a trompa de Falópio e depois para o útero. Uma vez na trompa, o óvulo espera pela possível chegada de um espermatozóide para que se produza a fecundação. Este é o momento mais fértil do ciclo.

 

A ovulação, normalmente, ocorre aproximadamente 14 dias depois do primeiro dia do ciclo menstrual das mulheres. No entanto, este processo depende da duração do ciclo, que pode ir desde os 20 dias até aos 35 dias, pelo que a ovulação pode ocorrer desde o oitavo dia até ao vigésimo.

No te puedes perder ...

Dúvidas sobre a ovulação

Dúvidas sobre a ovulação

Saber como é e como se produz a ovulação é fundamental para perceber o ciclo menstrual e saber quais são os dias mais férteis, ou seja, aqueles dias em que tem mais probabilidades de engravidar. É essencial conhecer o funcionamento do seu corpo.

 

Fases da ovulação

O ciclo menstrual tem como missão preparar o organismo para que este consiga uma gravidez com êxito e preparar o corpo da mulher para a reprodução. Neste ciclo pode-se distinguir duas fases: a folicular e a lútea, separadas pelo fenómeno da ovulação.

- Fase Folicular: Esta é a primeira fase e tem este nome porque nela se desenvolve o folículo onde se encontra o futuro óvulo. Durante esta etapa, a hipófise começa a segregar grandes quantidades de uma hormona chamada de folículo-estimulante, o FSH, que viaja através do sangue para actuar nos ovários e para desenvolver os folículos (entre 10 e 100 em cada ciclo). Estes, por sua vez, começam a produzir grandes quantidades de estrógeneo, hormona que também circula pelo sangue para actuar em todos os tecidos da mulher. Simultaneamente, o hipotálamo liberta outra hormona, em pequenas quantidades, a prolactina, que intervém no amadurecimento dos folículos do ovário.

Cada ciclo selecciona aleatoriamente um folículo que cresce até alcançar uma medida de aproximadamente 20 milímetros. É neste momento que se rompe e liberta o futuro óvulo. Durante esta fase a cavidade uterina sofre algumas alterações, no endométrio e nas glândulas mamárias, que se preparam para uma possível gravidez.

- Fase ovulatória: Como consequência dos altos níveis de estrogéneo, o hipotálamo começa a libertar outra hormona chamada de LH que completa o amadurecimento do folículo, transformando-o num grande folículo que entre 12 a 36 horas vai romper-se libertando o óvulo. Quando isto acontece liberta na cavidade abdominal mais ou menos 10 a 15 ml de líquido e milhões de células responsáveis pela produção de hormonas ováricas. Juntamente com estas células liberta-se também o óvulo.

De seguida, o oócito dirige-se para a cavidade peritonial, onde é preso no extremo das trompas de Falópio. As trompas estão “equipadas” com pequenos filamentos que se movem como um aspirador doméstico, varrendo e aspirando o líquido folicular libertado com todo o seu conteúdo principal, o óvulo. Os músculos das trompas também se contraem ritmicamente para facilitar a entrada do óvulo e, dessa forma, que se encontre com o seu parceiro, o espermatozóide.

- Fase lútea: Esta etapa, que procede a ovulação, caracteriza-se pela aparição no ovário, na zona onde foi libertado o óvulo, de um tecido muito rico em gordura designado de corpo amarelo (devido à sua cor amarelada) ou corpo lúteo. Este tecido começa a formar grandes quantidades de progesterona, cuja função principal é a de preparar o endómetrio para alimentar o óvulo fecundado até que este possa “alimentar-se” do sangue materno através da placenta. A progesterona também estimula o colo do útero para que este segregue uma mucosidade muito espessa que impede a entrada de germes que podem vir a afectar o óvulo em crescimento.

Se não houve fecundação dá-se a morte funcional do corpo lúteo e a mucosidade é desvitalizada por falta de estímulos hormonais adequados. Os elementos acumulados desprendem-se e rompem-se os vasos sanguíneos, produzindo-se uma hemorragia – a menstruação.

