Endometriose e fertilidade. Será possível?

Partillhar

A endometriose é uma doença que afecta 10% das mulheres em idade reprodutiva. Caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do útero esta doença tem como consequências, entre outras, dor pélvica, cansaço, cólicas menstruais e, de acordo com especialistas, em 40% dos casos as mulheres podem sofrer de infertilidade.

 

 

Gravidez e álcool, uma combinação perigosa para o seu bebé

Gravidez e álcool, uma combinação perigosa para o seu bebé

Todos os anos nascem milhares de crianças com danos cerebrais como consequência do consumo de álcool das suas mães durante o período de gestação. Embora a maioria das mulheres tenham consciência de que o abuso das bebidas alcoólicas é prejudicial para o bebé, o que muitas não sabem é que uma quantidade muito baixa de álcool também pode prejudicar o feto.

Sintomas da endometriose

Os sintomas que alertam para a endometriose podem variar de mulher para mulher. No entanto, os mais comuns são:

- Cólicas menstruais intensas e dores no abdómen e na parte inferior das costas.

- Dor durante as relações sexuais.

- Infertilidade.

- Fluxo menstrual abundante.

- Fadiga e cansaço.

- Dor ao urinar durante o período menstrual.

- Dor ao evacuar durante a menstruação.

- Outros problemas gastrointestinais como diarreia, prisão de ventre e/ou náuseas.

 

Há que destacar que o nível de dor sentida pode não estar directamente relacionado com a gravidade da doença. Algumas mulheres apresentam dores pélvicas contínuas mas outras não apresentam sintomas. ''É uma doença de diagnóstico complexo e é habitual que as pacientes procurem vários especialistas até a infecção ser encontrada. Pode demorar 6 a 8 anos a chegar ao diagnóstico correcto'' afirma a Dra. Mónica Alarcón, ginecologista da Clínica de Reprodução Assistida Ginefiv.

Para detectar a doença o ginecologista realizará um exame pélvico à paciente e uma ecografia abdominal ou vaginal. Em algumas ocasiões poderá ser necessário  outras técnicas de diagnóstico especiais como o TAC (tomografia axial computorizada) e/ou a ressonância magnética que permitirá observar os órgãos e as estruturas internas de forma bidimensional. ''Contudo a laparoscopia é o principal meio de diagnóstico, uma vez que permite avaliar a pélvis, identificar os tecidos uterinos que estão fora do lugar, fazer biopsias, eliminar os quistos que se encontram nos ovários e, em alguns casos, tratar as zonas afectadas com laser'' adianta a Dra. Alarcón.

Para além das mulheres em idade reprodutiva a endometriose pode afectar ''aquelas que foram mães depois dos 30 anos; as mulheres que têm um familiar em primeiro grau com a mesma doença; as mulheres com anomalias no útero ou que fizeram laqueação das trompas; ou adolescentes e mulheres que se encontram na pós-menopausa'' menciona a Dra. Alarcón.

 

Endometriose e infertilidade

Uma das principais causas de infertilidade e, consequentemente, da visita de muitas mulheres aos centros de reprodução assistida é a endometriose. Apesar disso, o tratamento da doença em estado inicial pode possibilitar a recuperação da capacidade de engravidar “Nos casos mais avançados são as técnicas de reprodução assistida e as transferências embrionárias cuidadas que permitem muitas mulheres realizar o sonho de serem mães, proporcionando taxas de êxito de 45-50%. Contudo, em alguns casos, poderá ser necessário substituir o óvulo da paciente e fazer a fecundação com óvulos de uma dadora (recepção oocitária) o que assegura uma taxa de êxito de 58-60%" confirma a Dra. Alarcón. 

 

Tratamento

Embora ainda não exista cura para esta doença há tratamentos que atenuam os sintomas e cirurgias que silenciam a infecção durante vários meses.

Se a paciente apresentar sintomas leves estes podem ser tratados com analgésicos simples. “Em outros casos utiliza-se tratamentos hormonais que diminuem ou bloqueiam temporariamente a função ovariana, como por exemplo a pílula combinada, o Hormônio libertador de gonadotrofina ou progesterona oral ou vaginal. Nos casos onde isso não é suficiente aplicam-se técnicas cirúrgicas tais como a laparoscopia, para remover as maiores áreas de endometriose, ou, se a mulher não tiver presente o desejo de reprodução, a histerectomia  que consiste na remoção do útero e do colo uterino'' explica a Dra. de Ginefiv.

 

Conselhos úteis

Para aliviar a dor provocada pela endometriose a Dra. Mónica Alarcón recomenda algumas técnicas simples. "O relaxamento, a meditação, os banhos quentes, tentar evitar a prisão de ventre e praticar exercício físico regularmente ajudam a paciente a sentir-se melhor e a aliviar os sintomas mais incómodos. Para além disso, a medicina tradicional chinesa, as terapias nutricionais e a homeopatia combinadas com outras terapias convencionais também podem servir de ajuda''  conclui a Dra. Alarcón.

 

Fonte: Clínica de Reprodução Assistida Ginefiv.

Redaçao: Irene García


0 Comentários

Escreva o seu comentário

iniciar sessão inscrição
×


×
×
×
Cerrar