Se o óvulo foi fecundado, as células que vão transformar-se mais adiante na placenta começam a segregar uma nova hormona, a ganadotrofina coriônica humana, que ao ser detectada no sangue materno, através de um teste de laboratório, confirma a gravidez. Esta hormona faz também com que o corpo amarelo permaneça vital e que continue produzindo grandes quantidades de progesterona. O corpo lúteo é fundamental durante as primeiras 10 semanas de gestação.

De quanto em quando tempo é que se dá a ovulação?

Este ciclo inicia-se na puberdade com a primeira menstruação, por volta dos 12 anos, e a partir daí repete-se ao longo da vida fértil da mulher até à menopausa. O ovário está dotado de 500 mil óvulos, todos preparados da mesma maneira para serem fertilizados, no entanto, só 500 chegam a amadurecer completamente.

No princípio os ciclos começam por ser irregulares, produzindo a ovulação e a primeira menstruação uns meses sim outros meses não (a pouco e pouco vão-se tornando cada vez mais regulares). Apesar de se considerarem ciclos regulares aqueles que são de 28 dias, a verdade é que cada mulher tem o seu ritmo e necessita do seu tempo para que se produzam todas as mudanças.

As alterações que ocorrem em cada ciclo são governadas por hormonas do hipotálamo, da hipófise, da tiróide e do ovário. Existe uma estreita relação entre o hipotálamo e a hipófise já que se controlam mutuamente e, para além disso, o hipotálamo está estritamente relacionado com outras áreas do cérebro. Desta forma, as alterações emocionais podem afectar o ciclo menstrual. É muito comum que o período desapareça quando sofremos de stress ou de ansiedade e nervosismo.

Calcular os dias férteis

Perceber qual é o momento exacto no qual ocorre a ovulação é fundamental para que consiga ficar grávida, já que manter relações sexuais nos dias férteis aumenta as possibilidades de conceber um bebé. Para ficar grávida deve ter relações sexuais durante o período que se estende desde o dia antes da ovulação até, mais ou menos, 24 horas depois. Isto porque os espermatozóides podem viver durante três dias, mas um óvulo não sobrevive mais de 24 horas depois da ovulação, a não ser que seja fecundado.

Nos ciclos curtos, que duram entre 23 a 25 dias, a ovulação produz-se por volta do nono dia do ciclo. Portanto, tendo em conta a vida de um óvulo (24horas) e do espermatozóide (umas 72horas), os dias férteis serão do oitavo ao décimo terceiro dia do ciclo.

Nos ciclos normais, de 28 dias, a ovulação produz-se por volta do décimo quarto dia, pelo que os dias férteis vão do décimo segundo ao décimo sétimo dia.

Nos ciclos longos, entre os 30 aos 35 dias, a ovulação produz-se por volta do décimo sexto dia. Desta forma, os dias férteis vão do décimo terceiro ao décimo oitavo dia.

Nos ciclos irregulares, de uma variação diferente, é mais difícil encontrar o momento certo da ovulação e, dessa forma, também os dias férteis. Assim, deve prestar atenção às variações da temperatura basal e ao muco cervical.

Mantendo relações sexuais nestes dias tem 20% de possibilidades de conceber em cada ciclo e 85% de ficar grávida depois de um ano a seguir esta regra. No entanto, também convém ter em conta (principalmente aquelas pessoas que não desejam uma gravidez) que em qualquer momento do ciclo é possível engravidar.



Fecha de actualización: 09-03-2009

Redacción: Irene García

TodoPapás es una web de divulgación e información. Como tal, todos los artículos son redactados y revisados concienzudamente pero es posible que puedan contener algún error o que no recojan todos los enfoques sobre una materia. Por ello, la web no sustituye una opinión o prescripción médica. Ante cualquier duda sobre tu salud o la de tu familia es recomendable acudir a una consulta médica para que pueda evaluar la situación en particular y, eventualmente, prescribir el tratamiento que sea preciso. Señalar a todos los efectos legales que la información recogida en la web podría ser incompleta, errónea o incorrecta, y en ningún caso supone ninguna relación contractual ni de ninguna índole.

×


×
×
×
*/?>